Home Sistemas de Armas Fornecedores dizem que Gripen vai gerar mais negócios no país

Fornecedores dizem que Gripen vai gerar mais negócios no país

129
26

No vídeo acima, JAS 39 Gripen na Operação Red Flag 2008

Virgínia Silveira

vinheta-clippingA gerência do programa F-X2, de renovação dos caças da Força Aérea Brasileira (FAB), solicitou às empresas do setor aeroespacial uma nova avaliação das últimas propostas, que foram encaminhadas pelas três fabricantes que disputam o contrato estimado entre US$ 4 e 7 US$ bilhões – Boeing, Dassault e Gripen. Segundo informações de duas empresas consultadas pela FAB, foi feito um pedido adicional de esclarecimento sobre a expectativa de geração de emprego nas empresas do setor com os possíveis programas de transferência de tecnologia do F-X2.

O pedido, de acordo com especialistas que acompanham o processo de compra dos caças, foi enviado para a Embraer, Aeroeletrônica, Mectron, Atech, Friuli, Winnstal, Akaer, Imbra Aerospace, Focal , Graúna, entre outras. As últimas respostas foram encaminhadas à FAB na quarta-feira da semana passada. A Aeronáutica está finalizando o relatório técnico de avaliação das três concorrentes e a previsão é que ainda este mês o documento seja encaminhado ao ministro da Defesa, Nelson Jobim.

A reportagem solicitou ao Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (Cecomsaer) informações sobre o novo pedido de esclarecimento encaminhado pela FAB às empresas, mas não obteve retorno até o fechamento desta edição.

Ao contrário do programa de aquisição dos helicópteros franceses, em que a FAB optou por reforçar as contrapartidas industriais, com maior envolvimento das empresas brasileiras na produção de peças e na prestação de serviços, o programa dos caças tem como foco estratégico a capacitação tecnológica da indústria nacional para a construção futura de um caça supersônico. Entre as empresas que atuam mais na área de desenvolvimento de engenharia a preferência se dá pelo sueco Gripen, pela proposta de desenvolvimento conjunto da aeronave.

“A proposta da Saab é a que melhor atende aos interesses da indústria do setor, porque prevê um trabalho conjunto de desenvolvimento do avião. Num prazo de 10 a 15 anos teremos competência de fazer um caça supersônico com engenharia brasileira”, comenta o diretor presidente da Imbra Aerospace, Jairo Cândido. O executivo, que também é diretor do Departamento de Defesa da Fiesp, coordenou as rodadas de negociação das três concorrentes do F-X2. Segundo ele, a maior parte das 150 empresas que participaram desses encontros também revelaram uma preferência pela oferta sueca, no que diz respeito a transferência de tecnologia.

“Este é o sentimento da indústria e o governo brasileiro também tem dito que não compra mais produtos de prateleira na área de defesa”. A opinião do empresário também é compartilhada pelo diretor do Ciesp de São José dos Campos, Almir Fernandes. Segundo ele, pelo menos 30 das cerca de 50 empresas da cadeia Aeronáutica brasileira acreditam que a Saab oferece melhores oportunidades de participação dessas empresas no desenvolvimento de tecnologias estratégicas, desde a fase de projeto até o nível de produção.

Lideradas pela Akaer, as empresas Friuli, Winnstal, Minoica e Friuli já estão trabalhando no desenvolvimento do novo caça sueco Gripen NG, projeto que foi ofertado pela fabricante Saab ao programa F-X2. A T1, holding que reúne as cinco empresas brasileiras, será a responsável pelo projeto e produção da fuselagem central, fuselagem traseira e asas do Gripen NG.

“Fabricar peças não agrega nenhum valor. O que nós queremos é dominar a tecnologia de desenvolvimento dos caças para, em poucos anos, sermos exportadores desse tipo de aeronave e de tecnologias que consolidarão a expansão da nossa indústria Aeronáutica, hoje bastante dependente de apenas um fornecedor, que é a Embraer”, ressalta o diretor executivo da Akaer, César Augusto da Silva.

No fim de outubro, o vice-presidente da Embraer para o Mercado de Defesa, Orlando José Ferreira Neto, declarou ao Valor que, do ponto de vista de transferência de tecnologia, a “oferta da empresa sueca Saab é a que vai assegurar ao Brasil o conhecimento e a agregação de tecnologia dentro da premissa ´on the job doing´, ou seja, aprender fazendo”.

Segundo o executivo, o Gripen é o único que oferece oportunidade para o Brasil começar o desenvolvimento de um caça do zero. “Não estamos interessados em fabricar peças. Buscamos o domínio de conhecimento que ainda não temos e que nos será útil no desenvolvimento de futuras aeronaves.” A capacitação da indústria nacional, segundo Ferreira Neto, é primordial para garantir a autonomia do país no futuro para fazer modificações nos aviões que a FAB vai adquirir e para construir um novo caça.

O presidente da Atech, uma das empresas do setor de defesa, consideradas estratégicas pelo governo brasileiro, Tarcísio Takashi Muta, disse que, a exemplo do que aconteceu com o sistema de tráfego aéreo no país, a escolha dos novos caças deve priorizar o aspecto de domínio dos sistemas da aeronave para sermos capazes de fazer as modificações que a FAB julgar necessárias. A Atech participou do processo de absorção de tecnologia de controle de tráfego aéreo, o que permitiu que o Brasil atingisse autonomia no gerenciamento do seu espaço aéreo.

Transferência de tecnologia é essencial

O presidente da Associação das Indústrias Aeroespaciais do Brasil (AIAB), Walter Bartels, disse que o processo efetivo de absorção de tecnologia ocorre através da realização da inovação ou do desenvolvimento tecnológico dentro da indústria. “É difícil transferir tecnologia de quem criou para quem vai produzir. Como regra geral, a tecnologia sensível ou para elevação do nível militar, não se transfere, não se adquire, incorpora-se.”

Para o executivo, a compra de caças supersônicos de empresas estrangeiras é necessária neste momento, pelas necessidades de curto prazo da FAB, mas o país necessita possuir, obrigatoriamente, uma capacidade real de dissuasão e isso só será possível se os respectivos meios forem de domínio tecnológico brasileiro, desenvolvidos e produzidos no país. “A indústria aeroespacial brasileira espera que, futuramente, não sejam mais necessárias aquisições no exterior mas, em casos excepcionais, sejam feitas através de um contratante principal brasileiro como ocorre em países desenvolvidos”, afirmou.

Bartels cita o caso do programa AMX, em que o Brasil levou vantagem porque pagou 30% do seu desenvolvimento e dominou 100% do avião. Entre as tecnologias resultantes desse projeto de cooperação, que o presidente da AIAB participou ativamente pela Embraer, Bartels destaca a aerodinâmica transônica, sistema de aviônica de navegação e ataque integrado, usinagem mecânica de peças complexas e comandos de voo “fly by wire”, que depois foram aplicados no desenvolvimento dos jatos comerciais da Embraer.

Para o presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança (ABIMDE), Carlos Frederico Queiroz de Aguiar, o processo de aquisição dos caças do programa F-X2 é um dos melhores dos últimos 30 anos. “O processo de hoje se baseia na experiência dos erros e dos acertos do passado e tem sido um processo de aquisição mais realista e mais adequado ao tipo de aquisição, ou seja, a de um equipamento que tem de gerar no país um efeito multiplicador de absorção de tecnologia pela base industrial de defesa do país.”

Segundo Aguiar, qualquer que venha a ser a decisão, haverá grandes benefícios para a indústria nacional, graças à política de “offset” (contrapartida) que a FAB e o Ministério da Defesa vêm reafirmando desde o início do processo do F-X2. O executivo lembra que a FAB estabeleceu que 80% do offset deverá se constituir em transferência de tecnologia direta no programa. Além disso, segundo ele, os três concorrentes têm se aplicado em oferecer também trocas comerciais significativas, ou seja, compras de equipamentos no Brasil, principalmente aeronaves da Embraer.

O fato de a decisão ser política, na opinião do presidente da ABIMDE, não exclui as demais considerações inerentes ao processo. O executivo disse que os empresários envolvidos no processo estão satisfeitos com os acordos até agora firmados e que muitos já se preparam para a fase de contratação e operacional que virá logo após a decisão final. “De um modo geral percebo um clima de satisfação e de expectativa nas empresas de grande porte como também nas de médio porte”. (VS)

FONTE: Valor Econômico / Via: NOTIMP

26
Deixe um comentário

avatar
26 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
9 Comment authors
Robson BrpedromattaviiFrancoorpmotta_eirasPaulo Renato Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
RodrigoMF
Visitante
RodrigoMF

Já estão sendo gerados negócios, a questão é…

Vai ser aproveitado alguma coisa ?

Wilson "Giordani" de Souza
Visitante
Member
Wilson "Giordani" de Souza

Gripen… Gripen… Gripen… repitam todos em coro comigo e talvez ele seja escolhido… 🙂

[]s

RodrigoMF
Visitante
RodrigoMF

Difícil mesmo….

Digo até impossível para este primeiro momento, depois ele voltará mais forte.

Felipe Cps
Visitante
Active Member
Felipe Cps

Amigos, está nas nossas mãos (quer dizer, do governo) apostar em um projeto que um dia gerará um caça supersônico projetado e produzido no Brasil, sonho, creio eu, de 9 em 10 patriotas que aqui escrevem. Para que isso se realize, sempre achei que a melhor proposta é sem dúvida a da SAAB. E a indústria estratégica nacional percebeu isso e em peso apóia tal proposta, que além de dar à FAB capacidade de dissuasão à sua altura e à altura do seu orçamento, gerará ciência, tecnologia, riqueza e empregos. Chego a dizer que, ainda que o dito Governo Federal… Read more »

Felipe Cps
Visitante
Active Member
Felipe Cps

RodrigoMF em 05 nov, 2009 às 12:51:

Entendi o que você quis dizer Rodrigo e concordo plenamente. Depois de 2010 ele volta…

Abs.

Francisco AMX
Visitante
Member
Francisco AMX

Este churrasco é padrão! cada um querendo puxar a brasa para seu assado! e os que estão ficando de fora fazem com mais força!
Só que na minha opinião é preciso entender que a equipagem da FAB é estratégica e deve vir em primeiro lugar!
Eu entendo o seguinte: as empresas citadas acima querem o maior número de “serviço” possível, quanto mais se arrastar o projeto/execução/integração melhor para elas! simples assim!
e não condeno isso não! é só para não desqualificarem os vetores por esta posição!

saudações!

RodrigoMF
Visitante
RodrigoMF

Vejam só…. O Gripen é uma excelente opção para o Brasil, mas não para agora. Precisamos dos aviões para ontem. Ele não ficará pronto até 2014 nem em sonho. Não se constrói um avião, testa, corrige, homogologa e certifica em quatro anos. Vendedores fazem qualquer coisa para empurrar o seu produto goela abaixo. O projeto do NG está seguindo muito em banho-maria, não existe um interesse concreto da SAAB em transformar ele em realidade até o fechamento de um contrato de venda. Atualmente e com razão a FAB nega veementente a necessidade um segundo vetor de combate e afirma que… Read more »

Paulo Renato
Visitante
Paulo Renato

Vamos aguardar !!!!!!!

motta_eiras
Visitante
motta_eiras

Exeto os americanos q preferiram a tatica da arrogancia a SAAB e a Dassault usam a mesma tatica, a da melhor TT. Q Deus abencoe nossos signatarios em suas decisoes.
Meu palpite: SAAB, maior aprendizado , mais confiavel, menor custo.
Menor custo gera mais avioes e da margem a errar com menor prejuizo, afinal se aprende com os erros.

Sds

Francisco AMX
Visitante
Member
Francisco AMX

RodrigoMF, eu tb penso isso sobre o NG, sobre os prazos… NG,no Braisl, feito por nós? só para depois de 2018! e olhe lá! e tem mais, será um noxo AMX em termos de custo! mas faz parte, se tiver que ser! será!

Francoorp
Visitante
Francoorp

NO inicio era o melhor, agora também, mas lembrar que o FX desde do inicio, prediz UMA UNICA plataforma de combate! Sabemos todos o porque desta unica plataforma, logística, custos, treinamento, modernização,etc…mas ninguém pensou no como fica se o inimigo encontrar um modo tecnológico de neutralizar suas armas que sào todas do mesmo modelo??? E se isto acontecer sem ter que combater diretamente esta tua plataforma??? Ou ainda como fica se o inimigo encontrar um meio no qual sabotar os reposições de unica arma??? Sou e sempre fui a favor de duas plataformas,HI e Low, mas o FX não contempla… Read more »

RodrigoMF
Visitante
RodrigoMF

Motta, em termos de ToT as três são muito equivalentes. A Dassault diz transferir tudo, mas ela só integra e constrói as estruturas. A Thales já disse que não entrega tudo e a SNECMA também não. São empresas privadas e com liberdade. Fora as tecnologias que não são francesas que eles não tem como entregar. A SAAB está no mesmo patamar. A Boeing disse que entrega a sua parte, o restante dos fornecedores mantém silêncio. Nas declarações dos representantes o que tem mostrado mais sinceridade é o da Boeing. Não chega aqui fala um monte de asneira, que tem que… Read more »

Francoorp
Visitante
Francoorp

RodrigoMF:

Onde estão estes fóruns, pois não vi ninguém meter o pau na FAB na net…me passa um?

motta_eiras
Visitante
motta_eiras

Rodrigo, Sua agumentacao soh mostra quanto serah dificil essa decisao e q darah margem a criticas qq q seja ela.
Melhor q caia nas maos do Lula e q o diga fi-lo pq qui-lo.

Sds

RodrigoMF
Visitante
RodrigoMF

Francoorp vai no BM e no DB, que está apinhado de críticos da FAB e apoiadores da atual administração federal.

Desculpa motta, mas não tem cabimento adquirir a proposta mais cara se todas são equivalentes. Isto só tem sentido no Brasil.

motta_eiras
Visitante
motta_eiras

Rodrigo:

Esta eh a minha opniao postada anteriormente.

motta_eiras em 05 nov, 2009 às 14:18

Exeto os americanos q preferiram a tatica da arrogancia a SAAB e a Dassault usam a mesma tatica, a da melhor TT. Q Deus abencoe nossos signatarios em suas decisoes.
Meu palpite: SAAB, maior aprendizado , mais confiavel, menor custo.
Menor custo gera mais avioes e da margem a errar com menor prejuizo, afinal se aprende com os erros.

Sds
O restante foi continuidade de um papo.

pedromattavii
Visitante
pedromattavii

Praticamente todas as mudanças no Grippen já foram efetuadas, onde o Brasil poria a mão na massa: A única vantagem é um possível preço mais em conta mas ninguém pode afirmar os valores, então, pura especulação.

Felipe Cps
Visitante
Active Member
Felipe Cps

RodrigoMF: apenas lembrando que o Gripen E que vc menciona vem a ser o dito Next Generation. Este é o apelido, quando sair o avião será designado Gripen E/F.

pedromatavvi: amigo, o Gripen NG já tem seu protótipo voando e com radar AESA, mas daí a dizer que tudo está pronto vai uma distância enorme. Há enormes processos a serem desenvolvidos, como a reportagem demonstra.

Sds.

Robson Br
Visitante
Member
Robson Br

O Brasil precisa de imediato de um caça pronto de última geração, já que os Miragem não tem uma vida longa na FAB e a força precisa exspandir seus esquadrões na amazônia. O Gripem poderá ser um grande caça, ninguem sabe, pois nem seu radar está definido. É ilusão que terminaremos o gripem antes de 2014, como também se terá uma configuração pelo menos semelhante ao F18-SH ou ao Rafale. Basta ver que o desenvolvimento se seu radar será apartir de um radar americano. Aguém acha que eles querem concorrentes. Vejam que fizeram na índia onde mandaram os israelenses sairem… Read more »

Felipe Cps
Visitante
Active Member
Felipe Cps

Robson, até onde eu sei o Radar AESA do Gripen foi desenvolvido pela SAAB em cooperação com a Galileo (italiana):

*ttp://www.defesanet.com.br/fx2/gripen_aesa.htm

Não duvidando, mas gostaria que o amigo nos passasse o link com essa informação de que o AESA do Gripen é o desenvolvimento “de um radar americano”.

No mais, discordo dessa sempre recorrente necessidade “imediata” das aeronaves que virão via FX2. Os F-5EM e A1-M sequer estão modernizados ainda, e quando terminar a modernização ficarão ainda por muitos e muitos anos na FAB.

Sds.

RodrigoMF
Visitante
RodrigoMF

A SAAB tomou duas facadas nas costas para o radar do NG uma dos franceses e outra dos americanos, quando eles tentaram colocar um AESA isralense.

Felipe, quando eu digo Gripen E é uma versão modernizada e “tunada” do C. O NG eu começo achar meio que um anacronismo, principalmente para o nosso caso em específico.

Felipe Cps
Visitante
Active Member
Felipe Cps

Rodrigo, entendi, mas está errado: não haverá “versão” do Gripen C/D; haverá o Gripen E/F, cujo projeto chama-se Next Generation.

Abs.

RodrigoMF
Visitante
RodrigoMF

Eu sei, por isto acho que o NG é um anacronismo. Um excelente projeto, mas em momento errado.

Até ele entrar em operação tem muito capim para nascer no pasto.

Eu acho uma pena, um C modernizado venderia mais que o provável NG, que nunca passa do Demo, seria um concorrente direto do F16.

Eu recebi um muito breve briefing sobre o projeto do NG. A lentidão do desenvolvimento, caso não seja adotado no FX é preocupante para o sucesso do projeto.

Por isto eu prefiro um Gripen C modernizado que o NG provável filho único. O risco será muito menor.

RodrigoMF
Visitante
RodrigoMF

Por isto que eu coloco o E entre aspas 🙂

RodrigoMF
Visitante
RodrigoMF

Para quem acredita que os franceses nos querem como parceiros:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u648560.shtml

Resumindo, para quem estiver com preguiça de ler:
A Dassault, espera que a escolha seja puramente política para não abaixar o valor do Rafale.

Robson Br
Visitante
Member
Robson Br

Felipe Cps
o radar do gripem não está pronto e está sendo desenvolvido com base no APG-79, isto se a SAAB levar (não tenho aqui o nº da revista avião revue que foi publicado esta matéria sobre os tres caças). Além do mais um radar desses não se desenvolve em um ano, tempo que a Thales decidiu a não fornecer o radar para o gripem. Diga-se de passagem que também não estava pronto. Existe uma pressão da aeroeletrônica (que nada mais é que uma filial da elbit israelense) em favor da SAAB, para concluir o restante dos sistema.