Mirage: uma novidade no ar

    483
    10

    capa-veja-mirage

    Em 1972 a aquisição dos caças Mirage III pela Força Aérea Brasileira foi capa da revista Veja. Em sua edição nº192, a revista dedicou cinco páginas ao assunto, informando interessantes relatos sobre a negociação dos caças e os bastidores da compra.

    Clique na imagem acima e leia a reportagem (arquivo em formato pdf).

    10
    Deixe um comentário

    avatar
    10 Comment threads
    0 Thread replies
    0 Followers
     
    Most reacted comment
    Hottest comment thread
    5 Comment authors
    AndréClésio LuizRodrigoMFBoscoManoel Recent comment authors
      Subscribe  
    newest oldest most voted
    Notify of
    Manoel
    Visitante
    Manoel

    naquela epoca as Revistas e jornais publicavam muitas materias sobre nossas forças armadas,etc,etc…e as concorrencias eram resolvidas “nos bastidores”…logo depois dos Mirages vieram os F-5E…hj tudo vira uma novela sem fim.

    Bosco
    Visitante
    Bosco

    Interessante reportagem.
    Só de curiosidade, assim como hoje antes também havia os erros técnicos tão comuns quando o assunto é na esfera militar.
    A reportagem da Veja dá a altitude do Mirage de até 33.000 metros com o uso de foguetes auxiliares (????????). Diz a reportagem que essa e a mesma altitude por ande passa o perigeu de alguns satélites. rsrs…
    Eu me lembro de na época ter lido em uma revista Manchete que o Mirage tinha um canhão de 105 mm.rsrs….
    Quem sabe o Blog não consegue resgatar essa reportagem também?
    Um abraço a todos.

    RodrigoMF
    Visitante
    RodrigoMF

    Como sempre as tralhas francesas, são sempre o Plano B.

    Clésio Luiz
    Visitante
    Clésio Luiz

    “A reportagem da Veja dá a altitude do Mirage de até 33.000 metros com o uso de foguetes auxiliares (????????)” Bosco, já vi que você não é letrado no caça francês 🙂 O Mirage III tem previsão de utilizar um foguete auxiliar abaixo da fuselagem traseira. Em fotos, você vê um negócio que parece uma aleta ventral gordinha, mas na verdade é um tanque de combustível não-alijável, que pode ser substituído pelo tal foguete. Como nos anos 70 os tais bombardeiros supersônicos voando a grande altitude já eram lenda, os operadores abandonaram essa história de caçar bombardeiro com ajuda de… Read more »

    Bosco
    Visitante
    Bosco

    Clésio,
    será que o tal foguete não era pra decolagem curta não?
    A 33.000 metros o cara precisa estar com traje espacial já que o sistema de manutenção de vida de um caça não dá conta de fornecer pressão para vôos acima de uns 18.000 metros.
    Acho difícil em! Sem falar no vôo a grande altitude e na quase reentrada que acho um Mirage não é adequado aerodinamicamente e nem em termos de material resistente à altas temperaturas.
    Mas…
    Um abraço.

    Clésio Luiz
    Visitante
    Clésio Luiz

    Não é para decolagem curta não. O foguete é acionado após a decolagem. Mas eu tenho que admitir que esse número de 33.000 metros é a primeira vez que vejo. Não duvido nada que a reportagem tenha confundido 33.000 pés com 33.000 metros. E na reportagem da Revista Força Aérea que eu li, o piloto brasileiro (acho que era o Meneses dessa reportagem da Veja) usava um traje especial para o vôo com o foguete, mas ele comenta que era contra o perigo de fogo do foguete, ma pode bem ser para vôos a grandes altitudes. Quanto a capacidade da… Read more »

    André
    Visitante
    André

    Bonito registro histórico desse importante evento da avição militar brasileira. Parabéns ao blog pelo resgate dessa matéria jornalística.
    Sds a todos.

    Bosco
    Visitante
    Bosco

    Clésio,
    valeu meu amigo. Vou dar uma procurada também que o assunto é interessante.
    Um abraço.

    RodrigoMF
    Visitante
    RodrigoMF

    Mauro, com veto ou sem veto.

    Os franceses foram sempre o plano B.

    RodrigoMF
    Visitante
    RodrigoMF

    Diga-se de passagem, com toda certeza eu posso afirmar que atualmente eles foram rebaixados ao Plano C..
    😀 😀 😀 😀 😀 😀