Home Guerra eletrônica P-3CK da Coréia do Sul serão entregues sem equipamento de guerra eletrônica

P-3CK da Coréia do Sul serão entregues sem equipamento de guerra eletrônica

292
11

AMARC P-3B Orion for Korea

O jornal sul-coreano The Korea Times informou que a entrega dos oito aviões de patrulha marítima P-3CK modernizados a partir de células de P-3B está atrasada novamente, desta vez por causa de restrições de exportação do equipamento de guerra eletrônica escolhido para integrar os aviões.

O programa P-3CK, iniciado em 2005, já estava atrasado um ano e meio por causa de problemas de integração e reprojeto no processo de modernização dos P-3B, que entraram em serviço na década de 1960.

O cronograma inicial estabelecia a entrega da primeira aeronave em 2008 e a entrega da última em 2010. Sendo assim, a agência sul-coreana Defense Acquisition Program Administration (DAPA) decidiu entregar o primeiro P-3CK sem o equipamento de ESM (Electronic Support Measures ou MAGE – Medidas de Apoio à Guerra Eletrônica, no Brasil), até que os EUA liberem a licença de exportação.

Um oficial da DAPA, que pediu para não ser identificado, disse ao jornal que os EUA levantaram uma barreira na exportação da licença para o sistema de ESM em junho de 2009, citando a proteção de tecnologia em alguns equipamentos relacionados a ondas eletromagnéticas.

Os EUA têm desenvolvido medidas para proteger sua tecnologia, mas foi dito que a licença será liberada logo para a Coreia do Sul.

A empresa americana responsável pela licença de exportação é L-3 Communications Integrated Systems (L-3 IS, que em 2005 ganhou a concorrência de US$ 300 millhões para prover os sistemas e a modernização dos oito P-3B Orion, elevando-os ao padrão P-3CK. O valor total do programa é de US$ 550 milhões. A L-3 bateu a Lockheed Martin na concorrência.

A L-3 é a responsável por reconfigurar os dois primeiros P-3B colocando-os no mesmo nível dos P-3C Update III da US Navy. As demais aeronaves serão modernizadas pela Korea Aerospace Industries (KAI).

O primeiro P-3CK deve ser entregue em breve para os testes iniciais, mas os oficiais da ROK Navy estão reclamando, pois o equipamento de ESM é vital para aeronaves de patrulha.

O equipamento barrado é o ALR-95 da EOD Corporation, que aumenta o grau de sobrevivência da aeronave, com sua capacidade de detecção, identificação e localização de radares hostis, sem que sua presença seja notada pelo inimigo.

Nas fotos abaixo, os P-3B destinados à Coreia passando pelo trabalho de modernização.

P-3B Korea 1

P-3B Korea 2

P-3B Korea 3

P-3B Korea 4

VEJA MAIS:

11
Deixe um comentário

avatar
11 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
8 Comment authors
Henrique SousahumbertoMauricio R.DaniloWolfpack Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Humberto
Visitante
Humberto

Interessante, até a Coreia tem problemas com os Americanos.. Ou seja, ao contrário do que muitos dizem, os demonicos do norte não veem o Brasil como um adversário politico.
Abraços..

Marco Antonio
Visitante
Marco Antonio

Pois vejam só…..as restrições estadunidenses se dão até com os maiores aliados!!!!! É mais um ponto negativo contra o SH e contra o Gripen…..o Brasil, apesar de visar a independência tecnológica, ficará muito tempo necessitando de suporte de tecnologias sensíveis, ou alguém acredita que tenhamos capacidade de desenvolver em pouco tempo todos os sistemas de um caça de quarta/quinta geração?

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

Recentemente foi a Grã Bretanha que estava reclamando da falta de acesso ao código fonte do F-35, que eles estão PAGANDO BILHÕES para participar do desenvolvimento. E os indianos também estavam fazendo queixas sobre o acesso que eles estão tendo ao PAK-FA, que está sendo desenvolvido em conjunto com a Índia. Resta saber como será nosso namoro com os franceses.

Humberto
Visitante
Humberto

Olha.é só dar motivo para que o Brasil gere desemprego lá que o namoro acaba rapidinho..Por sinal, namorozinho safado este .. Só compramos, agora, vender produtos agricolas lá..nem pensar..
Ahhhh..uma coisa não tem nada a ver com a outra ..vão dizer os apaixonados pelos franceses e os .bom..deixa para lá..
Abraços

Ivan
Visitante
Ivan

Humberto,

É protecionismo agrícola, medida estritamente eleitoreira, pois a agricultura é bastante subsidiada na Europa, em particular na França.

Infelizmente este é um assunto que ninguém no Governo Federal quer tratar, ficando o Brasil restrito a vender commodities, sem poder chegar diretamente em um dos mercados de melhor preço.

Ivan.

Wolfpack
Visitante
Wolfpack

Porque o F18E/F foi selecionado para o short list?

Danilo
Visitante
Danilo

pois é !?

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Pq o Rafale tb foi selecionado p/ a short list??? Não apendemos nada c/ a Helibrás ou c/ a operação Mirage III??? Pelo visto, não!!!
Sem contar que o que o Sarkozy prometeu ao Lula aqui, na França ninguém garante e menos ainda dão fé!!!

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Qual mesmo é que foi a razão da compra dos Magic II, p/ os Mirage 2000???
Pq não foram integrados os Python III e Piranha a essa aeronave???

humberto
Visitante
humberto

Dizem (estou comendo pela boca dos outros) que o short list foi mais ou menos assim: Queriam um avião de altissimo desempenho, usando este critério o F-16 e o Grippen estariam cortados; A FAB gostaria de uma migração menos traumática (ou seja, não ter que começar tudo do zero, desde manuais, a armamentos), usando este critério os Russos foram para o saco; Queriam um avião que não fosse os olhos da cara, por este critério o Typhoon foi descartado de primeira. Agora vem a parte da boataria pesada, mas que tem o seu pé e cabeça, é importante destacar que… Read more »

Henrique Sousa
Visitante
Henrique Sousa

Norte-americanos são regulões, traíras, os russos/chineses sempre tem algo tão quanto e muito mais barato, e tudo mais.

Mas países que levam a sério sua Defesa são clientes costumazes de seus equipamentos, e buscam parcerias com eles. Mesmo com todas estas lendas acima, e outras tantas.

Fazer o que.