Home Indústria Aeroespacial M88 ECO e TCO: sinalizando mais potência e custos menores para o...

M88 ECO e TCO: sinalizando mais potência e custos menores para o Rafale

617
61

Elemento de Rafale com turbinas em pós combustão - foto via Dassault Aviation - revista Fox three n14

Barra de Cinco Pixels

Desenvolvimentos da turbina M88-2 prometem potência adicional e menores custos operacionais, segundo fabricante Snecma

Barra de Cinco Pixels

A última edição da revista “Fox Three”, publicação que divulga periodicamente o desenvolvimento do Rafale, trouxe algumas informações interessantes para discussão a respeito de dois itens que, frequentemente, são criticados na aeronave por leitores do Blog do Poder Aéreo e outros fóruns, nacionais e internacionais: a potência da turbina M88 e os custos de operação da aeronave (dos quais as características de consumo e manutenção das turbinas compõem uma parcela significativa). Para promover a discussão, levando-se em conta o fato de que a FAB pode ser uma futura operadora da aeronave (conforme apontam posicionamentos dos decisores finais do programa F-X2), selecionamos e traduzimos alguns trechos desse último número da revista de divulgação do Rafale.

Segundo a Fox Three, o Rafale foi concebido como um caça ‘swing-role’, capaz de cumprir uma gama extremamente variada de missões. Como resultado, o motor M88 deveria obedecer a rigorosos requerimentos: deveria ser compacto, ter ótima performance em altas e baixas altitudes, além de respostas instantâneas às solicitações do piloto. Michel Caunes, diretor do programa Snecma M88, afirma que “o motor é inovador, com uma alta razão peso / potência, consumo extremamente baixo em todos os regimes de voo e grande vida útil. Em outubro de 2009, um total de 75 Rafales de produção equipados com motores M88 já haviam sido entregues, sendo que as versões de desenvolvimento e de produção do motor já acumularam mais de 100.000 horas de funcionamento.

Desde que entrou em serviço, o motor vem sofrendo atualizações, de forma que o modelo mais recente sendo entregue é o M88-2 Stage 4. Como características básicas da turbina, estão o empuxo seco de 10.971 libras, que sobe para 16.620 libras em pós-combustão. As M-88-2 são equipadsa com um sistema FADEC (Full Authority Digital Engine Control) totalmente redundante, que permite acelerações das posições “idle” para “full afterburner” em menos de três segundos, em qualquer situação do envelope de voo. O compressor utiliza uma turbina de baixa pressão de três estágios e um compressor de alta pressão de seis estágios. Em empuxo seco máximo, o consumo específico de combustível é da ordem de 0.8 kg/daN.h, que sobe para  1.7 kg/daN.h com o uso da pós-combustão.

Como destaque no texto da revista, está o fato de que, após a manutenção, não há necessidade de checar o motor em uma bancada de testes antes de instalá-lo novamente na aeronave: segundo a Snecma, o M88 é o único motor do seu tipo que pode voltar ao serviço, após a troca de módulos, sem necessitar de um teste de aceitação em solo, o que levou a Força Aérea Francesa (Armée de l´air) à decisão de não encomendar nenhuma bancada de testes para o M88.

Os programas de tecnologia M88 ECO e TCO

Barra de Cinco Pixels

M-88 em Rafale - foto via Dassault Aviation - revista Fox three n14

Barra de Cinco Pixels

Segundo a Snecma, o M88 foi desenvolvido como um motor modular com grande potencial de crescimento incorporado. Nos últimos dois anos, a empresa vem testando novo hardware para ampliar a vida útil da turbina, reduzir custos e demonstrar que o empuxo pode ser aumentado.

O programa M88 ECO, entre 2003 e 2007, testou novas tecnologias para demonstrar que a vida útil de alguns componentes poderia ser ampliada, diminuindo custos de operação.  O motor registrou mais de 4.000  TACs (Total Accumulated Cycles) durante testes de durabilidade, e também demonstrou que o empuxo de 20.000 libras poderia ser atingido com uma pequena quantidade de modificações.

Já o programa M88 TCO (Total Cost of Ownership), lançado em 2008 a partir dos resultados do prejeto ECO, busca melhorar ainda mais a  durabilidade do motor e baixar os custos de apoio. A Snecma informa que, com o programa, pôde modernizar o compressor e a turbina de alta pressão da M88-2, com melhoramentos na refrigeração e a introdução de componentes mais fortes. O resultado foi um acréscimo de 50% da durabilidade, assim como a expansão da vida útil entre cada overhaul (período de manutenção) de alguns módulos.

O primeiro motor de testes (FETT – First Engine To Test) foi acionado pela primeira vez em setembro de 2009 e o primeiro pacote TCO para os motores M88 deverá ser entregue às forças armadas francesas em 2011. Para forças aéreas que necessitem de mais potência para aprimorar a agilidade em combate e a performance em climas muito quentes, a Snecma está considerando o desenvolvimento de uma versão do M88 com empuxo de  20.000 libras em pós-combustão.

Ainda segundo Michel Caunes, os objetivos de regularmente introduzir novas tecnologias para reduzir custos, aumentar a disponibilidade e confiabilidade, assim como o empuxo, vêm desde o início do programa M88: “Os programas de tecnologia M88 ECO and TCO, de forma sucessiva, permitiram reduzir progressivamente os riscos e limitar os custos associados. Foi possível manter um alto grau de comunabilidade entre o M882 TCO e a versão com potência aumentada. Comparado ao M88-2 TCO, este último necessitará menos de 20% de partes novas, incluindo um compressor de baixa pressão redesenhado para um fluxo maior de ar. Serão alterados apenas dois dos 21 módulos, e o M88-2 e o novo motor permanecerão totalmente intercambiáveis, embora a versão de maior potência necessitará de entradas de ar ligeiramente aumentadas.”

Espera-se que, com o motor mais potente, o Rafale seja ainda mais competitivo quanto à relação peso-empuxo em peso de combate, permitindo menor distância de decolagem com peso máximo mesmo em condições climáticas adversas, em altitudes elevadas e no calor do deserto. Além disso, são esperadas grandes melhoreias na taxa de ascenção, aceleração e em curvas sustentadas.

FONTE / FOTOS: Dassault Aviation (Fox Three n.14)

VEJA TAMBÉM:

61
Deixe um comentário

avatar
60 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
41 Comment authors
Primeiro teste de voo do Rafale com motores M88-4E | Poder AéreoDeividbulldogZeke A6MMad Dog Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Ilya Ehrenburg
Visitante
Ilya Ehrenburg

Para quem fica aos berros devidos aos “fabulosos custos de manutenção e operação” da aeronave gaulesa, aí está à resposta! Motores são itens decisivos nestes custos, e como se vê… Foram concebidos para serem extremamente econômicos: em sua operação e manutenção.

Bingo!

Fabio
Visitante
Fabio

Enfim… estão aperfeiçoando o que já é muito bom. Em resumo o Rafale mostra mais uma vez que é o caça que melhor supre as necessidades da FAB.

Alfredo.Araujo
Visitante
Alfredo.Araujo

Pelo menos eles estão se mexendo para fechar as torneiras de dinheiro q são esses valores divulgados da hora de voo…

E temos q ver se o Rafale-Br viria com essas novas versões da M88…

entusiasta
Visitante
entusiasta

Ele pode suprir as necessidades da FAB, mas e as minhas necessidades ele não supre,eu quero ver um caça 100% Brasileiro,mesmo que não seja um F-22,su-35,Pak-fa da vida,mas que pelo menos seja nosso!!!

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Que bom que estão aperfeiçoando o motor, visto que o Rafale será (muito provavelmente) o próximo caça da FAB. Por mim tem que vir com a M-88-4, se bem que até a desenvolverem vai levar mais uns 10 anos…

grifo
Visitante
grifo

Para forças aéreas que necessitem de mais potência para aprimorar a agilidade em combate e a performance em climas muito quentes, a Snecma está considerando o desenvolvimento de uma versão do M88 com empuxo de 20.000 libras em pós-combustão. Muito bonito, mas quem ‘r que vai bancar este novo motor? A França não é um país de “clima muito quente” e já falou que não vai botar dinheiro nisso. Os EAU também já falaram que não bancam. Vai sobrar para quem? Enquanto vocês respondem, deixa eu tomar aqui a minha Caracú… O pior é que a proposta de valores estratosféricos… Read more »

Vader
Visitante
Vader

Esqueçam, se vier, virá downgraded

Justin Case
Visitante
Justin Case

Amigos,

A DGA já comprou 16 kits da versão ECO (ou Pack CGP, como eles chamam) provavelmente para os últimos motores a serem entregues da encomenda anterior.
Os 60 Rafales do lote francês contratado no ano passado deverão ter motores da versão ECO, assim como os ofertados para o Brasil.
Creio que não será mais produzido nenhum motor na versão anterior e kits de modificação serão instalados nos motores antigos, no momento mais oportuno (economicamente).
Abraços,

Justin

Top Gun
Visitante
Top Gun

Estão melhorando exatamente o ponto mais deficiente do caça… vai ficar igual ao EJ200!

em resumo… o bicho vai virar um exterminador!!

emerson
Visitante
emerson

acabo de ler que a Romênia cancelou seu FX (nos quais estavam o Rafale e o Gripen) e decidiu comprar F16 usados dos EUA. Eles estimavam 4 bilhões de dolares para 24 aeronaves, algo como 150 milhões por aeronave.

Ivan
Visitante

É uma boa notícia esta, pois este era um ponto fraco, ou melhor, um ponto à melhorar no Rafale.
A questões que ficam pendentes são:
Quem paga o custo?
O pacote apresentado ao Brasil é com M-88/2 stage 4 ou pode ser uma versão com os desenvolvimentos ECO e TCO?
Para ter estes implementos teríamos que pagar ainda mais caro?

Enfim, a necessidade de maior potência está sendo resolvida, o que é uma excelente notícia, bem como um provável melhoramento nos custos operacionais dos futuros motores, o que é melhor ainda.
Mas isto já está no PREÇO oferecido ou terá um ‘pequeno’ aumento?

Abç,
Ivan.

Top Gun
Visitante
Top Gun

“emerson em 24 mar, 2010 às 17:48”

Vc poderia me dizer se as aeronaves compradas seriam block60???

vlw

Justin Case
Visitante
Justin Case

Amigos,

Troquei as siglas.

“A DGA já comprou 16 kits da versão TCO (ou Pack CGP, como eles chamam) provavelmente para os últimos motores a serem entregues da encomenda anterior.
Os 60 Rafales do lote francês contratado no ano passado deverão ter motores da versão TCO, assim como os ofertados para o Brasil.
Creio que não será mais produzido nenhum motor na versão anterior e kits de modificação serão instalados nos motores antigos, no momento mais oportuno (economicamente).”

Perdoem a falha.

Abraços,

Justin

grifo
Visitante
grifo

A DGA já comprou 16 kits da versão ECO (ou Pack CGP, como eles chamam) provavelmente para os últimos motores a serem entregues da encomenda anterior.

Caro Justin Case, o Pack CGP corresponde chamada acima de TCO, de maior endurance.

A versão ECO com potência aumentada ainda não existe e não tem comprador, conforme a notícia postada pelo blog. Esta conta vai sobrar para o Brasil.

Justin Case
Visitante
Justin Case

Grato, Grifo.

Já tinha visto a falha.
A conta para completar uma versão ECO teria que ser paga por quem decidisse implantá-la.
Se existirem mais operadores, como Brasil e EAU, talvez até a França (DGA) se anime a participar do “sharing” de custos não-recorrentes.
Abraço,

Justin

“Justin Case supports Rafale”

Leonardo
Visitante
Leonardo

Boa noite a todos

Alguém sabe dizer se essa versão ECO do motor M-88 com empuxo de 20000 libras, fará com que este caça entre no seleto time dos vetores com capacidade “supercruise”, tal como o Eurofighter?

Roy Focker
Visitante
Roy Focker

Boa noite Leonardo,

Eu li todos os comentários e também era essa a questão que eu ia levantar; mais segundo o texto não, o Rafale ainda não teria a capacidade de supercruise, porque as 20.000 libras só seriam alcançadas com o uso do pós-combustor.

Mais independente disso o que mais me chamou a atenção, e que esta em negrito no texto, é que com programa M88 TCO, a durabilidade da turbina aumenta em certa de 50% !!! Isso é muito significativo, significa redução de custos de operação, menor custo de hora de vôo.

emerson
Visitante
emerson

Ola TOP GUN,

Realmente não sei nada da versão, mas apenas que são F16 usados da USAF. Assim que tiver uma informação mais detalha, posso pedir para o Galante fazer um post.

Ricardo_Recife
Visitante
Ricardo_Recife

Quanto tudo isto significa em dinheiro? Ou seja no mundo real! Não há uma informação definitiva e clara sobre isto, somente propaganda. Na base da propaganda um Fokker D-7 é capaz de derrubar até um F-16. Faltam informações claras e a Dassualt e sua companheiras no caça Rafale não contribuem para isto, relembro a questão indiana e as reclamações de muitos militares da FAB sobre este ponto. A única coisa que sabemos realmente é que a M88-2 é uma turbina subpotencializada, que fornece ao Rafale uma relação peso/potência ruim, a mais baixa dos três modelos em disputa no FX-2. A… Read more »

Robson Br
Visitante
Robson Br

Belo post. parabéns editores

Fica muito mais fácil de até criticar desse geito. O FX-2 é um programa que ser analisado sobre todos os aspectos e não somente político e ideológico

airacobra
Visitante
airacobra

sera que agora terá supercruise de respeito?

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

ahahahahaahahahahaha

Revista de Divulgação do Rafale!

É tão séria e confiável, quanto qualquer outra publicação corporativa para divulgar os produtos da empresa.

Acordem amigos, vocês são melhores que isto.

Nick
Visitante
Nick

Pelo menos nossos Rafales virão com esse pacote TCO, espero….
Pena que não poderemos fabricar essa motor aqui. Ou ao menos alguns componentes.

[]’s

Top Gun
Visitante
Top Gun

Vlw Emerson.

Alexandre Galante
Visitante
Member

Pessoal, comentários off-topic estão sendo deletados.

Francoorp
Visitante
Francoorp

Falei que iam abaixar o custo de manutenção, agora é fazer aquele combustivel em Etanol pra aviação e os custos serão mais baixos ainda!!

Francoorp apoia o Rafale!!

Luan
Visitante
Member
Luan

Já não insisto nesse negocio de preço mais.

Pro Rafale ficar compativel com o nosso orçamento ele precisa ficar mais barato que o F-5.Resumindo,Impossivel,ídem SH e dificilmente o NG BR.

Preparem-se,se o Rafale é 5x mais caro que o F-5 ele vai voar 5x menos,ou alguem vai ficar sem almoço.

[]’s

Mateus Lobo
Visitante
Mateus Lobo

aumento da darubilidade em 50% é realmente muito bom, alem disso o custo de manutenção diminuirá!

Rodrigo, o que seria uma fonte confiável pra você a veja? Que fonte mais confiável do que o próprio fabricante? Eles iriam inventar uma mentira dessas pra que? Enganar o governo brasileiro para a compra de “míseros” 36 caças? Será que eles estão engando a França também?

Galileu
Visitante
Galileu

Tá bom conseguiram um motor que tem uma alta razão peso / potência, consumo extremamente baixo em todos os regimes de voo e grande vida útil. MEU DEUS aonde eu assino esses franceses são uns gênios, a nasa já era…..

Sem contar que se vier, virá o modelo antigo, tiro o cavalinho da chuva que esse aí não vem.

É só falta o combustível de etanol, se vier da frança claro!!

Matheusts
Visitante
Matheusts

rafale com esse motor vai valer de 2,5 a 3 F-5BR
os mirage vai da baixa e ai vai precisar de um aumento
minimo mensal da FAB praticamente mais barato do que operar
os F/A-18 SH na minha opinião

2011 na frança agora só tem que espera o presidente da frança falar sobre isso.

Rosan Amaral
Visitante
Rosan Amaral

O interessante na foto é a distribuição da “munição” nos caças. O caça de cobertura tem 4 misseis ar-ar voltados para traz. O lider tem todos os misseis voltados para frente. Se minha leitura estiver errada, me ajudem.

Luan
Visitante
Member
Luan

Mateus Lobo em 24 mar, 2010 às 20:14 Rodrigo, o que seria uma fonte confiável pra você a veja? Que fonte mais confiável do que o próprio fabricante? Eles iriam inventar uma mentira dessas pra que? Enganar o governo brasileiro para a compra de “míseros” 36 caças? Será que eles estão engando a França também? Tudo isso que vc disse Mateus é até comum,no mas,todo mundo sabe que a versão ECO visa diminuir não só custo de manutenção mas,mais potencia e economia. E miseros 36 aviões?quando o assunto é Dassault isso é loteria,na verdade,é loteria pros 3 fabricantes mas pra… Read more »

Luan
Visitante
Member
Luan

Matheusts em 24 mar, 2010 às 20:29

Na verdade,estima-se que nossos M2000 são cerca de 2x mais caros que os SH.

[]’s

LBacelar
Visitante
LBacelar

Boa noticia

Sem contar que a M88 é uma turbina pequena em comparação com a F414 se diminuirem mais ainda o numero de componentes a turbina dará uma relação peso potencia talvez até superior que a do Typhoon.

A versão TCO visa aos mercados do oriente médio (clima quente e seco) não acredito que a fab vai se interessar pelo upgrade TCO, já que é desnecessário para o nosso TO

Nick
Visitante
Nick

Caro LBacelar,

Essas turbinas M-88 TCO visam redução de custos, por aumento da durabilidade e diminuição do overhaul. O que os Arábes querem seria uma turbina na mesma classe do GE-414. Seria a M88-3. Nesse caso essa turbina só viria a existir se os árabens financiarem. Não há interesse da AdlA.

[]’s

Marco Antonio Lins
Visitante

Srs

Nenhum dos dos tres são meu favorito,mas neste caso o Rafale é melhos opção.

Wolfpack
Visitante
Wolfpack

i/”Espera-se que, com o motor mais potente, o Rafale seja ainda mais competitivo quanto à relação peso-empuxo em peso de combate, permitindo menor distância de decolagem com peso máximo mesmo em condições climáticas adversas, em altitudes elevadas e no calor do deserto. Além disso, são esperadas grandes melhoreias na taxa de ascenção, aceleração e em curvas sustentadas.”/i
O Opalão te espera de braços aberto Rafale F3…
Que venha logo, o próximo caça da MB…

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

Luan, você já viu a Fiat falar que os seus produtos não vão sendo aperfeiçoados ?

E ai temos o velho Uno há 500s anos no mercado com poucas modificações.

Leonardo
Visitante
Leonardo

Roy Focker,

Obrigado pela explicação, inclusive vc até se antecipou, pois essa seria outra questão a qual iria indagar a respeito desse empuxo declarado, obtido com uso ou não da pós-combustão.

Um abraço.

Leonardo
Visitante
Leonardo

Roy Focker,

Obrigado pela explicação, inclusive vc até se antecipou, pois essa seria outra questão a qual iria indagar a respeito desse empuxo declarado, obtido com uso ou não da pós-combustão.

Um abraço.

Luan
Visitante
Member
Luan

hehehe

Isso mesmo rodrigo.

Mas o UNO é bem diferente do Rafale,o Uno busca no mercado ser um produto de baixo custo,a Dassault ta percebendo que isso é impotante só agora rss.

[]’s

Vitor
Visitante
Vitor

E o Brasil vai poder produzir essas turbinas aqui? O pessoal teve todo um custo so pra produzir essa turbina com as especificações dadas para depois passar o projeto pra outro país? Se houver transferencia de tecnologia, qual empresa brasileira está capacitada a recebe-la? O.o

Miguel
Visitante
Miguel

grifo em 24 mar, 2010 às 17:39 “Muito bonito, mas quem ‘r que vai bancar este novo motor? A França não é um país de “clima muito quente” e já falou que não vai botar dinheiro nisso. Os EAU também já falaram que não bancam. Vai sobrar para quem? Enquanto vocês respondem, deixa eu tomar aqui a minha Caracú… O pior é que a proposta de valores estratosféricos que a Dassault submeteu a FAB não contempla este novo motor ECO. Vamos ter que botar ainda mais grana.” O amigo insinua que o Brasil vai bancar o desenvolvimento deste novo motor,… Read more »

Francisco AMX
Visitante
Francisco AMX

Rafale hoje já tem melhor ascenção dos 3, e não perde em nada para o Gripen… com estes up-grades ele vai melhorar o que já é melhor! simples assim!

uerecefet
Visitante
uerecefet

Será que esse aumento de empuxo não seria o que faltava para o Rafale-M operar no nosso NAE sem restrições ???

Tito
Visitante
Tito

Bom, que venha com este motor, assim, quem sabe, eles voam um pouco mais.

Bosco
Visitante
Bosco

Rosan Amaral,
todos os mísseis e bombas estão voltados para a frente de ambos os caças.
Um está armado com 6 MICAs e o outro com 2 MICAs e 4 bombas AASM. O que parece ser a frente das “bombas” é na verdade a tubeira de um motor foguete.
Se não me engano os únicos que já apontaram mísseis ar-ar para trás foram os russos. Mísseis e radares, vale lembrar. Apesar de seus caças serem superhipermanobráveis eles têm uma grande preocupação com o “fiofó”.rsrsr
Um abraço.

Alecsander
Visitante
Alecsander

Muito bom para nós do Brasil que vamos adquirir esta aeronave, se vier o M88-2 sera muito bom para a FAB, que ganhara mais potencia e mais economia, e será bem mais adequado ao nosso clima quente. grifo Muito bonito, mas quem ‘r que vai bancar este novo motor? A França não é um país de “clima muito quente” e já falou que não vai botar dinheiro nisso. Os EAU também já falaram que não bancam. Vai sobrar para quem? Enquanto vocês respondem, deixa eu tomar aqui a minha Caracú… Grifo por que você acha que o Brasil é quem… Read more »

grifo
Visitante
grifo

O amigo insinua que o Brasil vai bancar o desenvolvimento deste novo motor, mas depois diz que eles não estão inclusos na oferta feita à FAB, ou seja, está dizendo que pagaremos por uma coisa que não teremos. Caro Miguel, na verdade quis dizer que a proposta estratosférica apresentada pela Dassault não inclui o motor ECO de maior potência. Isto vai ser cobrado a mais, pode esperar.O modus operandi francês funciona assim: faz-se uma “parceria estratégica” para o desenvolvimento de motores, onde Brasil entra com toda a grana, e a França com a “transferência de tecnologia”… Acho que a maioria… Read more »

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Eu falei do M-88-4 mesmo, pois tem o atual M-88-2 (7tons), logo tera o M-88-3 (8,5tons) e mais no futuro o M-88-4 que tem empuxo de 10ton +, este último deveria ser o do Brasil.