Home Sistemas de Armas Rafale em configuração de peso-pesado

Rafale em configuração de peso-pesado

341
51

As fotos acima e abaixo, que estão no número 14 da revista Fox Three (publicada pela Dassault para divulgação do Rafale) e no site da MBDA, mostram a aeronave em uma configuração “peso-pesado”, para ataques a longas distâncias (embora o fabricante não explicite, na matéria, o valor exato desse alcance – mas vale a pena ver algumas projeções possíveis para ataques a longa distância no primeiro link ao final desta matéria do Poder Aéreo).

O que a Dassault deixa claro em sua revista é que a aeronave pode carregar, no total, mais de 15 mil quilos divididos entre armas e combustível externos e combustível interno (destacando que a capacidade interna de combustível da versão monoposta é de 4.700 kg). A Dassault compara esse número favoravelmente ao peso vazio da aeronave, que é inferior a 10 toneladas.

Nas fotos, a configuração para ataques a alvos de grande valor e bem defendidos, a grandes distâncias: dois mísseis de cruzeiro Scalp, quatro mísseis ar-ar Mica e três tanques externos de combustível de 2.000 litros de capacidade cada (cuja aerodinâmica é indicada para voo subsônico). Segundo a revista, o Scalp pode ser disparado pelo Rafale a altitudes muito baixas, aproveitando o modo de acompanhamento do terreno da aeronave para evitar detecção.

FONTE / FOTOS: Dassault (Revista F0x Three número 14) e MBDA

VEJA TAMBÉM:

Subscribe
Notify of
guest
51 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Antonio M
Antonio M
9 anos atrás

Pois é.

Não é só o Gripen que precisa de tanques extras……

Robson Br
Robson Br
9 anos atrás

Indiferente se não for este o escolhido, uma coisa é certa:

Ele existe, já passou pela fase de DEMO, pela fase de PROTÓTIPO e agora já está operacional e cada dia assume mais missões.

Enquanto a pulga Auto CAD……hummmm será que vira pelo menos “”DEMO””…

Vader
Vader
9 anos atrás

Um autêntica bomba atômica ambulante, hehehe… 🙂

curvo
curvo
9 anos atrás

SÊ vier GRIPEN será o vetor, com tecnologias e compartilhamento e … sÊ vier o Rafale? Virá o vetor, com tecnologias (Só depóis da 37 ª aeronave !!!) e custos, muitos custos hehehehehehe

Darkman
Darkman
9 anos atrás

Caro Nunão,
Colocou esse post para encher os corações dos Rafaletes !!!
Brandai os corações !!!!

Rafale pode ser o que for mas não é melhor do que o Su35.

Abs.

Francisco AMX
Francisco AMX
9 anos atrás

9.000 toneladas vazio… 24 toneladas carregado… é mole?! rsrsrss

e isso que o motor é “fraco”! rsrsrss imaginem se fosse “forte”!

tem cada uma que se perpetua neste blog…
Ah, observem o que este “motor” fraco, esta fazendo com o Rafale com este “pesinho”….

Morram de inveja Gripetes!

Sds!

Robson Br
Robson Br
9 anos atrás

Uma coisa é certa……O Gripen NG não vai pois não existe para ir e não vem simplismente porque não foi…rsrsrsr

Será que algum dia vai existir um gripen NG para ter uma foto com esta.

Ricardo-Recife
Ricardo-Recife
9 anos atrás

Com aquele motorzinho merreca e com carga completa a taxa de giro dele confirma o apelido de Jaca. Uma Jaca onde o piloto voa com binóculos eletrópticos, sem HDS e sem um AESA decente. E Spectra? O que é o Spectra? Um AUTOCAD/ECAD, tudo isto por míseros 64 milhões de euros.

Marcos
Marcos
9 anos atrás

Uma Duvida

Estes são os mesmo Motores que apagaram na India????

Justin Case
Justin Case
9 anos atrás

Amigos,

Para descontrair, vejam este filme sobre o P-47 na Segunda Guerra Mundial:
http://s144.photobucket.com/albums/r173/piperpacer/p47s%20France/?action=view&current=P-47satWar.mp4
Abraços,

Justin

“Justin Case supports Rafale”

Nick
Nick
9 anos atrás

Vai entender os projetistas…. uma das coisas que não entendo no projeto do Rafale é o fato de ele SEMPRE decolar com esses 3 tanques….Se ele precisa desse combustível para realizar suas missões, porque não o fizeram com maior capacidade interna de combustível? E não seria muito complicado, era só fazer como o SU-27/35, com um vão entre os motores, que aumentaria o espaço interno disponível. Outra coisa foi o fato deles não terem desenvolvido um shape mais furtivo, já que as requisições de um ATF com esss características por parte da USAF já estava disponível. []’s

Francisco AMX
Francisco AMX
9 anos atrás

Ricardo, diz aí para nós qual é a taxa de giro do Rafale com 15 toneladas? e o SPECTRA? isso é para poucos! não é para mirrados nórdicos…! 64 milhões de Euros = 78 milhões de dólares! uma pechincha por um caça birreator, completo, que carrega 15 toneladas de peso, 9,5 tonelas de armas… perto dos 80 milhões pagos pela Thailândia por um Gripen C que não alcance 850km, carrega pouco mais de 5,5mil quilos de armas…! rsrsrs ah esqueci! o NG vai custar pouco mais que uma Ferrari para comprar e menos que um Gol para dar manutenção… desculpe… Read more »

Fabio
Fabio
9 anos atrás

Acho bacana essa troca de “carinhos” entre os fãs do rafale e os fãs do gripen… contudo de tudo que li em blog/site de defesa apenas uma coisa eu tenho certeza: qualquer um dos 02 caças é mais do que suficiente para a FAB! a tal TT, tanto com o rafale quanto com o gripen, não será 50% do prometido, ou realmente alguem acredita que décadas de pesquisa e desenvolvimento serão repassados a técnicos/engenheiros brasileiros com a compra de apenas 36 vetores?…por favor… o importante desde já é escolher um e COMPRAR…pois a partir da chega dos primeiros 4 exemplares… Read more »

osorio
osorio
9 anos atrás

Ainda sou mais o SH,são dois F414 anabolizados.

Ricardo-Recife
Ricardo-Recife
9 anos atrás

“Marcos disse:
6 de julho de 2010 às 22:03

Uma Duvida

Estes são os mesmo Motores que apagaram na India????”

É Marcos são estes mesmos, falharam. Dos seis competidores somente o Gripen e um outro conseguiram ligar seus motores de primeira e fazer tudo que os indianos queriam. A aposta é que o outro foi o F-18.

ZE
ZE
9 anos atrás

Pessoal, vocês são muito intolerantes.

Só porque os motores apagaram ?!?!?!?

Que bobagem.

Religa quando der.

Tenham paciência. Uma hora eles religam.

[ ]s

DrCockroach
DrCockroach
9 anos atrás

O problema eh que carregado o bicho sacode todo: “The UAE also wants the Rafale engine to have nine tonnes of thrust, up from the 7.5-tonne thrust engine in use by the French air force and navy version, according to media reports. The French version is not optimal for take-offs in hot and dry countries, or if the plane is heavily loaded with fuel and ammunition, according to Alain Ruello, an editor with Les Echos, a French business newspaper” http://www.thenational.ae/apps/pbcs.dll/article?AID=/20090929/BUSINESS/709299930/1005 Gripen e SH: GE F414 97.9 Kn Typhoon: EJ200 90Kn Rafale: Snecma M88 75 Kn… Segura peao!! O bicho vibra..… Read more »

grifo
grifo
9 anos atrás

Tenham paciência. Uma hora eles religam.

Exato. Tentaram fazer uma “chupeta”? A IAF está nitidamente de má vontade com os franceses, não entendem as consequências geopolíticas e estratégicas na parceria Índia-França. Vamos mandar o Jobim lá enquadrar eles…

Pelo menos o motor apagou em solo e não no ar, como o Atar 9C dos nossos Mirage III costumava fazer por aqui, com terríveis e lamentáveis consequências.

DrCockroach
DrCockroach
9 anos atrás

Organization Please, como diria aquele da piada… Vamos Sumarizar: – A turbina do Rafale tem problemas com ar rarefeito (e talvez frio) de Leh (India); – Mas a turbina do Rafale tb tem problemas com ar quente e seco dos Emirados; – Nao conseguiram demonstrar supercruise na concorrencia em Singapore (http://www.electronicaviation.com/aircraft/Dassault_Rafale/819); – Segundo a Eurofighter (relato deles, eu sei) o Typhoon sempre saiu com mais carregado que o Rafale nos exercicios de Al Dhafra; – Carregado, conforme link acima, o Rafale tem problemas na decolagem (o bicho trepida); Hey, e vcs nao querem pagar mais alguns bilhoes por este jet… Read more »

Antonio M
Antonio M
9 anos atrás

“…9.000 toneladas vazio… 24 toneladas carregado… é mole?!”

US$ 26.000 a hora de voô !! é mole?! NÃO! é duríssimo para os bolsos da FB e do contribuinte. A não ser que as rafaletes façam uma vaquinha entre eles para sustentar essa jaca de ouro …..

Justin Case
Justin Case
9 anos atrás

Amigos,

Algumas informações a considerar:

Para o desempenho do motor (potência em determinado regime):
– quanto mais frio, melhor;
– quanto mais baixo, melhor.

Para o peso máximo de decolagem:
– ver considerações sobre o desempenho do motor;
– o ar rarefeito (altitude) requer maior velocidade no solo para ser atingida a mesma velocidade aerodinâmica;
– muitos aviões têm seu peso máximo de decolagem em altitude restrito pela velocidade limite dos pneus.
Abraços,

Justin

“Justin Case supports Rafale”

curvo
curvo
9 anos atrás

Então Justin Case, para que o Rafle atue em Leh tinham de ter trocado os pneus ????
Ou simplesmente o Rafale nã tem como operar nestas circunstÂncias (operação na base aérea de Leh), foi isto o que você quis dizer ???

curvo
curvo
9 anos atrás

Ops nã = não

Justin Case
Justin Case
9 anos atrás

Não, Curvo.

O que eu quis dizer é que alguns aviões, até comerciais, não operam “full” decolando de altitude, mesmo que exista comprimento de pista infinito.
Isso não significa que não possam operar.
Normalmente operam, e muitas vezes com carga paga maior do que outros menores que operam “full”.
Abraço,

Justin

“Justin Case supports Rafale”

curvo
curvo
9 anos atrás

É mas pelo que você comentou, dava a entender que seria uma justificativa para o não cumprimento daquela etapa !

Mas ao que tudo indica o Rafale não conseguiu decolar de forma satisfatória quando foi exigido !!

Justin Case
Justin Case
9 anos atrás

Amigos, Esses ensaios de vôo de avaliação para a aquisição de aeronaves não existem para avaliar desempenho aerodinâmico ou de potencia do motor da aeronave. Todo esse desempenho já está escrito nos manuais (a não ser que o avião ainda esteja em desenvolvimento). Basta consultar. Alguns poucos pontos de cheque poderiam ser feitos para verificar se os manuais são confiáveis, mas nem isso é necessário quando as agências certificadoras são reconhecidas. A maioria dos vôos busca avaliar desempenho de sistemas de armas, sensores eletrônicos, interface homem-máquina, características de pilotagem, visibilidade, consciência situacional, transição entre missões, etc. Abraços, Justin “Justin Case… Read more »

Francisco AMX
Francisco AMX
9 anos atrás

Justin, não adianta, os amigos vivem de boatos! porem quando os boatos dão conta de algo superior em desempenho do Rafale, a coisa muda…

não perca seu tempo explicando algo para quem não quer entender! rsrsrss

Sds!

curvo
curvo
9 anos atrás

Concordo contigo Justin, a etapa de Leh era apenas uma das inúmeras etapas do MMRCA Indiano, mas muito importante devido às características da base, ou seja, aqueles que lá falharam é por que lá não teem condições de operarem, e se era requisito para aprovação no MMRCA que funcionassem lá, era por que talvez queiram LLá irão instalar algum esquadrão destas novas aeronaves, e sê LLá os Rafale não funcionaram quer significar que a taxa de prontidão destes vetores ali será muito baixa, não concorda ?????

curvo
curvo
9 anos atrás

Campanha continua :

RAFALE ? Tô fora !!!! hahahahahaha

grifo
grifo
9 anos atrás

Esses ensaios de vôo de avaliação para a aquisição de aeronaves não existem para avaliar desempenho aerodinâmico ou de potencia do motor da aeronave. Todo esse desempenho já está escrito nos manuais (a não ser que o avião ainda esteja em desenvolvimento). Basta consultar. Isto não é correto. Os vôos de avaliação existem também (mas não somente) para avaliar as informações sobre o envelope de vôo prestados pelos concorrentes em suas propostas. Alguns poucos pontos de cheque poderiam ser feitos para verificar se os manuais são confiáveis, mas nem isso é necessário quando as agências certificadoras são reconhecidas. Aviões militares… Read more »

grifo
grifo
9 anos atrás

Concordo contigo Justin, a etapa de Leh era apenas uma das inúmeras etapas do MMRCA Indiano

Caro Curvo, segundo informações divulgadas pela IAF, a etapa de Leh era uma etapa obrigatória para a aprovação técnica dos concorrentes. Veremos isto quando da divulgação do short list pelo governo indiano.

curvo
curvo
9 anos atrás

Correto caro Grifo, por talvez ali porem alguns destes vetores (os novos do MMRCA), talvez por isto a obrigatoriedade desta etapa, ou seja, quem falhou llá pode ficar de fora do short list indiano, correto ?

william
william
9 anos atrás

Sem contar que para missões Ar Terra, o Apache é a arma que é capaz de atingir o alvo a 140 km, com uma diversidade de ogivas para poder ter mais flexibilidade tatica.

drcoakroach
drcoakroach
9 anos atrás

Eu faco algumas brincadeiras aqui no forum, mas nao trolagem.

A etapa de Leh (regiao de Kashimira, antiga disputa com Paquistao) foi desenhada especificamente p/ testar aterrissagem, desligamento dos motores, reabastecimeno e decolagem novamente. Somente o Gripen e outro jet passaram nestes testes.

Prezado Curvo, se a etapa de Leh deve somente peso na avaliacao final, ou foi uma etapa eliminatoria eu nao sei dizer.

[]s!

Ismailly
Ismailly
9 anos atrás

Uma coisa é certa: É um belo caça!

Rodrigo
Rodrigo
9 anos atrás

A questão do Rafale em Leh, não passa pelo motor. É na APU. Todos os motores sofrem degradação com a queda de pressão do ar. O motor precisará de mais ar e isto depende do quanto a APU vai conseguir gerar e por quanto tempo ela é capaz de ser utilizada. Ao contrário do que o “Cmte.” Justin in Case afirma, existe um limite de baixa temperatura que o motor pode operar e um outro em que ele pode “ligar”. Temperatura baixa ao nível do mar = Pressão alta, o que facilita o start do motor. Dependendo do QNH tanto… Read more »

Ismailly
Ismailly
9 anos atrás

Mais uma coisa: Parabéns aos mantenedores do Poder Aéreo por liberarem os comentários a quem (como eu) não é assinante.

Obrigado

Jonas
Jonas
9 anos atrás

Se o problema é a turbina, esquece a M88 e vamos de 414. Depois que excluímos o rafale sobre o SH e Gripen. O SH é mais caça, é a espinha dorsal do EUA, é comprovado em combate e é pra NAe. Porém não adianta comprar com TT, porque os americanos não entregam tecnologia para países totalmente não alinhados, que é o nosso caso. O gripen, sem se NG, tem curto alcance, carrega menos carga e não é testado em combate. O NG com as alterações de projeto, melhora o alcance e a carga paga. Mas eles transferem tecnologia e… Read more »

CAL
CAL
9 anos atrás

Precisa de duas pra fazer o serviço de uma!

A7X
A7X
9 anos atrás

Pessoal, desculpem a ignorância, mas essas “coisas” nos cabides centrais do Rafale seriam tanques externos ou mísseis antipista Apache?

Abs.

Alexandre
Alexandre
9 anos atrás

A capacidade de carga do rafale é realmente impressionante.
Dois misseis anti navio,4 misseis ar ar e 3 tanques sub-alares.
É uma pena que as únicas fotos que eu vejo do gripen ng com capacide full são em imagens de photoshop. Isso é muito pouco para um país que quer vender a ideia de que seu caça cumpre a mesma missão que um sh e um rafale.

Alexandre
Alexandre
9 anos atrás

A capacidade de carga do rafale é realmente impressionante.
Dois misseis anti navio,4 misseis ar ar e 3 tanques sub-alares.
É uma pena que as únicas fotos que eu vejo do gripen ng com capacide semelhante são em imagens de photoshop. Isso é muito pouco para um país que quer vender a ideia de que seu caça cumpre a mesma missão que um sh e um rafale.

Nick
Nick
9 anos atrás

Caro A7X,

Fora os tanques de combustível e misseis BVR, o Rafale aparece transportando misseis StormShadow/SCALP de cruzeiro.

Infelizmente esses misseis estão fora do pacote francês. Uns 200 deles estaria de bom tamanho heim.

[]’s

A7X
A7X
9 anos atrás

“NOTA DOS EDITORES: A7X, O TEXTO DA MATÉRIA DIZ CLARAMENTE QUE HÁ TRÊS TANQUES EXTERNOS, DOIS MÍSSEIS SCALP E QUATRO MÍSSEIS MICA. OLHE AS FOTOS E FAÇA AS CONTAS.”

Sim , o texto diz que há três tanques. Mas pensei que talvez o texto pudesse estar errado, fiquei em dúvida e perguntei. Algum mal nisso?

Abs, e obrigado pela educação!

Robson Br
Robson Br
9 anos atrás

A fabricante européia Thales começará a entregar em agosto o primeiro lote de produção do radar de varredura eletrônica ativa (AESA), que vai equipar o 4ª lote dos jatos de combate Dassault Rafale da Força Aérea da França (FAF). O início da produção do radar é o marco histórico num projeto que nasceu há 12 anos atrás e demandou mais de 1 bilhão de Euros de investimentos da indústria e do governo. OFF REVISTA ASAS A nova tecnologia vai incrementar as capacidades de combate do Rafale em termos de alcance, interceptação, engajar múltiplos alvos e melhorar as habilidades de contramedidas.… Read more »

william
william
9 anos atrás

Nunão disse:
7 de julho de 2010 às 18:27
“Alexandre em 07/07/2010 às 18:02″

O míssil antinavio padrão para o Rafale é o AM39 Exocet, normalmente carregado sob o pilone central da fuselagem.

Exatamente nunão….O exocet vai no centro do avião!

A7X
A7X
9 anos atrás

Nick disse:
7 de julho de 2010 às 18:22

Olá Nick, se viessem uns 100 eu já estaria pra lá de satisfeito. 😀

Abs.

drcoakroach
drcoakroach
9 anos atrás

Lembrei que o Gripen D (RM12 variante da Ge404) tb passou nos testes em Leh.

Impressionante, a SAAB colocou dois modelos de Gripen p/ teste, e os dois passaram. Dos outros 5 concorrentes, 4 falharam.

O Gripen eh um belo jet!

[]s!

P.S.: Jah o Rafale carregado… IIhaaaa! Segura peao!