‘Operação Prato’

Militares da FAB investigaram OVNIs sobre o Pará 30 anos atrás

vinheta-clippingDuas dezenas de oficiais da Força Aérea Brasileira (FAB) estiveram envolvidos em uma missão sigilosa no meio da selva amazônica, no Pará, 30 anos atrás. Denominada Operação Prato, ela é a mais impressionante investigação de óvnis (objetos voadores não identificados) realizada pela Aeronáutica que se conhece. É uma espécie de caso Roswell brasileiro, com missões secretas, histórias e fenômenos sem explicação. Enquanto em Roswell, marco da ufologia mundial, os militares americanos primeiro admitiram a existência dos óvnis e depois negaram, os relatórios da FAB não deixam dúvidas: os oficiais do I Comando Aéreo Regional (Comar), em Belém, designados para a operação, que ocorreu nos quatro últimos meses de 1977, afirmam ter presenciado – mais de uma vez – UFOs cruzando o céu da Amazônia.

Detalhes da Operação Prato estão em relatórios sigilosos que acabam de ser liberados pelo governo federal para consulta no Arquivo Nacional, em Brasília. Desde o ano passado, estão vindo a público documentos, alguns guardados há mais de 50 anos. Todos os arquivos secretos de UFO estão sob responsabilidade da Casa Civil desde 2005. Há 1.300 folhas de um total estimado em 25 quilos de material, com descrições, croquis e fotos de óvnis referentes a três lotes de informações da FAB. Os dois primeiros contêm relatos dos anos 50 e 60. O último, aberto em maio e do qual faz parte a Operação Prato, cobre a década seguinte. No próximo mês, será a vez do acervo dos anos 80. ISTOE recriou em desenhos histórias contidas nos documentos.


Imagem

Os arquivos também mostram que a Aeronáutica teve um departamento específico de estudos sobre UFOs entre 1969 e 1972. O Sistema de Investigação de Objetos Aéreos Não Identificados (Sioani) funcionava nas instalações do IV Comar, em São Paulo. Composto por pesquisadores civis e autoridades militares, o Sioani saía à procura de casos pelo País. O material liberado revela com detalhes a doutrina desse departamento – além de cerca de 70 casos apurados, todos retratados com desenhos feitos pelos militares.

Entre o material disponível, a Operação Prato é considerada a mais intrigante. Das cerca de duas mil páginas de relatórios, 500 fotografias e 16 horas de filmagem documentadas pelos militares do I Comar, de Belém, apenas 200 páginas e 100 fotos tornaram-se públicas. Há relatos de 130 avistamentos por militares e civis. A missão, liderada pelo capitão da Aeronáutica Uyrangê Hollanda, tinha como objetivo investigar as ocorrências provocadas por um fenômeno batizado de chupachupa, que começou a ser relatado em 1976 por moradores da região oeste do Maranhão e se espalhou por Colares, a 80 quilômetros da capital paraense, como uma epidemia.

No total, 400 pessoas teriam sido atingidas por luzes que, segundo os depoimentos, lhes sugavam o sangue. Em um dos documentos oficiais, a médica Wellaide Cecim, que tinha 24 anos na época e atendeu a maioria dos pacientes, diz que os feridos apresentavam “paresia (amortecimento parcial do corpo), cefaleia, tonturas, tremor generalizado e queimaduras de primeiro grau, bem como marcas de pequenas perfurações”. Para desmistificar o fenômeno, o capitão Uyrangê, junto com sua equipe, foi designado para colher depoimentos durante o dia e ficar em vigília à noite munido de máquinas fotográficas Nikon, com teleobjetivas de 300 mm a 1000 mm, filmadoras e gravadores.

Acabou, porém, registrando e presenciando o que até então acreditava ser ficção científica. “Meu irmão viu várias naves”, contou à ISTOÉ Uyranê Soares de Hollanda Lima, referindo- se ao chefe da Operação Prato, que morreu em 1997. Comissário de bordo aposentado, Uyranê lembra bem de uma ligação feita por Uyrangê, no auge das investigações. “Ele me disse: “Hoje, um disco voador ficou a 50 metros da minha cabeça. Era do tamanho do (avião) DC-10 que você voa. Filmei e fotografei tudo.”” Para os ufólogos, o termo disco voador faz referência a objetos de vários formatos e cores que não são aviões, executam diversos tipos de manobras e aparecem em locais variados.

REVELAÇÃO Foram liberados três lotes sobre UFOs dos anos 50, 60 e 70. Em agosto, será a vez do material da década de 80

Há diversas ocorrências documentadas. A de número 16 da pasta Registro de Observações de Óvni, por exemplo, detalha um avistamento feito pelos militares, que escrevem sobre um “corpo luminoso, emitindo lampejos azulados de intensidade” de cor “amarela (âmbar ou quartzo-iodo)” que percorria uma “trajetória de curva à direita, descendente e ascendente” a uma velocidade estimada de 800 km/h. Ele foi presenciado em Colares, às 19h do dia 1º de nov embro de 1977, pela equipe do I Comar : “Além da luminosidade, o óvni apresentava um pequeno semicírculo avermelhado na parte superior. Sentido de deslocamento sudoeste/ nordeste. Ausência de ruído ou deslocamento de ar.” Entre as informações liberadas sobre a Operação Prato, não há registro de contatos com ETs, tampouco explicação para o fenômeno do chupa-chupa.

RETRATO 200 páginas e 100 fotos da Operação Prato tornaram-se públicas: missão na selva amazônica

Os arquivos, agora públicos, trazem depoimentos de civis, trocas de correspondências entre militares sobre óvnis, recortes de jornais da época e várias conversas entre pilotos e controladores de voos sobre estranhos fenômenos no espaço aéreo nacional: “Sierra Bravo Juliete, solicitaremos que… se possível, nos fornecesse toda a performance desse objeto luminoso e faremos uma gravação de vídeo, positivo?”, comunica a torre de controle de Brasília, como mostra um relatório, a uma aeronave, em 6 de dezembro de 1978. “Afirmativo, inclusive (a luminosidade) está agora a nossa direita, nos acompanhando, ela aumenta e diminui a intensidade… está… não é camada, não é nada… a gente vê que ela aumenta e diminui a intensidade”, responde o piloto. Diante de fenômenos desconhecidos no céu, a FAB orienta os pilotos a preencher um formulário. Hoje, o sistema é informatizado, mas, até meados dos anos 70, o papel ficava em bases aéreas e aeroportos. Estima-se que só 10% dos pilotos façam isso.

No momento, apenas os relatórios de UFOs classificados como reservados e confidenciais da Aeronáutica tornaram- se públicos. Espera-se que o Exército e a Marinha façam o mesmo. São aguardadas, também, as páginas com os carimbos de secreto e ultrassecreto. Por lei, as que cumpriram 30 anos de ressalva deveriam ser públicas, mas na prática não é o que ocorre. “Não se quebra uma cultura de uma vez. E eu não sou a favor de divulgar documentos que ferem a privacidade das pessoas, induzem pânico à população ou colocam a segurança do País em risco”, defende o brigadeiro José Carlos Pereira, ex-comandante de operações da FAB e ex-presidente da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero).

ILUSTRAÇÃO FERNANDO BRUM SOBRE FOTO DE FREDERIC JEAN
Relatos de civis

Desenhos de militares na Operação Prato retratam objetos vistos por testemunhas

CAUDA COLORIDA

Corpo luminoso de 1,50 metro de cor amarelo-avermelhada, deslocando-se a baixa altura (5 a 10 m), de forma circular. O óvni tinha cauda multicolorida, não fazia ruído e emitiu um foco de luz azulado, segundo um morador do município de Vigia, no Pará, que o teria avistado em 16 de outubro de 1977

O RUÍDO DO ÓVNI

O objeto de cerca de 1,40 m teria aparecido em Santo Antônio do Tauá, no Pará, em setembro de 1977, às 22h. A pessoa que o teria avistado o descreve como tendo a forma de um prato invertido com um vértice acentuado vermelho na parte inferior. Diz ainda que ele acelerou até atingir uma grande velocidade e produzia um ruído sibilante.

UFO PERFORMÁTICO

Com movimento ondulante, paradas e voltas rápidas em torno de um eixo, este óvni de forma ligeiramente cônica teria feito evoluções sobre a parte nordeste de Colares, no Pará, em 1977. A testemunha, que relatou ter observado o fenômeno às 18h30, teve a nítida impressão de o objeto ser de cor metálica

Por Rodrigo Cardoso

MÉTODO Além de relatórios (acima), o Sioani submetia a testemunha de um óvni a exames psicológicos

Hoje na reserva, o brigadeiro de 67 anos foi considerado por muitos anos o guardião da chave do cofre de segredos ufológicos brasileiros. Foi ele quem ordenou o recolhimento de todo material sigiloso produzido sobre o tema espalhado em bases aéreas e aeroportos do Brasil. A papelada foi levada para o Comando de Defesa Aeroespacial (Comdabra), em Brasília, onde ele exercia a função de comandante- geral, no início da década. Mas somente no ano passado os documentos começaram a chegar ao arquivo nacional.

Revirar os porões das Forças Armadas e revelar os segredos ufológicos é uma tendência verificada em outros países (leia quadro). “Com essa abertura, a Aeronáutica reconhece a necessidade de tratar o fenômeno UFO de maneira séria, deixando de lado o tom pejorativo e irreverente que quase sempre aparece quando se levanta a plausível hipótese de estarmos recebendo a visita de seres extraterrestres”, diz Ademar José Gevaerd, 47 anos, coordenador da Comissão Brasileira de Ufólogos (CBU), que elaborou uma campanha em prol da liberdade de informações sobre UFOs.

Hoje, a pessoa que quiser relatar a aparição de um óvni dificilmente encontrará eco na FAB. “A Aeronáutica não dispõe de estrutura especializada para realizar investigações científicas”, informou a FAB à ISTOÉ. Porém, durante o funcionamento do Sioani, no IV Comar, toda testemunha era submetida a exames nos quais se avaliavam a presença de psicopatologia, o desvio de personalidade ou a tendência à mitomania. O Sioani procurava saber, ainda, a condição psicofísica da pessoa no momento da observação (em jejum, alimentado, com teor alcoólico, cansado, trabalhando ou distraído), se ela vivia tensões familiares ou políticas e qual religião seguia. O local da aparição do oani (objeto aéreo não identificado, como o óvni era chamado à época) também era esmiuçado: tipo de vegetação, umidade e temperatura aparecem citados nos relatórios.


ILUSTRAÇÃO FERNANDO BRUM SOBRE FOTO DE FREDERIC JEAN

“Admitir a “possibilidade” de existência do oani é atitude científica… penetrar no âmago do fenômeno, investigando- o sob os aspectos psiquiátricos, psicológicos, sociológicos, astronômicos, meteorológicos, jurídicos, etc, constitui uma necessidade. Eis a posição em que se coloca o Ministério da Aeronáutica”, diz um dos dois boletins produzidos pelo Sioani, que encerrou suas atividades supostamente porque pesquisar discos voadores não interessava mais aos militares, em meio à repressão no País.

Para os ufólogos, seria fundamental a liberação das filmagens feitas na selva amazônica para um estudo mais apurado dos fenômenos. No momento, nenhuma das 16 horas de filmagens feitas em super-16 mm estão disponíveis para consulta. Poucas pessoas fora do ambiente militar tiveram acesso a esse material. Pedagoga aposentada, em Belém, Nahima Lopes de Oliveira Gonçalves assistiu às gravações. Ela é filha do brigadeiro Protásio Lopes de Oliveira, que era comandante do I Comar, em 1977. “Papai chegava com os rolos de filmes e ia direto para a biblioteca”, conta ela, hoje, com 60 anos. “Um dia, ele deixou a gente assisti-los. Dava para ver luzes se deslocando em todos os sentidos”, completa, dizendo que seu pai, morto há seis anos, sempre acreditou em óvnis.

Astrônomo do Laboratório Nacional de Astrofísica, de Itajubá (MG), Carlos Alberto Torres afirma não fazer o menor sentido a iluminação em discos voadores. “Avião tem luzes para sinalizar para os outros”, diz. Para o professor de astrofísica João Steiner, da Universidade de São Paulo (USP), as histórias de avistamentos de óvnis não passam de ocorrências naturais para as quais a ciência ainda não tem explicação. O brigadeiro Pereira endossa o ceticismo: “Os fenômenos ocorrem, são investigados, tiram-se fotos e 98% dos casos a ciência explica. Agora, para os 2%, eu pergunto: cadê o ET, o pedaço da nave capturada?”

Parentes e amigos do capitão Uyrangê, que esteve à frente da Operação Prato, contam que ele teve até um contato imediato de terceiro grau na margem do rio Guajará-Mirim, no Pará, em dezembro de 1977. Ele e mais um oficial, também já morto, teriam avistado uma nave de 100 m de comprimento, no formato de uma bola de futebol americano, pousar em pé na outra margem do rio. A cerca de 70 m do local, os militares teriam visto uma porta se abrir no alto do objeto e um ET descer e flutuar sobre as águas. Após ouvir o relato dessa experiência, o comandante Protásio teria ordenado o fim da Operação Prato. Nem o contato imediato e nem o epílogo da missão constam do acervo liberado pelo Arquivo Nacional. Se vierem a público, Roswell deverá ficar a anos-luz das nossas histórias de UFOs.

FONTE: Revista Isto É, via Notimp

Tags: , ,

Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

138 Responses to “‘Operação Prato’” Subscribe

  1. madvad 20 de julho de 2009 at 22:08 #

    Bastante interessante. Me interesso bastante pelo tema, e sei que existe muita história para boi dormir, mas estudando sobre, com um certo “cuidado”, dá para agregar bastante coisa e realmente vc fica se pensando se somos os únicos neste Universo infinito.

    Sinceramente, acho que isso é muita prepotência nossa rs.

  2. madvad 20 de julho de 2009 at 22:08 #

    Bastante interessante. Me interesso bastante pelo tema, e sei que existe muita história para boi dormir, mas estudando sobre, com um certo “cuidado”, dá para agregar bastante coisa e realmente vc fica se pensando se somos os únicos neste Universo infinito.

    Sinceramente, acho que isso é muita prepotência nossa rs.

  3. Igor 20 de julho de 2009 at 22:08 #

    Muito interessante. Aquele programa do THC passou sobre o caso dos pratos. Arquivos extraterrestre (ufo files), episodio Brazil’s Roswell. Um dos melhores episodios da série.

  4. Igor 20 de julho de 2009 at 22:08 #

    Muito interessante. Aquele programa do THC passou sobre o caso dos pratos. Arquivos extraterrestre (ufo files), episodio Brazil’s Roswell. Um dos melhores episodios da série.

  5. Lucas Calabrio 20 de julho de 2009 at 22:12 #

    Prezados
    Sem gozação mas a população local (interiorana)os chamavam de chupa-chupa.

  6. Lucas Calabrio 20 de julho de 2009 at 22:12 #

    Prezados
    Sem gozação mas a população local (interiorana)os chamavam de chupa-chupa.

  7. Lucas Calabrio 20 de julho de 2009 at 22:17 #

    Prezados
    COnfiram.
    http://www.ufo.com.br/fase4_txt4.php

  8. Lucas Calabrio 20 de julho de 2009 at 22:17 #

    Prezados
    COnfiram.
    http://www.ufo.com.br/fase4_txt4.php

  9. Bosco 20 de julho de 2009 at 22:53 #

    Há de se ficar claro que não acreditar em ‘discos voadores’ não é sinônimo de ‘não acreditar em vida fora da Terra’.
    A crença em ‘discos voadores’ pressupõe que o indivíduo acredita que a Terra é visitada com uma certa regularidade e por motivos que nos é estranho, por inteligências vindas de outro planeta, tempo ou dimensão, e que no processo, faça uso de veículos com meios ‘exóticos’ de propulsão.
    Deixar de acreditar no postulado acima não é um indicativo que o individuo não acredita que não possa existir vida, vida inteligente, civilizações ou formas de inteligência (que podem não estar de acordo com o que consideramos ‘vivo’) fora da Terra, espalhada pelas 100 bilhões de galáxias abserváveis no Universo conhecido.
    Eu particularmente acredito na existência de vida e até de inteligência fora da Terra, dada às probabilidades que isso ocorra, mas não acredito que sejamos visitados, ou que já tenhamos sido visitados por essas formas de vida ou manifestações de inteligência, sejam elas quais forem, devido as grandes distâncias envolvidas no processo.
    Torço para estar redondamente enganado e absolutamente equivocado em relação ao assunto e à tecnologia necessária para atravessar anos luz de espaço. Talvez simplesmente não estejamos vendo o óbvio e agarrados a conceitos ortodoxos da física. Pode ser que para uma civilização um milhão de anos a nossa frente, ir de uma estrela a outra seja como atravessar uma porta.
    “Uma tecnologia realmente avançada é indistinguível da magia”, como já disse Arthur C. Clark.
    Um abraço a todos.

  10. Bosco 20 de julho de 2009 at 22:53 #

    Há de se ficar claro que não acreditar em ‘discos voadores’ não é sinônimo de ‘não acreditar em vida fora da Terra’.
    A crença em ‘discos voadores’ pressupõe que o indivíduo acredita que a Terra é visitada com uma certa regularidade e por motivos que nos é estranho, por inteligências vindas de outro planeta, tempo ou dimensão, e que no processo, faça uso de veículos com meios ‘exóticos’ de propulsão.
    Deixar de acreditar no postulado acima não é um indicativo que o individuo não acredita que não possa existir vida, vida inteligente, civilizações ou formas de inteligência (que podem não estar de acordo com o que consideramos ‘vivo’) fora da Terra, espalhada pelas 100 bilhões de galáxias abserváveis no Universo conhecido.
    Eu particularmente acredito na existência de vida e até de inteligência fora da Terra, dada às probabilidades que isso ocorra, mas não acredito que sejamos visitados, ou que já tenhamos sido visitados por essas formas de vida ou manifestações de inteligência, sejam elas quais forem, devido as grandes distâncias envolvidas no processo.
    Torço para estar redondamente enganado e absolutamente equivocado em relação ao assunto e à tecnologia necessária para atravessar anos luz de espaço. Talvez simplesmente não estejamos vendo o óbvio e agarrados a conceitos ortodoxos da física. Pode ser que para uma civilização um milhão de anos a nossa frente, ir de uma estrela a outra seja como atravessar uma porta.
    “Uma tecnologia realmente avançada é indistinguível da magia”, como já disse Arthur C. Clark.
    Um abraço a todos.

  11. Sonic Wings 20 de julho de 2009 at 23:38 #

    Duas observações:

    Com relação à vida extra-terrena: “Eu particularmente acredito na existência de vida e até de inteligência fora da Terra, dada às probabilidades que isso ocorra, mas não acredito que sejamos visitados, ou que já tenhamos sido visitados por essas formas de vida ou manifestações de inteligência, sejam elas quais forem, devido as grandes distâncias envolvidas no processo.” Faço minhas as palavras do Bosco.

    Agora com relação aos pratos voadores: Acredito mais na teoria dos UAV´s, de diferentes bandeiras, que circulam por aí. Afinal a amazonia é um “oceano verde”. Abs

  12. Sonic Wings 20 de julho de 2009 at 23:38 #

    Duas observações:

    Com relação à vida extra-terrena: “Eu particularmente acredito na existência de vida e até de inteligência fora da Terra, dada às probabilidades que isso ocorra, mas não acredito que sejamos visitados, ou que já tenhamos sido visitados por essas formas de vida ou manifestações de inteligência, sejam elas quais forem, devido as grandes distâncias envolvidas no processo.” Faço minhas as palavras do Bosco.

    Agora com relação aos pratos voadores: Acredito mais na teoria dos UAV´s, de diferentes bandeiras, que circulam por aí. Afinal a amazonia é um “oceano verde”. Abs

  13. Bronco 21 de julho de 2009 at 0:11 #

    Pode ter uma explicação: SR-71 fazendo vôos de reconhecimento.

    [:D]

  14. Bronco 21 de julho de 2009 at 0:11 #

    Pode ter uma explicação: SR-71 fazendo vôos de reconhecimento.

    [:D]

  15. Hornet 21 de julho de 2009 at 0:41 #

    Bosco,

    exatamente.

    Aliás, só pra complementar sua bela observação: o problema está no conceito de vida.

    O problema se encontra na passagem do inerte ao biológico e como definir isso (um vírus é o quê? Até hoje temos problemas para definí-lo). O conceito de vida já se modificou muito nos útimos tempos, do mesmo modo que o conceito de matéria também se modificou totalmente a partir da física quântica. Matéria e energia não se diferem mais. A própria luz é energia e matéria ao mesmo tempo, ela é onda e é partícula ao mesmo tempo.

    Seja como for, a Ciência hoje em dia trabalha com a idéia que a vida é algo comum no universo, não é exatamente uma exceção do nosso planeta. Alguns respeitados físicos, como por exemplo, Freeman Dyson, trabalham com a hipóteses de que a organização biológica (ou seja, a vida) é apenas um dos níveis da organização da matéria/energia. E que isso é coisa trivial no Universo.

    Mas isso não quer dizer que existam discos voadores…embora, seres mutantes de Andrômeda existam comprovadamente e estão entre nós, quase todos de luto, em respeito a morte do “Rei”.

    O problema maior das “teorias” (especulações) sobre discos voadores chama-se Teoria da Relatividade.

    Como a Teoria da Relatividade impõe um limite de velocidade ao universo, ou melhor, como a velocidade da luz é o limite de velocidade que a matéria pode se deslocar no espaço-tempo, então temos vários problemas para explicar esses “discos voadores”.

    Toda a região próxima da Terra, coisa de algumas centenas de milhares de anos luz já foi mapeada e sondada pelo homem e não se encontrou nenhum sinal (seja eletromagnético ou de outro tipo) de vida (muito menos de vida organizada em torno da C&T que conseguisse construir um “disco voador”, ou coisa do tipo).

    Sendo assim, ou esses “discos voadores” estariam vindo de outra Galáxia, ou estariam vindo de quadrantes distantes/opostos ao da Terra na própria Via Láctea, ou estariam vindo de nossa imaginação.

    para vir de outra Galáxia ou mesmo de outros quadrantes de nossa Galáxia existe o problema limitador do espaço-tempo.

    Por exemplo, a distância entre a Via-Láctea e algumas Galáxias mais próximas são muito maiores que o tempo de existência da própria vida na Terra. Dito de outra forma: a vida na Terra ainda não existe para essas Galáxias (ou mesmo para muitas estrelas dentro da própria Via lactea), elas não possuem essa informação ainda. (a luz do sistema solar não chegou até essas estrlas, para que um suposto viajante do tempo-espaço pudesse vir fazer contato com a gente, ele ainda não sabe que aqui existe um planeta habitado)…e problemas desta natureza, que são vários. Enfim…vc sabe disso melhor do que eu. Estou escrevendo essas coisas aqui, apenas para quem não saiba destes pormenores.

    de qualquer modo, vida (ou vestígio de vida) fora da Terra é muito provável que encontremos nas vizinhanças da Terra mesmo. Talvez em Europa, lua de Saturno. Existe grande possibilidade de ter existido vida por lá. Mas vida, no sentido mais simples e corriqueira…uma ameba, uma melécula de DNA ou qualquer coisa assim.

    Já sobre os “discos voadores”, quem pode explicar melhor suas aparições, são os Historiadores e Sociólogos. Eles explicam muito melhor esse fenômeno que os astrofísicos. Por exemplo, o professor Eric Hobsbawm constatou que:

    “quanto maiores os triunfos da ciência, maior a fome de buscar o inexplicável. Logo após a II GG, que culminou com a Bomba Atômica, americanos e ingleses, que comungam de uma mesma cultura tecnológica, passaram a ver a chegada em massa de OVNIs, claramente inspirados pela ficção cintífica….O fenômenos tornou-se mundial, embora um mapa da distribuição das ‘aterrissagens’ desses extraterrestres mostrasse uma séria preferência pelo pouso ou sobrevôo em territórios anglo-saxônico”. (ver o livro: Era dos Extremos)

    Ou seja, “discos voadores” fazem parte da cultura dos EUA e da Inglaterra e têm data bem localizada na história de seu aparecimento em massa, como um fenômeno social. Data do período que vai de fins do século XIX até o fim da II GG (período do surgimento da sociedade tecnológica, capitaneada primeiro pela Inglaterra e depois pelos EUA). Depois, essa “mania” se espalhou pelo mundo, com o cinema, rádio, literatura Sci Fi, HQs etc.

    Só pra concluir: Discos Voadores não existem, mas que o ET de Varginha existe, ele existe….kkkkkkk

    abração andromedeano

  16. Hornet 21 de julho de 2009 at 0:41 #

    Bosco,

    exatamente.

    Aliás, só pra complementar sua bela observação: o problema está no conceito de vida.

    O problema se encontra na passagem do inerte ao biológico e como definir isso (um vírus é o quê? Até hoje temos problemas para definí-lo). O conceito de vida já se modificou muito nos útimos tempos, do mesmo modo que o conceito de matéria também se modificou totalmente a partir da física quântica. Matéria e energia não se diferem mais. A própria luz é energia e matéria ao mesmo tempo, ela é onda e é partícula ao mesmo tempo.

    Seja como for, a Ciência hoje em dia trabalha com a idéia que a vida é algo comum no universo, não é exatamente uma exceção do nosso planeta. Alguns respeitados físicos, como por exemplo, Freeman Dyson, trabalham com a hipóteses de que a organização biológica (ou seja, a vida) é apenas um dos níveis da organização da matéria/energia. E que isso é coisa trivial no Universo.

    Mas isso não quer dizer que existam discos voadores…embora, seres mutantes de Andrômeda existam comprovadamente e estão entre nós, quase todos de luto, em respeito a morte do “Rei”.

    O problema maior das “teorias” (especulações) sobre discos voadores chama-se Teoria da Relatividade.

    Como a Teoria da Relatividade impõe um limite de velocidade ao universo, ou melhor, como a velocidade da luz é o limite de velocidade que a matéria pode se deslocar no espaço-tempo, então temos vários problemas para explicar esses “discos voadores”.

    Toda a região próxima da Terra, coisa de algumas centenas de milhares de anos luz já foi mapeada e sondada pelo homem e não se encontrou nenhum sinal (seja eletromagnético ou de outro tipo) de vida (muito menos de vida organizada em torno da C&T que conseguisse construir um “disco voador”, ou coisa do tipo).

    Sendo assim, ou esses “discos voadores” estariam vindo de outra Galáxia, ou estariam vindo de quadrantes distantes/opostos ao da Terra na própria Via Láctea, ou estariam vindo de nossa imaginação.

    para vir de outra Galáxia ou mesmo de outros quadrantes de nossa Galáxia existe o problema limitador do espaço-tempo.

    Por exemplo, a distância entre a Via-Láctea e algumas Galáxias mais próximas são muito maiores que o tempo de existência da própria vida na Terra. Dito de outra forma: a vida na Terra ainda não existe para essas Galáxias (ou mesmo para muitas estrelas dentro da própria Via lactea), elas não possuem essa informação ainda. (a luz do sistema solar não chegou até essas estrlas, para que um suposto viajante do tempo-espaço pudesse vir fazer contato com a gente, ele ainda não sabe que aqui existe um planeta habitado)…e problemas desta natureza, que são vários. Enfim…vc sabe disso melhor do que eu. Estou escrevendo essas coisas aqui, apenas para quem não saiba destes pormenores.

    de qualquer modo, vida (ou vestígio de vida) fora da Terra é muito provável que encontremos nas vizinhanças da Terra mesmo. Talvez em Europa, lua de Saturno. Existe grande possibilidade de ter existido vida por lá. Mas vida, no sentido mais simples e corriqueira…uma ameba, uma melécula de DNA ou qualquer coisa assim.

    Já sobre os “discos voadores”, quem pode explicar melhor suas aparições, são os Historiadores e Sociólogos. Eles explicam muito melhor esse fenômeno que os astrofísicos. Por exemplo, o professor Eric Hobsbawm constatou que:

    “quanto maiores os triunfos da ciência, maior a fome de buscar o inexplicável. Logo após a II GG, que culminou com a Bomba Atômica, americanos e ingleses, que comungam de uma mesma cultura tecnológica, passaram a ver a chegada em massa de OVNIs, claramente inspirados pela ficção cintífica….O fenômenos tornou-se mundial, embora um mapa da distribuição das ‘aterrissagens’ desses extraterrestres mostrasse uma séria preferência pelo pouso ou sobrevôo em territórios anglo-saxônico”. (ver o livro: Era dos Extremos)

    Ou seja, “discos voadores” fazem parte da cultura dos EUA e da Inglaterra e têm data bem localizada na história de seu aparecimento em massa, como um fenômeno social. Data do período que vai de fins do século XIX até o fim da II GG (período do surgimento da sociedade tecnológica, capitaneada primeiro pela Inglaterra e depois pelos EUA). Depois, essa “mania” se espalhou pelo mundo, com o cinema, rádio, literatura Sci Fi, HQs etc.

    Só pra concluir: Discos Voadores não existem, mas que o ET de Varginha existe, ele existe….kkkkkkk

    abração andromedeano

  17. Hornet 21 de julho de 2009 at 0:55 #

    ops! errei o nome do planeta e da lua.

    O correto é Titã, lua de Saturno…que se pesquisa a possibilidade de existir vida.

    Europa é uma lua de Jupiter. E que pode existir algo também…possibilidades existem.

    abração de novo

  18. Hornet 21 de julho de 2009 at 0:55 #

    ops! errei o nome do planeta e da lua.

    O correto é Titã, lua de Saturno…que se pesquisa a possibilidade de existir vida.

    Europa é uma lua de Jupiter. E que pode existir algo também…possibilidades existem.

    abração de novo

  19. Bosco 21 de julho de 2009 at 1:40 #

    Hornet,
    a rigor, faz parte da consciência coletiva a crença em formas de inteligência não biológicas extra terrestres. Haja vista a crença em Deus, deuses e anjos.
    Quanto à vida extra-terrestre, existe uma teoria que pretende determinar a probabilidade da existência dela em nossa galáxia.
    Ela postula que se 1% das estrelas na galáxia tiverem um sistema planetário, se desses, 1% tiver um planeta em condição de desenvolver e manter a vida como nós a conhecemos, desses, se 1% tiver realmente desenvolvido formas de vida, 1% desses tivessem desenvolvido formas de vida inteligente, 1% desses tivessem desenvolvido uma organização social (civilização), desses, 1% terem desenvolvido tecnologia a ponto de se fazer observável, ainda assim, seriam só na Via Láctea (com 200 bilhões de estrelas), alguns milhares de possibilidades de civilizações contatáveis. No caso, via rádio.
    Complementando o que você disse sobre a possibilidade de vida, dentre várias teorias sobre o desenvolvimento de vida na Terra, existem algumas que propõem que nós mesmos sejamos extra-terrestres. Uma delas, a mais crível (algumas acreditam que viemos em discos voadores), conhecida como teoria da “pan-espermia”, advoga que a “vida” seja abundante no Universo e que se desenvolveu na Terra mas não foi gerada aqui, tendo sido trazida por cometas, na forma de esporos, etc.
    No mínimo interessante.
    Sem dúvida vivemos em um momento único na história da humanidade. Hoje vivenciamos uma liberdade de pensamento jamais imaginada. Conceitos até então rígidos são hoje colocados em cheque.
    Os computadores logo nos farão repensar o conceito de inteligência, de consciência e porquê não, da alma.
    Mesmo o conceito que temos sobre o que é um ser vivo está sendo questionado. Uma estrela, um vírus de computador ou um cristal poderiam se encaixar perfeitamente na maiorias desses conceitos.
    Um abraço meu caro.

  20. Bosco 21 de julho de 2009 at 1:40 #

    Hornet,
    a rigor, faz parte da consciência coletiva a crença em formas de inteligência não biológicas extra terrestres. Haja vista a crença em Deus, deuses e anjos.
    Quanto à vida extra-terrestre, existe uma teoria que pretende determinar a probabilidade da existência dela em nossa galáxia.
    Ela postula que se 1% das estrelas na galáxia tiverem um sistema planetário, se desses, 1% tiver um planeta em condição de desenvolver e manter a vida como nós a conhecemos, desses, se 1% tiver realmente desenvolvido formas de vida, 1% desses tivessem desenvolvido formas de vida inteligente, 1% desses tivessem desenvolvido uma organização social (civilização), desses, 1% terem desenvolvido tecnologia a ponto de se fazer observável, ainda assim, seriam só na Via Láctea (com 200 bilhões de estrelas), alguns milhares de possibilidades de civilizações contatáveis. No caso, via rádio.
    Complementando o que você disse sobre a possibilidade de vida, dentre várias teorias sobre o desenvolvimento de vida na Terra, existem algumas que propõem que nós mesmos sejamos extra-terrestres. Uma delas, a mais crível (algumas acreditam que viemos em discos voadores), conhecida como teoria da “pan-espermia”, advoga que a “vida” seja abundante no Universo e que se desenvolveu na Terra mas não foi gerada aqui, tendo sido trazida por cometas, na forma de esporos, etc.
    No mínimo interessante.
    Sem dúvida vivemos em um momento único na história da humanidade. Hoje vivenciamos uma liberdade de pensamento jamais imaginada. Conceitos até então rígidos são hoje colocados em cheque.
    Os computadores logo nos farão repensar o conceito de inteligência, de consciência e porquê não, da alma.
    Mesmo o conceito que temos sobre o que é um ser vivo está sendo questionado. Uma estrela, um vírus de computador ou um cristal poderiam se encaixar perfeitamente na maiorias desses conceitos.
    Um abraço meu caro.

  21. Alecsander 21 de julho de 2009 at 1:42 #

    É importante salientar que dos anos 50 pra cá já foi tiradas inúmeras fotos de discos voadores, e uma coisa a se observa é que conforme o tempo vai passando, o desing das supostas espaçonaves extraterrestres, vão melhorando e evoluindo, isso porque as pessoas não aceitam mais fotos de óvnis com a aparência de uma frigideira, como aceitavam as pessoas que viviam na década de 50.
    Quando se fala em vida extraterrestre, erroniamente a associam com paraíso tecnológico altamente avançado. As pessoas muitas vezes não compriendem que uma civilização simplesmente não nasce avançada, que toda a vida tem que ter sua origem microscopia, e que toda a civilização tenha que ter uma origem Pré-histórica. Pode haver uma infinidade de possibilidades, talvez aja vida fora da terra, mais não no estagio de civilização ou já ouve em estagio de civilização mais não atenha mais e somos a única civilização atualmente, talvez aja vida inteligente mais ainda ingatinhando como civilização. Talvez aja civilizações tão antigas ou mais que a nossa, mais ainda não tenham atingindo a mesma capacidade tecnológica para procurar vida fora de seu planeta, ou tenham mais não tenham interrece em contatar vida fora de seu planeta, talvez nossa civilização tenha sido a primeira do universo a desenvolver tecnologia para isso, afinal de contas tem que haver uma primeira civilização a desenvolver tecnologia para isso primeiro que as outras. Talvez já tenha surgido uma civilização capas de ir de uma estreala a outra, e até mesmo cruzar a galáxia, mais não existe mais, ou ainda exista mais não nos encontrou, ou esta ocupado com outra civilização. Talvez os óvnis existam de fato, talvez eles sejam tudo o que dizem por ai, e eles não se comunicam diretamente como os terraquios para preservar nossa culturas, artes e ciências, ou simplesmente somos nos mesmos, os seres humanos do futuro, que tenham dominado a tecnologia para realizar viagens no tempo, mais não podem nos contactar, pois podem causar alterações em seu futuro, por isso utilizam a imagem dos extraterrestres que nunca se comunicam como disfarces. O mundo das possibilidades é tão vasto quanto o próprio universo. Ainda iremos descobrir tudo, ate lá sou da mesma opinião do Bosco. Um vídeo do cientista brasileiro, o físico Marcelo Gleiser revela o que os cientistas têm a dizer sobre um enigma que há séculos desperta a curiosidade do mundo. Espero que vocês assistam.

    http://www.youtube.com/watch?v=hw2wUkrMsx4&feature=related

    Um grande abraço.

  22. Alecsander 21 de julho de 2009 at 1:42 #

    É importante salientar que dos anos 50 pra cá já foi tiradas inúmeras fotos de discos voadores, e uma coisa a se observa é que conforme o tempo vai passando, o desing das supostas espaçonaves extraterrestres, vão melhorando e evoluindo, isso porque as pessoas não aceitam mais fotos de óvnis com a aparência de uma frigideira, como aceitavam as pessoas que viviam na década de 50.
    Quando se fala em vida extraterrestre, erroniamente a associam com paraíso tecnológico altamente avançado. As pessoas muitas vezes não compriendem que uma civilização simplesmente não nasce avançada, que toda a vida tem que ter sua origem microscopia, e que toda a civilização tenha que ter uma origem Pré-histórica. Pode haver uma infinidade de possibilidades, talvez aja vida fora da terra, mais não no estagio de civilização ou já ouve em estagio de civilização mais não atenha mais e somos a única civilização atualmente, talvez aja vida inteligente mais ainda ingatinhando como civilização. Talvez aja civilizações tão antigas ou mais que a nossa, mais ainda não tenham atingindo a mesma capacidade tecnológica para procurar vida fora de seu planeta, ou tenham mais não tenham interrece em contatar vida fora de seu planeta, talvez nossa civilização tenha sido a primeira do universo a desenvolver tecnologia para isso, afinal de contas tem que haver uma primeira civilização a desenvolver tecnologia para isso primeiro que as outras. Talvez já tenha surgido uma civilização capas de ir de uma estreala a outra, e até mesmo cruzar a galáxia, mais não existe mais, ou ainda exista mais não nos encontrou, ou esta ocupado com outra civilização. Talvez os óvnis existam de fato, talvez eles sejam tudo o que dizem por ai, e eles não se comunicam diretamente como os terraquios para preservar nossa culturas, artes e ciências, ou simplesmente somos nos mesmos, os seres humanos do futuro, que tenham dominado a tecnologia para realizar viagens no tempo, mais não podem nos contactar, pois podem causar alterações em seu futuro, por isso utilizam a imagem dos extraterrestres que nunca se comunicam como disfarces. O mundo das possibilidades é tão vasto quanto o próprio universo. Ainda iremos descobrir tudo, ate lá sou da mesma opinião do Bosco. Um vídeo do cientista brasileiro, o físico Marcelo Gleiser revela o que os cientistas têm a dizer sobre um enigma que há séculos desperta a curiosidade do mundo. Espero que vocês assistam.

    http://www.youtube.com/watch?v=hw2wUkrMsx4&feature=related

    Um grande abraço.

  23. Hornet 21 de julho de 2009 at 2:06 #

    Bosco,

    Eu conheço uma parte dessas teorias que vc citou, é por aí mesmo.

    Embora eu ache que a teoria de que a vida na Terra tenha origem extraterrestre não se sustenta muito. Nos últimos anos foi possível recriar em laboratória o RNA, de acordo com as condições da Terra primitiva. Ou seja, não foi preciso de ajuda externa para se criar a vida na Terra. E uma vez criada a vida aqui, a teoria da evolução dá conta de explicar o resto, inclusive o aparecimento do Homem.

    E um outro ponto complicado nesta teoria do homem vindo do espaço, é o fato de existir fósseis de dois tipos de humanóides. O tipo que vingou foi o nosso, o outro desapareceu. Mas de qualquer modo os vestígios existem e essa teoria não se sustenta.

    De resto, é isso aí! Quem fez esses cálculos, que vc apresentou, se não me engano foi Carl Seagan, não foi?! Não sei se foi ele que criou, mas vi ele apresentar esses cáculos. E é exatamente isso, com 0,0000000001% de Estrelas com planetas em condições criar e sustentar vida na Via Láctea, já teríamos mais gente pra conversar no universo que toda a torcida da Lusa…hehehe

    E acho sinceramente que nesses planetas têm vida. É claro que vida entendida como eu disse acima. Não no sentido de Jornada nas Estrelas, com humanóides de orelhas pontudas e coisas do tipo…hehe

    abração

  24. Hornet 21 de julho de 2009 at 2:06 #

    Bosco,

    Eu conheço uma parte dessas teorias que vc citou, é por aí mesmo.

    Embora eu ache que a teoria de que a vida na Terra tenha origem extraterrestre não se sustenta muito. Nos últimos anos foi possível recriar em laboratória o RNA, de acordo com as condições da Terra primitiva. Ou seja, não foi preciso de ajuda externa para se criar a vida na Terra. E uma vez criada a vida aqui, a teoria da evolução dá conta de explicar o resto, inclusive o aparecimento do Homem.

    E um outro ponto complicado nesta teoria do homem vindo do espaço, é o fato de existir fósseis de dois tipos de humanóides. O tipo que vingou foi o nosso, o outro desapareceu. Mas de qualquer modo os vestígios existem e essa teoria não se sustenta.

    De resto, é isso aí! Quem fez esses cálculos, que vc apresentou, se não me engano foi Carl Seagan, não foi?! Não sei se foi ele que criou, mas vi ele apresentar esses cáculos. E é exatamente isso, com 0,0000000001% de Estrelas com planetas em condições criar e sustentar vida na Via Láctea, já teríamos mais gente pra conversar no universo que toda a torcida da Lusa…hehehe

    E acho sinceramente que nesses planetas têm vida. É claro que vida entendida como eu disse acima. Não no sentido de Jornada nas Estrelas, com humanóides de orelhas pontudas e coisas do tipo…hehe

    abração

  25. Hornet 21 de julho de 2009 at 2:06 #

    Alecsander,

    Boa indicação. Esse programa que passou no Fantástico foi bem interessante! Cheguei a ver na época. Bem bacana!

    abração

  26. Hornet 21 de julho de 2009 at 2:06 #

    Alecsander,

    Boa indicação. Esse programa que passou no Fantástico foi bem interessante! Cheguei a ver na época. Bem bacana!

    abração

  27. Angelo Nicolaci 21 de julho de 2009 at 5:24 #

    Pessoal eu acho plausivel a possivel existencia de UFOS, pois temos pouco conhecimento pleno da fisica, e há a teoria da torção do espaço tempo se não me engano, onde uma reta de ponto A ao ponto B, ao invés de seguir toda reta, levando tempo demasiado se torce tal reta transferindo-se do ponto A ao B em segundos, não lembro onde li esta teoria, mas é plausivel, por favor se alguem souber mais a respeito desta teoria post aqui, pois eu não sei explicar bem sem fazer graficos.

  28. Angelo Nicolaci 21 de julho de 2009 at 5:24 #

    Pessoal eu acho plausivel a possivel existencia de UFOS, pois temos pouco conhecimento pleno da fisica, e há a teoria da torção do espaço tempo se não me engano, onde uma reta de ponto A ao ponto B, ao invés de seguir toda reta, levando tempo demasiado se torce tal reta transferindo-se do ponto A ao B em segundos, não lembro onde li esta teoria, mas é plausivel, por favor se alguem souber mais a respeito desta teoria post aqui, pois eu não sei explicar bem sem fazer graficos.

  29. Angelo Nicolaci 21 de julho de 2009 at 5:30 #

    Alecsander

    Também acredito na probabilidade de viagem no tempo, pois em teoria se isso fosse possivel, nós mesmo voltariamos no tempo para pesquisar o nosso passado, pra ver os desenvolvimentos de determinada epoca de colher material extinto necessario para algo de grande relevancia no futuro, e o não contato serve exatamente para não quebrar a linha do tempo, pois um parafuso caido no passado poderia alterar todo futuro

  30. Angelo Nicolaci 21 de julho de 2009 at 5:30 #

    Alecsander

    Também acredito na probabilidade de viagem no tempo, pois em teoria se isso fosse possivel, nós mesmo voltariamos no tempo para pesquisar o nosso passado, pra ver os desenvolvimentos de determinada epoca de colher material extinto necessario para algo de grande relevancia no futuro, e o não contato serve exatamente para não quebrar a linha do tempo, pois um parafuso caido no passado poderia alterar todo futuro

  31. RodrigoBR 21 de julho de 2009 at 5:55 #

    Caros amigos,

    Além de todos os comentários bastante lúcidos sobre esse post, quero acrescentar o meu para que também possam reletir.

    Vou acabar misturando um pouco de religião com ciência e outras teorias “ainda” não provadas, mas não me levem a mal nem interpretem como sendo algum tipo de catequisação. Interpretem como um “outro modo” de ver as coisas e que cada um tire suas conclusões sem pré-conceitos.

    Sobre haver vida fora da Terra, OVNIS,etc…

    Isso para mim é normal e mais dia, menos dia nós teremos este contato “oficial” com essas civilizações. Acho que talvez os ETs estejam esperando que evoluamos até um nível que teremos capacidade evolutiva para suportar a “verdadeira verdade”, por isso não escacararam de vez toda a sua presença e seu interesse por nós. Sou espírita kardecista e nos livros básicos da doutrina espírita publicados lá pelos anos de 1850-1860, mais especificamente no livro “O evangelho segundo o espiritismo” existe um capítulo que se chama: “Há muitas moradas na casa de meu Pai”. Este capítulo é inteiramente dedicado ao assunto “vida no universo”. Lá diz que praticamente todo o universo é habitado em maior ou menor grau por formas de vida em vários estágios evolutivos e em infinitas dimensões que se sobrepõe. Que existem planetas e galáxias com civilizações com tamanho grau evolutivo que não temos capacidade nem de imaginar e muitas outras coisas…

    Saindo da religião, existe um livro muito interessante que se chama “Os exilados de Capela”(Este livro não está ligado a religião alguma). Este livro explica a teoria que diz que não somos da terra e que os ETs teriam nos trazido para cá e tal. Capela(do título) é um planeta da constelação de Andrômeda ou Plêiades(não me lembro) do qual teriam vindo alguns dos “Exilados” muitos milhares de anos atrás. Esses seres humanóides e muito mais adiantados em conhecimento científico(em comparação as raças que existiam), foram se mesclando com as raças nativas da evolução da Terra e com a evolução seus descendentes formaram depois as civilizações avançadas da antiguidade como a Egípcia(pirâmides),Maias,Astecas,Incas, povos avançados da India,Europeus, etc.

    Existe um livro muito interessante sobre esse tema também. Ele se chama “O livro de Urântia”(busque no google). Esse livro é gratuito e de livro acesso, vc pode baixar pela internet e também não está ligado a nenhuma religião. Ele também foi traduzido para muitos idiomas, incluindo o português.

    Nesse livro, ao qual não o li completamente ainda(1182 páginas!), complementa tudo o que falei acima só que com mais detalhes. O livro é muito interessante, teria sido ditado por um ET que se acidentou em sua nave a um grupo de pessoas no interior dos EUA na primeira metade do século passado e só revelado após a segunda guerra mundial. Esse ET teria vindo de um planeta muito adiantado e respondido as perguntas dessas pessoas e ensinado várias coisas, mostrando a organização do universo, dos seres, Deus, etc.

    Há coisas interessantes e que acho que tem alguma lógica, por mais que alguém julgue que nada é verdade. Parece difícil conseguir criar ou inventar tudo que está nesse livro e com tantos detalhes e conceitos por pessoas da metade do século XX, mas cada um tire suas próprias conclusões.

    Este livro fala que o universo não é exatamente como o entendemos e o imaginamos hj. É um pouco complicado, mas vou tentar explicar o que está no livro:

    -O Universo infinito(o todo) que está sempre em expansão é formado atualmente por:

    1 universo central + 7 Super-Universos “criados”(que estão contidos nele);

    -Cada um dos 7 Super-Universos é formado por 1.000(mil) universos menores(chamados de universos locais);

    -Cada Universo Local são uma centena de constelações (cerca de 10.000.000 de planetas habitáveis) constitui um universo local.

    Se cada universo local é tudo isso, tente imaginar toda a vastidão de todo o resto e o quão somos pequeninos…

    Então, nosso planeta Terra(Urântia para os ETs) está incluído em “um” desses mil universos locais, que está incluído em um dos 7 Super-Universos e portanto dentro do Universo infinito. Essa hierarquia se deve aos diferentes graus de evolução dos planetas e universos.

    Dentro do universo central(central porque os outros 7 Super-Universos estariam na órbita dele), seria onde reside Deus(o criador e mantenedor de tudo).

    Imaginem os senhores que de acordo com o livro, tudo que sabemos e imaginemos sobre o conceito de universo não passa de um “mísero” universo local.

    No livro também fala que na maioria dos planetas do universo a raça dominante normalmente tem a forma humanóide(como a nossa) e que estão em diferentes graus evolutivos(por isso os ET tem forma parecida com a nossa?). Que nosso planeta é um dos mais recentes criados dentro do nosso universo local pelos “arquitetos” de planetas(ETs?) e que ainda somos considerados um planeta “experimental” para a Criação, dando a entender que ainda somos muito atrasados evolutivamente.

    Que existem as raças humanóides dotadas de 1 cérebro, 2 cérebros e 3 cérebros. Nós estamos classificados dentro dos dotados com 2 cérebros(possível explicação para os 2 hemisférios cerebrais, direito e esquerdo?).

    O livro também descreve em detalhes quem é Jesus, Lúcifer e outros personagens que fazem parte da bíblia e por aí vai…

    Não tenho opnião formada sobre a maioria dessas coisas, mas imaginemos por um instante que este livro esteja correto. Quão pequenos e atrasados nós ainda somos comparados a todo o universo! Talvez seja uma diferença evolutiva como da raça humana para uma bactéria ou menos…

    Espero não ter sido demasiadamente incômodo para os amigos, apenas quis compartilhar um pouco do que já li para refletirmos que “talvez” sejamos(Terra) muito menos do que julgamos que somos-apesar de toda nossa evolução- e o porque de não entendermos o que/ou quem são os OVNIS. Sei que nesse blog não devemos envolver questoes religiosas ou dogmáticas, mas esse assunto é demasiado complexo para tentar entendê-lo apenas dentro dos limites permitidos pela física que dominamos.

    Um abraço a todos.

  32. RodrigoBR 21 de julho de 2009 at 5:55 #

    Caros amigos,

    Além de todos os comentários bastante lúcidos sobre esse post, quero acrescentar o meu para que também possam reletir.

    Vou acabar misturando um pouco de religião com ciência e outras teorias “ainda” não provadas, mas não me levem a mal nem interpretem como sendo algum tipo de catequisação. Interpretem como um “outro modo” de ver as coisas e que cada um tire suas conclusões sem pré-conceitos.

    Sobre haver vida fora da Terra, OVNIS,etc…

    Isso para mim é normal e mais dia, menos dia nós teremos este contato “oficial” com essas civilizações. Acho que talvez os ETs estejam esperando que evoluamos até um nível que teremos capacidade evolutiva para suportar a “verdadeira verdade”, por isso não escacararam de vez toda a sua presença e seu interesse por nós. Sou espírita kardecista e nos livros básicos da doutrina espírita publicados lá pelos anos de 1850-1860, mais especificamente no livro “O evangelho segundo o espiritismo” existe um capítulo que se chama: “Há muitas moradas na casa de meu Pai”. Este capítulo é inteiramente dedicado ao assunto “vida no universo”. Lá diz que praticamente todo o universo é habitado em maior ou menor grau por formas de vida em vários estágios evolutivos e em infinitas dimensões que se sobrepõe. Que existem planetas e galáxias com civilizações com tamanho grau evolutivo que não temos capacidade nem de imaginar e muitas outras coisas…

    Saindo da religião, existe um livro muito interessante que se chama “Os exilados de Capela”(Este livro não está ligado a religião alguma). Este livro explica a teoria que diz que não somos da terra e que os ETs teriam nos trazido para cá e tal. Capela(do título) é um planeta da constelação de Andrômeda ou Plêiades(não me lembro) do qual teriam vindo alguns dos “Exilados” muitos milhares de anos atrás. Esses seres humanóides e muito mais adiantados em conhecimento científico(em comparação as raças que existiam), foram se mesclando com as raças nativas da evolução da Terra e com a evolução seus descendentes formaram depois as civilizações avançadas da antiguidade como a Egípcia(pirâmides),Maias,Astecas,Incas, povos avançados da India,Europeus, etc.

    Existe um livro muito interessante sobre esse tema também. Ele se chama “O livro de Urântia”(busque no google). Esse livro é gratuito e de livro acesso, vc pode baixar pela internet e também não está ligado a nenhuma religião. Ele também foi traduzido para muitos idiomas, incluindo o português.

    Nesse livro, ao qual não o li completamente ainda(1182 páginas!), complementa tudo o que falei acima só que com mais detalhes. O livro é muito interessante, teria sido ditado por um ET que se acidentou em sua nave a um grupo de pessoas no interior dos EUA na primeira metade do século passado e só revelado após a segunda guerra mundial. Esse ET teria vindo de um planeta muito adiantado e respondido as perguntas dessas pessoas e ensinado várias coisas, mostrando a organização do universo, dos seres, Deus, etc.

    Há coisas interessantes e que acho que tem alguma lógica, por mais que alguém julgue que nada é verdade. Parece difícil conseguir criar ou inventar tudo que está nesse livro e com tantos detalhes e conceitos por pessoas da metade do século XX, mas cada um tire suas próprias conclusões.

    Este livro fala que o universo não é exatamente como o entendemos e o imaginamos hj. É um pouco complicado, mas vou tentar explicar o que está no livro:

    -O Universo infinito(o todo) que está sempre em expansão é formado atualmente por:

    1 universo central + 7 Super-Universos “criados”(que estão contidos nele);

    -Cada um dos 7 Super-Universos é formado por 1.000(mil) universos menores(chamados de universos locais);

    -Cada Universo Local são uma centena de constelações (cerca de 10.000.000 de planetas habitáveis) constitui um universo local.

    Se cada universo local é tudo isso, tente imaginar toda a vastidão de todo o resto e o quão somos pequeninos…

    Então, nosso planeta Terra(Urântia para os ETs) está incluído em “um” desses mil universos locais, que está incluído em um dos 7 Super-Universos e portanto dentro do Universo infinito. Essa hierarquia se deve aos diferentes graus de evolução dos planetas e universos.

    Dentro do universo central(central porque os outros 7 Super-Universos estariam na órbita dele), seria onde reside Deus(o criador e mantenedor de tudo).

    Imaginem os senhores que de acordo com o livro, tudo que sabemos e imaginemos sobre o conceito de universo não passa de um “mísero” universo local.

    No livro também fala que na maioria dos planetas do universo a raça dominante normalmente tem a forma humanóide(como a nossa) e que estão em diferentes graus evolutivos(por isso os ET tem forma parecida com a nossa?). Que nosso planeta é um dos mais recentes criados dentro do nosso universo local pelos “arquitetos” de planetas(ETs?) e que ainda somos considerados um planeta “experimental” para a Criação, dando a entender que ainda somos muito atrasados evolutivamente.

    Que existem as raças humanóides dotadas de 1 cérebro, 2 cérebros e 3 cérebros. Nós estamos classificados dentro dos dotados com 2 cérebros(possível explicação para os 2 hemisférios cerebrais, direito e esquerdo?).

    O livro também descreve em detalhes quem é Jesus, Lúcifer e outros personagens que fazem parte da bíblia e por aí vai…

    Não tenho opnião formada sobre a maioria dessas coisas, mas imaginemos por um instante que este livro esteja correto. Quão pequenos e atrasados nós ainda somos comparados a todo o universo! Talvez seja uma diferença evolutiva como da raça humana para uma bactéria ou menos…

    Espero não ter sido demasiadamente incômodo para os amigos, apenas quis compartilhar um pouco do que já li para refletirmos que “talvez” sejamos(Terra) muito menos do que julgamos que somos-apesar de toda nossa evolução- e o porque de não entendermos o que/ou quem são os OVNIS. Sei que nesse blog não devemos envolver questoes religiosas ou dogmáticas, mas esse assunto é demasiado complexo para tentar entendê-lo apenas dentro dos limites permitidos pela física que dominamos.

    Um abraço a todos.

  33. Hornet 21 de julho de 2009 at 6:34 #

    Amigo Angelo Nicolaci,

    os problemas para se viajar no tempo são vários, e nenhum deles depende exclusivamente de aperfeiçoamento tecnológico. Vou colocar umas questões aqui pra gente refletir juntos, ok?

    Em primeiro lugar, precisamos discutir o que é o tempo, já que queremos viajar nele. E aqui temos problemas complicados.

    O tempo não é. O tempo não é um ser. O tempo não tem extensão.

    Viajar, se deslocar de um ponto ao outro implica em existir uma extensão, uma continuidade. E o tempo não tem continuidade, pois o tempo não tem ser.

    Como dizia Santo Agostinho: eu sei perfeitamente o que é o tempo, mas se me perguntam sobre o que é o tempo, já não sei mais.

    Ou seja, nós percebemos algo que chamamos de tempo, mas esse algo não existe de fato.

    Ainda sigo com Santo Agostinho: o passado não é mais, o futuro não é ainda, e o presente não se fixa. Ou seja, o tempo não é, ele nunca é, ele nunca tem ser. Como viajar num não-ser? Como se deslocar num não-ser?

    Nós achamos que “medimos” o tempo…mas na verdade, medimos o movimento, o deslocamento dos corpos no espaço. Que são coisas diferentes. O tempo do relógio (ou o ano do calendário) não é a medição do tempo, mas sim do movimento dos astros (Sol e Lua) em torno da Terra.

    Eu ainda colocaria, pra complicar mais ainda a reflexão, duas outras problemáticas: o tempo, ou aquilo que entendemos como sendo o tempo, não é uno. Ele é diverso. Existe o tempo psicológico (o tempo interior de cada indivíduo, no qual passado, presente e futuro se embaralha na vida e na memória), o tempo cronológico (medido pelo relógio, pelo calendário etc.), o tempo cósmico (do universo, da natureza) e colocaria ainda o tempo histórico (tempo inventado e controlado pelo homem).

    Não podemos embaralhar esses tempos todos, pois são coisas muito distintas. Quando falamos em viajar no tempo, precisamos saber de qual “tempo” estamos falando.

    No caso do tempo cósmico, no tempo natural, as viagens não só são possíveis como já são comprovadas pela ciência. Já foram medidas em laboratórios “viagens” de partículas sub-atômicas que se deslocavam no tempo, para o passado e para o futuro. Isso mostra que o tempo não é liner, nem mesmo o tempo natural. Nós é q

  34. Hornet 21 de julho de 2009 at 6:34 #

    Amigo Angelo Nicolaci,

    os problemas para se viajar no tempo são vários, e nenhum deles depende exclusivamente de aperfeiçoamento tecnológico. Vou colocar umas questões aqui pra gente refletir juntos, ok?

    Em primeiro lugar, precisamos discutir o que é o tempo, já que queremos viajar nele. E aqui temos problemas complicados.

    O tempo não é. O tempo não é um ser. O tempo não tem extensão.

    Viajar, se deslocar de um ponto ao outro implica em existir uma extensão, uma continuidade. E o tempo não tem continuidade, pois o tempo não tem ser.

    Como dizia Santo Agostinho: eu sei perfeitamente o que é o tempo, mas se me perguntam sobre o que é o tempo, já não sei mais.

    Ou seja, nós percebemos algo que chamamos de tempo, mas esse algo não existe de fato.

    Ainda sigo com Santo Agostinho: o passado não é mais, o futuro não é ainda, e o presente não se fixa. Ou seja, o tempo não é, ele nunca é, ele nunca tem ser. Como viajar num não-ser? Como se deslocar num não-ser?

    Nós achamos que “medimos” o tempo…mas na verdade, medimos o movimento, o deslocamento dos corpos no espaço. Que são coisas diferentes. O tempo do relógio (ou o ano do calendário) não é a medição do tempo, mas sim do movimento dos astros (Sol e Lua) em torno da Terra.

    Eu ainda colocaria, pra complicar mais ainda a reflexão, duas outras problemáticas: o tempo, ou aquilo que entendemos como sendo o tempo, não é uno. Ele é diverso. Existe o tempo psicológico (o tempo interior de cada indivíduo, no qual passado, presente e futuro se embaralha na vida e na memória), o tempo cronológico (medido pelo relógio, pelo calendário etc.), o tempo cósmico (do universo, da natureza) e colocaria ainda o tempo histórico (tempo inventado e controlado pelo homem).

    Não podemos embaralhar esses tempos todos, pois são coisas muito distintas. Quando falamos em viajar no tempo, precisamos saber de qual “tempo” estamos falando.

    No caso do tempo cósmico, no tempo natural, as viagens não só são possíveis como já são comprovadas pela ciência. Já foram medidas em laboratórios “viagens” de partículas sub-atômicas que se deslocavam no tempo, para o passado e para o futuro. Isso mostra que o tempo não é liner, nem mesmo o tempo natural. Nós é q

  35. Hornet 21 de julho de 2009 at 7:02 #

    Angelo,

    apertei o “enter” sem querer…

    continuando:

    nós é que percebemos o “tempo natural” (o tempo das coisas no mundo) como linear, como sendo formado por passado, presente e futuro.

    Mas existe ainda um outro complicador, que é o espaço-tempo. No universo não podemos pensar em tempo e espaço, mas sim em espaço-tempo.

    De certo modo, nós todos, habitantes dessa nave chamada Terra, realizamos uma viagem no tempo a todo momento. Não exatamente no tempo, mas no espaço-tempo.

    E aqui tem o problema maior: ao avançarmos no tempo, avançamos no espaço. Ou seja, o universo está se expandindo. Isso já é comprovado e muito bem comprovado pela ciência.

    O que isso quer dizer?

    Quer dizer que tempo e espaço são unidos, não podem ser tomados em separado.

    Tentando explicar melhor. No nosso univeso não caberia a pergunta: o que existia antes do Universo? Essa pergunta não cabe porque a palavra “antes” implica em noção de tempo, e o tempo foi criado junto com o espaço, no nosso Universo.

    No ponto zero do Big Bang, tempo e espaço não existiam. O Universo, tudo o que vemos hoje no espaço sideral, estava concentrado em um ponto, sem tempo e nem espaço. O colpaso gravitacional fez a energia/matéria se expandir. E o primeiro movimento resultante do Big bang, desta expansão, foi a criação simultânea de tempo e espaço. A cada tempo, o espaço ficava maior. Ou a cada espaço do espaço, implicava em um tempo. E o universo vem se expandindo a bilhões de anos. E a cada segundo fica ainda maior. Por isso que o espaço-tempo é a medida do Universo.

    Para retrocedermos no tempo, precisaríamos diminuir o espaço ocupado hoje pelo Universo. Ou seja, voltar no tempo significaria voltar a uma época em que o universo era menor do que é hoje. Isso implicaria em lutar contra a lei da gravidade universal, que rege o movimento de todos os corpos e todas as galáxias do universo.

    No entanto, existem teorias da física (ainda não totalemnte comprovadas, mas em parte já aceitas) que postulam a possibilidade de se viajar no espaço-tempo em qualquer direção (passado ou futuro). É o caso da Teoria das Cordas, que postula matematicamente a existência de mais dimensões para o universo que as atuais conhecidas, e dentro desta teoria, existe uma singularidade chamada de “buraco de minhoca” que ligaria as demais dimensões às que já conhecemos.

    O problema é que esses “Buracos de minhoca” são micro-Buracos Negros. Ou seja, são corpos com uma gravidade monstruosa (tal como as dos Buracos Negros), que esmagaria qualquer ser vivo. Fora de cogitação usar isso como “transporte” para viagens no tempo (hehe). Ninguém ou nada sobreviviria ao esmagamento gravitacional. Apenas funcionaria com partículas sub-atômicas.

    Os problemas não se resumem apenas a esses que comentei acima, mas vou ficando por aqui pois já escrevi demais, o post já ficou longo demais…desculpem-me por isso…é que não consigo sintetizar coisas tão complexas como isso, e o assunto é muito interessante, não é?

    abração

  36. Hornet 21 de julho de 2009 at 7:02 #

    Angelo,

    apertei o “enter” sem querer…

    continuando:

    nós é que percebemos o “tempo natural” (o tempo das coisas no mundo) como linear, como sendo formado por passado, presente e futuro.

    Mas existe ainda um outro complicador, que é o espaço-tempo. No universo não podemos pensar em tempo e espaço, mas sim em espaço-tempo.

    De certo modo, nós todos, habitantes dessa nave chamada Terra, realizamos uma viagem no tempo a todo momento. Não exatamente no tempo, mas no espaço-tempo.

    E aqui tem o problema maior: ao avançarmos no tempo, avançamos no espaço. Ou seja, o universo está se expandindo. Isso já é comprovado e muito bem comprovado pela ciência.

    O que isso quer dizer?

    Quer dizer que tempo e espaço são unidos, não podem ser tomados em separado.

    Tentando explicar melhor. No nosso univeso não caberia a pergunta: o que existia antes do Universo? Essa pergunta não cabe porque a palavra “antes” implica em noção de tempo, e o tempo foi criado junto com o espaço, no nosso Universo.

    No ponto zero do Big Bang, tempo e espaço não existiam. O Universo, tudo o que vemos hoje no espaço sideral, estava concentrado em um ponto, sem tempo e nem espaço. O colpaso gravitacional fez a energia/matéria se expandir. E o primeiro movimento resultante do Big bang, desta expansão, foi a criação simultânea de tempo e espaço. A cada tempo, o espaço ficava maior. Ou a cada espaço do espaço, implicava em um tempo. E o universo vem se expandindo a bilhões de anos. E a cada segundo fica ainda maior. Por isso que o espaço-tempo é a medida do Universo.

    Para retrocedermos no tempo, precisaríamos diminuir o espaço ocupado hoje pelo Universo. Ou seja, voltar no tempo significaria voltar a uma época em que o universo era menor do que é hoje. Isso implicaria em lutar contra a lei da gravidade universal, que rege o movimento de todos os corpos e todas as galáxias do universo.

    No entanto, existem teorias da física (ainda não totalemnte comprovadas, mas em parte já aceitas) que postulam a possibilidade de se viajar no espaço-tempo em qualquer direção (passado ou futuro). É o caso da Teoria das Cordas, que postula matematicamente a existência de mais dimensões para o universo que as atuais conhecidas, e dentro desta teoria, existe uma singularidade chamada de “buraco de minhoca” que ligaria as demais dimensões às que já conhecemos.

    O problema é que esses “Buracos de minhoca” são micro-Buracos Negros. Ou seja, são corpos com uma gravidade monstruosa (tal como as dos Buracos Negros), que esmagaria qualquer ser vivo. Fora de cogitação usar isso como “transporte” para viagens no tempo (hehe). Ninguém ou nada sobreviviria ao esmagamento gravitacional. Apenas funcionaria com partículas sub-atômicas.

    Os problemas não se resumem apenas a esses que comentei acima, mas vou ficando por aqui pois já escrevi demais, o post já ficou longo demais…desculpem-me por isso…é que não consigo sintetizar coisas tão complexas como isso, e o assunto é muito interessante, não é?

    abração

  37. Hornet 21 de julho de 2009 at 7:07 #

    ops! Ou a cada espaço do espaço, implicava em um tempo = a cada aumento do espaço, implicava em um tempo.

  38. Hornet 21 de julho de 2009 at 7:07 #

    ops! Ou a cada espaço do espaço, implicava em um tempo = a cada aumento do espaço, implicava em um tempo.

  39. Jc 21 de julho de 2009 at 8:04 #

    70% sao fenomenos fisicos, amosfericos, etc.
    29% sao farsas.
    1% eh coisa seria, inexplicavel, relatado por gente confiavel.

    1% eh muita coisa…
    se em 100 mil anos jah chegamos a lua e poderiamos ir a marte, que dira uma civilizacao com milhoes de anos?

    Pra mim isso eh muito mais aceitavel e logico que a existencia de “deus”.

  40. Jc 21 de julho de 2009 at 8:04 #

    70% sao fenomenos fisicos, amosfericos, etc.
    29% sao farsas.
    1% eh coisa seria, inexplicavel, relatado por gente confiavel.

    1% eh muita coisa…
    se em 100 mil anos jah chegamos a lua e poderiamos ir a marte, que dira uma civilizacao com milhoes de anos?

    Pra mim isso eh muito mais aceitavel e logico que a existencia de “deus”.

  41. Andre Luiz 21 de julho de 2009 at 8:18 #

    Peguem um organismo vivo, coloquem ele em uma nave, depois façam ele viajar distancias absurdas, em velocidades absurdas e por um tempo absurdo ( nego pensa que qualquer coisa no espaço é logo ali) tudo isso para virem aqui e ficar brincando de pisca pisca-para militares e caipiras sugestionaveis

    E detalhe uma suposta civilizaçao inteligete iria usar a boa e velha transmisso por radio ao invez de ficar se arriscando em viagens assim

    Seja uma civilizaçao exploradora ou conquistadora nao iria ficar nesta viadagem de esconde-esconde

    Esta operaçao prato ja foi brilhantemente refutada em sites ceticos por ai, ela é coisa nenhuma com nada dentro em uma epoca que os militares diriam qualquer coisa para omitir alguma falha

    E OVNI é diferente de “logo tem de ser E.T

  42. Andre Luiz 21 de julho de 2009 at 8:18 #

    Peguem um organismo vivo, coloquem ele em uma nave, depois façam ele viajar distancias absurdas, em velocidades absurdas e por um tempo absurdo ( nego pensa que qualquer coisa no espaço é logo ali) tudo isso para virem aqui e ficar brincando de pisca pisca-para militares e caipiras sugestionaveis

    E detalhe uma suposta civilizaçao inteligete iria usar a boa e velha transmisso por radio ao invez de ficar se arriscando em viagens assim

    Seja uma civilizaçao exploradora ou conquistadora nao iria ficar nesta viadagem de esconde-esconde

    Esta operaçao prato ja foi brilhantemente refutada em sites ceticos por ai, ela é coisa nenhuma com nada dentro em uma epoca que os militares diriam qualquer coisa para omitir alguma falha

    E OVNI é diferente de “logo tem de ser E.T

  43. william 21 de julho de 2009 at 8:41 #

    Eu sou Paraense e moro nesta região à 42 anos isso tudo realmente aconteceu e ainda acontece, alguém com coragem para vim ver de perto para mudar a sua opinião. estamos na melhor época é verão na região norte poucas nuvens céu aberto.

  44. william 21 de julho de 2009 at 8:41 #

    Eu sou Paraense e moro nesta região à 42 anos isso tudo realmente aconteceu e ainda acontece, alguém com coragem para vim ver de perto para mudar a sua opinião. estamos na melhor época é verão na região norte poucas nuvens céu aberto.

  45. Virtualxi 21 de julho de 2009 at 8:42 #

    Quando o assunto é tratado a nível científico, é sempre bem vindo. O fator OVNI, ou seres que tenham por ventura se desenvolvido em outros sistemas planetários, ou até mesmo em outros universos paralelos, poderia ser o alavancador para o desenvolvimento da raça humana, elevando-a a um patamar muito maior que este. Detalhe é saber se a eles interessa uma aproximação, afinal somos hostis com nossos próprios semelhantes, então não vejo oque possamos ensinar de bom a uma cultura superior. Pelo menos uma coisa eles deveriam experimentar, que é um bom chopp gelado, com colarinho caprichado.
    Mas vai que gostam e depois queiram nos invadir, então vamos beber todo o chopp antes que eles descubram….hehehe.

  46. Virtualxi 21 de julho de 2009 at 8:42 #

    Quando o assunto é tratado a nível científico, é sempre bem vindo. O fator OVNI, ou seres que tenham por ventura se desenvolvido em outros sistemas planetários, ou até mesmo em outros universos paralelos, poderia ser o alavancador para o desenvolvimento da raça humana, elevando-a a um patamar muito maior que este. Detalhe é saber se a eles interessa uma aproximação, afinal somos hostis com nossos próprios semelhantes, então não vejo oque possamos ensinar de bom a uma cultura superior. Pelo menos uma coisa eles deveriam experimentar, que é um bom chopp gelado, com colarinho caprichado.
    Mas vai que gostam e depois queiram nos invadir, então vamos beber todo o chopp antes que eles descubram….hehehe.

  47. Cor Tau 21 de julho de 2009 at 8:45 #

    Conheço e domino bem o assunto…………Desde de criança…Ja tive 7 avistamentos até hoje e o primeiro foi a experiencia que mais mexeu comigo….A que mais me assustou…………Porque eu era criança e acreditava piamente que ets só existiam em seriados ou filmes….Que era ficção mesmo…..Ja vi de tudo quanto é absurdo…..Até animais supostamente extintos(Escorpião Marinho) por completo(O grupo inteiro supostamente desapareceu na Extinção Permo-Triássica)……………………..Alguns desses avistamentos que tive realmente foram serios e tensos a mim………3 foram serios mesmos…..E ainda tem os casos dos meus colegas e de meus pais…Se não existe vida fora da terra então o Universo é um grande desperdício de espaço….O homem está sempre disposto a negar aquilo que não compreende……O Tempo É O Senhor Da Razão………………………Tenho muito interesse pessoal nesses assuntos…Levo bem a serio………

    Parecem dominar e usar a tecnologia de transmutar materia em energia e vice versa…Pois é algo que constata-se nos avistamentos…Alem de dominarem e manipularem a gravidade artificialmente e talvez a antimateria…São possibilidades…Especulações do porque de determinadas coisas constatadas nos avistamentos em geral:Possibilidades de como chegam até aqui Hornet:

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Buraco-de-minhoca

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Viagem_no_tempo

    ~~

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Foo_fighter

    http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81rea_51

    ~~

    Documentarios:

    http://www.youtube.com/watch?v=rtXyDIg-y7E

    http://www.youtube.com/watch?v=llPmqXAj-Rc

    http://www.youtube.com/watch?v=XDzIHk1sA_8

    ~~

    http://www.youtube.com/watch?v=gc0R_rapV68

    http://www.youtube.com/watch?v=Ys0wYPE_Ohk

    http://www.youtube.com/watch?v=k2zaMq5xNMg

    http://www.youtube.com/watch?v=0YN31z_J0r8

    ~~

    http://www.youtube.com/watch?v=vpav_VSqhUE

    http://www.youtube.com/watch?v=ex138VftpC4

  48. Cor Tau 21 de julho de 2009 at 8:45 #

    Conheço e domino bem o assunto…………Desde de criança…Ja tive 7 avistamentos até hoje e o primeiro foi a experiencia que mais mexeu comigo….A que mais me assustou…………Porque eu era criança e acreditava piamente que ets só existiam em seriados ou filmes….Que era ficção mesmo…..Ja vi de tudo quanto é absurdo…..Até animais supostamente extintos(Escorpião Marinho) por completo(O grupo inteiro supostamente desapareceu na Extinção Permo-Triássica)……………………..Alguns desses avistamentos que tive realmente foram serios e tensos a mim………3 foram serios mesmos…..E ainda tem os casos dos meus colegas e de meus pais…Se não existe vida fora da terra então o Universo é um grande desperdício de espaço….O homem está sempre disposto a negar aquilo que não compreende……O Tempo É O Senhor Da Razão………………………Tenho muito interesse pessoal nesses assuntos…Levo bem a serio………

    Parecem dominar e usar a tecnologia de transmutar materia em energia e vice versa…Pois é algo que constata-se nos avistamentos…Alem de dominarem e manipularem a gravidade artificialmente e talvez a antimateria…São possibilidades…Especulações do porque de determinadas coisas constatadas nos avistamentos em geral:Possibilidades de como chegam até aqui Hornet:

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Buraco-de-minhoca

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Viagem_no_tempo

    ~~

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Foo_fighter

    http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81rea_51

    ~~

    Documentarios:

    ~~

    ~~

  49. Marcelo Tadeu 21 de julho de 2009 at 9:01 #

    Eu sabia!!! O Congresso Nacional é ocupado por seres de outro planeta, os CHUPA-CHUPA do Orçamento da nação!!!!

    Eles já estão entre nós!!!!

  50. Marcelo Tadeu 21 de julho de 2009 at 9:01 #

    Eu sabia!!! O Congresso Nacional é ocupado por seres de outro planeta, os CHUPA-CHUPA do Orçamento da nação!!!!

    Eles já estão entre nós!!!!

  51. Fábio Max 21 de julho de 2009 at 9:49 #

    Ontem eu vi um monte de gente se manifestando na internet, afirmando que o homem não foi à Lua, que foi um embuste montado em Holywood…

    É incrível, as mesmas pessoas acreditam em disco voador e seres verdes de cabeça grande, mas não reconhecem um esforço científico monumental.

    Não que eu desacredite de UFO(s), mas há exagero sobre eles.

  52. Fábio Max 21 de julho de 2009 at 9:49 #

    Ontem eu vi um monte de gente se manifestando na internet, afirmando que o homem não foi à Lua, que foi um embuste montado em Holywood…

    É incrível, as mesmas pessoas acreditam em disco voador e seres verdes de cabeça grande, mas não reconhecem um esforço científico monumental.

    Não que eu desacredite de UFO(s), mas há exagero sobre eles.

  53. tyrion 21 de julho de 2009 at 9:58 #

    Eu quero acreditar!!!

  54. tyrion 21 de julho de 2009 at 9:58 #

    Eu quero acreditar!!!

  55. Rodrigo Marques 21 de julho de 2009 at 10:57 #

    Os colegas indicaram, programas de tv, sites, livros, etc…

    Eu indico então um livro chamado ” Eram os Deuses, Astronautas ? ” de Erich von Däniken.

    Eu acredito na possibilidade de termos sido visitados no nosso passado remoto e atualmente ainda sermos objeto de estudos.

    Aqueles que questionam o porque da falta de um contato aberto, podem talvez não compreender a dificuldade de nos comunicarmos com outras “civilizações” aqui mesmo na Terra. Ja observaram uma colônia de cupins? Eles tem um sistema hierarquico, divisão de tarefas e o mais fantástico: o cupinzeiro tem armazem, maternidade e um formidável sistema de controle de temperatura ( aquela torre enorme de barro) Quem já viu,sabe do que estou falando. Nem por isso, nós, tendo uma civilização muito mais avançada que a deles ( nisso incluo obviamente os nossos sentidos)podemos estabelecer qualquer tipo de comunicação, pricipalmente por nao termos absolutamente nada a aprender, só podemos oferecer a eles o caos.

    Caos que imagino termos ao nos depararmos com a seguinte realidade: Não somos mais os senhores do nosso mundo, ou seja, estaremos na dependencia da boa vontade de nossos visitantes para continuarmos a viver e evoluir. Alguém pode imaginar o caos religioso, economico e filosófico dessa nova situação?

    Finalizando, na noite de 19 de maio de 1986 a FAB tentou interceptar um conjunto de 21 bolas coloridas que iluminaram os céus do Rio, Sp, Goiás e Paraná. No dia seguinte o então ministro Moreira Lima da Aeronáutica deu uma entrevista coletiva, ladeado pelos pilotos de Anápolis e Sta Cruz, que tentaram a interceptação. O Caso ficou conhecido como a “Noite Oficial dos Ovnis”

    Abraços

  56. Rodrigo Marques 21 de julho de 2009 at 10:57 #

    Os colegas indicaram, programas de tv, sites, livros, etc…

    Eu indico então um livro chamado ” Eram os Deuses, Astronautas ? ” de Erich von Däniken.

    Eu acredito na possibilidade de termos sido visitados no nosso passado remoto e atualmente ainda sermos objeto de estudos.

    Aqueles que questionam o porque da falta de um contato aberto, podem talvez não compreender a dificuldade de nos comunicarmos com outras “civilizações” aqui mesmo na Terra. Ja observaram uma colônia de cupins? Eles tem um sistema hierarquico, divisão de tarefas e o mais fantástico: o cupinzeiro tem armazem, maternidade e um formidável sistema de controle de temperatura ( aquela torre enorme de barro) Quem já viu,sabe do que estou falando. Nem por isso, nós, tendo uma civilização muito mais avançada que a deles ( nisso incluo obviamente os nossos sentidos)podemos estabelecer qualquer tipo de comunicação, pricipalmente por nao termos absolutamente nada a aprender, só podemos oferecer a eles o caos.

    Caos que imagino termos ao nos depararmos com a seguinte realidade: Não somos mais os senhores do nosso mundo, ou seja, estaremos na dependencia da boa vontade de nossos visitantes para continuarmos a viver e evoluir. Alguém pode imaginar o caos religioso, economico e filosófico dessa nova situação?

    Finalizando, na noite de 19 de maio de 1986 a FAB tentou interceptar um conjunto de 21 bolas coloridas que iluminaram os céus do Rio, Sp, Goiás e Paraná. No dia seguinte o então ministro Moreira Lima da Aeronáutica deu uma entrevista coletiva, ladeado pelos pilotos de Anápolis e Sta Cruz, que tentaram a interceptação. O Caso ficou conhecido como a “Noite Oficial dos Ovnis”

    Abraços

  57. Zeke A6M 21 de julho de 2009 at 12:04 #

    Bosco e Hornet

    Muito obrigado pela bela síntese que nos presentearam. Tenho um fisico/astrônomo na familia e tenho por osmose, um conhecimento superficial dos temas e conceitos abordados por voces. Gostaria de ter a capacidade didática e paciencia de voces. Parabens !

    Abraços.

  58. Zeke A6M 21 de julho de 2009 at 12:04 #

    Bosco e Hornet

    Muito obrigado pela bela síntese que nos presentearam. Tenho um fisico/astrônomo na familia e tenho por osmose, um conhecimento superficial dos temas e conceitos abordados por voces. Gostaria de ter a capacidade didática e paciencia de voces. Parabens !

    Abraços.

  59. Democracia 21 de julho de 2009 at 12:18 #

    Rodrigo Marques,

    Quando falou deste livro quis dizer “edição revisada”, não é, afinal eu tenho a original e ela tem muitos fatos que parecem “achismo”, ou sem comprovação, embora realmente o livro seja realmente interessante.

    Aos demais, lembrem-se de que a lógica pode nos ajudar nesse assunto, e “vida longa e prospera”

    Viva a República !!!

  60. Democracia 21 de julho de 2009 at 12:18 #

    Rodrigo Marques,

    Quando falou deste livro quis dizer “edição revisada”, não é, afinal eu tenho a original e ela tem muitos fatos que parecem “achismo”, ou sem comprovação, embora realmente o livro seja realmente interessante.

    Aos demais, lembrem-se de que a lógica pode nos ajudar nesse assunto, e “vida longa e prospera”

    Viva a República !!!

  61. Zeke A6M 21 de julho de 2009 at 12:18 #

    Existe um belo trabalho de Carl Jung, “Mito Moderno”, que faz uma abordagem no plano psicológico e do inconsciente coletivo, e traça um paralelo dos avistamentos de deuses e santos, na antiguidade até os discos voadores mais recentemente.

    Abraços a todos.

  62. Zeke A6M 21 de julho de 2009 at 12:18 #

    Existe um belo trabalho de Carl Jung, “Mito Moderno”, que faz uma abordagem no plano psicológico e do inconsciente coletivo, e traça um paralelo dos avistamentos de deuses e santos, na antiguidade até os discos voadores mais recentemente.

    Abraços a todos.

  63. Democracia 21 de julho de 2009 at 12:20 #

    Só corrigindo a ultima frase: “embora o livro seja realmente interessante” e não “embora realmente o livro seja realmente interessante”

    Viva a República !!!

  64. Democracia 21 de julho de 2009 at 12:20 #

    Só corrigindo a ultima frase: “embora o livro seja realmente interessante” e não “embora realmente o livro seja realmente interessante”

    Viva a República !!!

  65. andre parma 21 de julho de 2009 at 12:22 #

    Um Mig15 foi abatido em 19 de junho de 1948 na União sovietica por um desses o piloto abatido era um dos melhores da força aerea sovietica ele morreu porque o Mig desintegrou

  66. andre parma 21 de julho de 2009 at 12:22 #

    Um Mig15 foi abatido em 19 de junho de 1948 na União sovietica por um desses o piloto abatido era um dos melhores da força aerea sovietica ele morreu porque o Mig desintegrou

  67. Rodrigo Marques 21 de julho de 2009 at 13:06 #

    Democracia,

    Com certeza, mesmo na edição revisada, alguns pontos podem ainda ser considerados achismos, afinal sabemos pouquíssimo sobre “eles”.

    Abraços

  68. Rodrigo Marques 21 de julho de 2009 at 13:06 #

    Democracia,

    Com certeza, mesmo na edição revisada, alguns pontos podem ainda ser considerados achismos, afinal sabemos pouquíssimo sobre “eles”.

    Abraços

  69. RodrigoBR 21 de julho de 2009 at 13:25 #

    Sobre a “Operação Prato”,

    Alguns anos atrás li sobre esta operação na internet. O então capitão da aeronáutica Uirangê chefiou um grupo de militares das aeronáutica para investigar sobre os fenômenos que vinham ocorrendo nessa região do Pará, mais especificamente a cidade de Colares-PA. Dizem que Uirangê era bastante cético sobre OVNIS,etc. Não acreditou muito nos primeiros relatórios que alguns subordinados haviam feito meses antes de liderar essa operação. Só acreditou mesmo quando viu pessoalmente uma nave pairar entre 50 a 100m de distância do acampamento que montaram a beira de um rio nas proximidades de Colares. Então um dos subordinados que haviam feito os primeiros relatórios disse ao Capitão: e agora capitão,acredita em nós? Uirangê relata que “parecia que os ovnis queriam se mostrar para nós” pois teriam sido inúmeros avistamentos.

    Para que os amigos tenham uma idéia do que aconteceu na época, os militares relataram que havia se implantado o caos em Colares e região e que a população estava apavorada achando que era o fim do mundo, andavam armadas pelas ruas procurando alguma forma de se defender. Os militares teriam ido até a cidade várias vezes e investigado as vítimas. Várias pessoas teriam sido “chupadas”(fenômeno chupa-chupa) e muitos achavam que se tratavam de “vampiros”. As vítimas ficavam com um pequeno sinal no peito ou pescoço após terem sido atacadas e apresentavam os sintomas descritos no Post.

    Os integrantes da operação, sensibilizados com a situação da população e tendo eles mesmos avistado os fenômenos descritos pela população, teriam organizado um pequeno “seminário” para muitas pessoas, mostrando fotos que haviam tirado dos OVNIS e tentando acalmar a população falando um pouco do que sabiam. Também ajudaram a população a organizar uma espécie de milícia para patrulhar as ruas da cidade e se protegerem. Passados alguns dias o fenômeno teria diminuído ou cessado, então voltaram ao COMAR em Belém e escreveram os relatórios descritos na notícia.

    Uirangê teria dito quando ainda era vivo que torcia para que fossem abertos os arquivos sobre a operação, pois ele era convicto dos fenômenos que presenciou. O mais intrigante foi a sua morte…

    Dizem que já era um senhor de idade e foi a um encontro sobre ufologia em um auditório no Rio de Janeiro alguns meses antes de sua morte, onde relatou muito do que viu e confirmou tudo que estava no relatório e respondeu a perguntas de muitas pessoas que lotavam o auditório para ouvi-lo. Poucos meses depois dessa palestra Uirangê teria se suicidado!

    Não sei se é verdade o que falam sobre a sua morte, mas se for verdade faz-me pensar que talvez tenha se tratado de “queima de arquivo”(e que arquivo!) e não de suicídio. Porque não consigo entender como alguém que sabia de tudo aquilo e que foi àquele auditório já em idade avançada para compartilhar um pouco do que achava que todos deveriam saber depois simplesmente resolveu se suicidar? Muito estranho. Penso que talvez tenha sido apagado(por quem?) por ter divulgado o que sabia em público…

    Quem seriam estes interessados em apagá-lo? Trabalham para nosso governo? São dos EUA? Foram os ETs?

    Outra cidade que já houveram muitos avistamentos foi em Guarabira-PB, lá muitas pessoas relataram que em uma noite havia um grande OVINI cobrindo a cidade e que muitas pessoas na cidade o teriam visto. Algumas pessoas relataram a jornalistas que após a aparição de um OVINI e o consequente “falatório” sobre o fenômeno muitas pessoas SAO VISITADAS POR HOMENS VISTIDOS DE PALETÓ e que recomendando ou obrigando a que parem de divulgar o que viram! Seriam os MIBs do filme “MIBs-Homens de preto??? Hehehe

    Espero que em breve estes arquivos possam ser disponibilizados na internet, como fez a Comissão de estudos de OVINIs da França! E que saibamos a verdade, pois se estes fenômenos se tratarem de ETs, interessa a toda a humanidade e não podem/devem estar restritos a poucos “privilegiados” que podem manipular essas informações de acordo com seus interesses!

    Um abraço a todos

  70. RodrigoBR 21 de julho de 2009 at 13:25 #

    Sobre a “Operação Prato”,

    Alguns anos atrás li sobre esta operação na internet. O então capitão da aeronáutica Uirangê chefiou um grupo de militares das aeronáutica para investigar sobre os fenômenos que vinham ocorrendo nessa região do Pará, mais especificamente a cidade de Colares-PA. Dizem que Uirangê era bastante cético sobre OVNIS,etc. Não acreditou muito nos primeiros relatórios que alguns subordinados haviam feito meses antes de liderar essa operação. Só acreditou mesmo quando viu pessoalmente uma nave pairar entre 50 a 100m de distância do acampamento que montaram a beira de um rio nas proximidades de Colares. Então um dos subordinados que haviam feito os primeiros relatórios disse ao Capitão: e agora capitão,acredita em nós? Uirangê relata que “parecia que os ovnis queriam se mostrar para nós” pois teriam sido inúmeros avistamentos.

    Para que os amigos tenham uma idéia do que aconteceu na época, os militares relataram que havia se implantado o caos em Colares e região e que a população estava apavorada achando que era o fim do mundo, andavam armadas pelas ruas procurando alguma forma de se defender. Os militares teriam ido até a cidade várias vezes e investigado as vítimas. Várias pessoas teriam sido “chupadas”(fenômeno chupa-chupa) e muitos achavam que se tratavam de “vampiros”. As vítimas ficavam com um pequeno sinal no peito ou pescoço após terem sido atacadas e apresentavam os sintomas descritos no Post.

    Os integrantes da operação, sensibilizados com a situação da população e tendo eles mesmos avistado os fenômenos descritos pela população, teriam organizado um pequeno “seminário” para muitas pessoas, mostrando fotos que haviam tirado dos OVNIS e tentando acalmar a população falando um pouco do que sabiam. Também ajudaram a população a organizar uma espécie de milícia para patrulhar as ruas da cidade e se protegerem. Passados alguns dias o fenômeno teria diminuído ou cessado, então voltaram ao COMAR em Belém e escreveram os relatórios descritos na notícia.

    Uirangê teria dito quando ainda era vivo que torcia para que fossem abertos os arquivos sobre a operação, pois ele era convicto dos fenômenos que presenciou. O mais intrigante foi a sua morte…

    Dizem que já era um senhor de idade e foi a um encontro sobre ufologia em um auditório no Rio de Janeiro alguns meses antes de sua morte, onde relatou muito do que viu e confirmou tudo que estava no relatório e respondeu a perguntas de muitas pessoas que lotavam o auditório para ouvi-lo. Poucos meses depois dessa palestra Uirangê teria se suicidado!

    Não sei se é verdade o que falam sobre a sua morte, mas se for verdade faz-me pensar que talvez tenha se tratado de “queima de arquivo”(e que arquivo!) e não de suicídio. Porque não consigo entender como alguém que sabia de tudo aquilo e que foi àquele auditório já em idade avançada para compartilhar um pouco do que achava que todos deveriam saber depois simplesmente resolveu se suicidar? Muito estranho. Penso que talvez tenha sido apagado(por quem?) por ter divulgado o que sabia em público…

    Quem seriam estes interessados em apagá-lo? Trabalham para nosso governo? São dos EUA? Foram os ETs?

    Outra cidade que já houveram muitos avistamentos foi em Guarabira-PB, lá muitas pessoas relataram que em uma noite havia um grande OVINI cobrindo a cidade e que muitas pessoas na cidade o teriam visto. Algumas pessoas relataram a jornalistas que após a aparição de um OVINI e o consequente “falatório” sobre o fenômeno muitas pessoas SAO VISITADAS POR HOMENS VISTIDOS DE PALETÓ e que recomendando ou obrigando a que parem de divulgar o que viram! Seriam os MIBs do filme “MIBs-Homens de preto??? Hehehe

    Espero que em breve estes arquivos possam ser disponibilizados na internet, como fez a Comissão de estudos de OVINIs da França! E que saibamos a verdade, pois se estes fenômenos se tratarem de ETs, interessa a toda a humanidade e não podem/devem estar restritos a poucos “privilegiados” que podem manipular essas informações de acordo com seus interesses!

    Um abraço a todos

  71. Raphael Barros 21 de julho de 2009 at 13:32 #

    Alienigena existe sim mais eles tem as mesmas dificuldades de chegar aqui que a gente tem de chegar até eles ou os Aliens ainda não tem tecnologia.

    Só para se ter uma ideia a estrela mais próxima é Alpha Centauri e esta à 4.5 anos-luz de distância ou seja para chegar aqui na terra precisariam viajar 4.5 anos na velocidade da luz 300.000km/s o que é praticamente impossível para qualquer ser vivo ou mesmo máquinas.

    O Planeta que mais se parece com a terra esta à 20 anos luz de distância do nosso então lá é muito provavel que exista vida talvez eles tenham tecnologias como as nossas ou superior ou então eles não tem nada e vivem na selva.

  72. Raphael Barros 21 de julho de 2009 at 13:32 #

    Alienigena existe sim mais eles tem as mesmas dificuldades de chegar aqui que a gente tem de chegar até eles ou os Aliens ainda não tem tecnologia.

    Só para se ter uma ideia a estrela mais próxima é Alpha Centauri e esta à 4.5 anos-luz de distância ou seja para chegar aqui na terra precisariam viajar 4.5 anos na velocidade da luz 300.000km/s o que é praticamente impossível para qualquer ser vivo ou mesmo máquinas.

    O Planeta que mais se parece com a terra esta à 20 anos luz de distância do nosso então lá é muito provavel que exista vida talvez eles tenham tecnologias como as nossas ou superior ou então eles não tem nada e vivem na selva.

  73. RodrigoBR 21 de julho de 2009 at 13:44 #

    Amigos, vejam o que encontrei!

    Uma entrevista com o próprio Uirangê Hollanda sobre a operação Prato!!!! Fantástico!

    Viva a internet!!! hehehe

    1) http://www.youtube.com/watch?v=SQfAG1-q2JI

    2) http://www.youtube.com/watch?v=5wbk5TAWsyI

    3) http://www.youtube.com/watch?v=ghGnKJuFfjA

    4) http://www.youtube.com/watch?v=2rgzwwo7ngM

    Um abraço a todos! :D

  74. RodrigoBR 21 de julho de 2009 at 13:44 #

    Amigos, vejam o que encontrei!

    Uma entrevista com o próprio Uirangê Hollanda sobre a operação Prato!!!! Fantástico!

    Viva a internet!!! hehehe

    1) http://www.youtube.com/watch?v=SQfAG1-q2JI

    2) http://www.youtube.com/watch?v=5wbk5TAWsyI

    3) http://www.youtube.com/watch?v=ghGnKJuFfjA

    4) http://www.youtube.com/watch?v=2rgzwwo7ngM

    Um abraço a todos! :D

  75. X-nobe 21 de julho de 2009 at 13:56 #

    Não tenho nada contra os credulos que acreditão em discos voadores, para falar a verdade tauves eu também passe a acreditar em discos voadores, se um dia eu ver um disco voador. Mais não podemos ter uma visão aberta que nos faser perde a cabeça, tem muita gente que sabe da crença das pessoas e tenta ganhar dinheiro ou fama, ou então as duas coisas, em sima disto. Isso vai desde pessoas que forja circulos nas plantações da Inglaterra, ate quem ganha muito dinheiro com o fenomeno. O autor do livro “Eram os Deuses Astronaltas” é um exemplo disso, no documentario do progama “Arquivos Extraterrestres”, ele pegol todo o dinheiro das vendas de seus livros, e construil um grande parque tematico no meio do deserto, onde ele reprodus todas as contruções da historia humana que ele dis terem cido obras de ETs, como as piramides e templos Maia. Me parece que ele esta mais intereçado em ganhar dinheiro do que conquistar credibilidade. Só mais da teoria de que eles são nós mesmos, os humanos só que vindos do futuro. Me parece muinto mais plausivel. É COMO Bosco e Hornet disseram, acreditar em vida fora da terra não e nescessariamente acreditar em ovnis, e como disse o Alecsander, vida fora da terra não quer diser civilisação, e civilisação não quer diser exatamente paraiço tecnologico ou capacidade de viajar pelo estaço.

    Desculpem pelos erros gramaticais.

  76. X-nobe 21 de julho de 2009 at 13:56 #

    Não tenho nada contra os credulos que acreditão em discos voadores, para falar a verdade tauves eu também passe a acreditar em discos voadores, se um dia eu ver um disco voador. Mais não podemos ter uma visão aberta que nos faser perde a cabeça, tem muita gente que sabe da crença das pessoas e tenta ganhar dinheiro ou fama, ou então as duas coisas, em sima disto. Isso vai desde pessoas que forja circulos nas plantações da Inglaterra, ate quem ganha muito dinheiro com o fenomeno. O autor do livro “Eram os Deuses Astronaltas” é um exemplo disso, no documentario do progama “Arquivos Extraterrestres”, ele pegol todo o dinheiro das vendas de seus livros, e construil um grande parque tematico no meio do deserto, onde ele reprodus todas as contruções da historia humana que ele dis terem cido obras de ETs, como as piramides e templos Maia. Me parece que ele esta mais intereçado em ganhar dinheiro do que conquistar credibilidade. Só mais da teoria de que eles são nós mesmos, os humanos só que vindos do futuro. Me parece muinto mais plausivel. É COMO Bosco e Hornet disseram, acreditar em vida fora da terra não e nescessariamente acreditar em ovnis, e como disse o Alecsander, vida fora da terra não quer diser civilisação, e civilisação não quer diser exatamente paraiço tecnologico ou capacidade de viajar pelo estaço.

    Desculpem pelos erros gramaticais.

  77. RodrigoBR 21 de julho de 2009 at 14:28 #

    O vídeo “3″ da lista anterior parece nao fazer parte do conjunto dos vídeos 1,2 e 4.

    Vejam agora a maior da sacanagens que fizeram conosco e com a memória de Uirangê Hollanda, que parecia ser uma ser humano especial,assistam ao vídeo abaixo! Este vídeo parece ter sido produzido pelo mesmo usuário que divulgou os vídeos de Uirangê:

    http://www.youtube.com/watch?v=fQpa9K3wvWM

    Isso já merecia uma investigação aprofundada da PF ou ABIN! No mínimo esses supostos ufólogos (Marco Petit e outros) deveriam ser indiciados judicialmente para prestarem informações sobre sua conduta no mínimo suspeita!

    Por isso que acho fundamental que as informações já divulgadas pela Operação Prato deveriam ser divulgadas abertamente na internet e não ficar nas mãos de “supostos” ufólogos que lucram com suas revistas e vídeos!

    Espero que alguém da aeronáutica ou casa civil esteja lendo estes comentários e tome as devidas providências para que as informações sejam divulgadas abertamente e corretamente para toda a população!

    Um abraço

  78. RodrigoBR 21 de julho de 2009 at 14:28 #

    O vídeo “3″ da lista anterior parece nao fazer parte do conjunto dos vídeos 1,2 e 4.

    Vejam agora a maior da sacanagens que fizeram conosco e com a memória de Uirangê Hollanda, que parecia ser uma ser humano especial,assistam ao vídeo abaixo! Este vídeo parece ter sido produzido pelo mesmo usuário que divulgou os vídeos de Uirangê:

    Isso já merecia uma investigação aprofundada da PF ou ABIN! No mínimo esses supostos ufólogos (Marco Petit e outros) deveriam ser indiciados judicialmente para prestarem informações sobre sua conduta no mínimo suspeita!

    Por isso que acho fundamental que as informações já divulgadas pela Operação Prato deveriam ser divulgadas abertamente na internet e não ficar nas mãos de “supostos” ufólogos que lucram com suas revistas e vídeos!

    Espero que alguém da aeronáutica ou casa civil esteja lendo estes comentários e tome as devidas providências para que as informações sejam divulgadas abertamente e corretamente para toda a população!

    Um abraço

  79. Igor 21 de julho de 2009 at 14:48 #

    A questão é: Por que o governo não libera/liberou o outro montante de fotos e vídeos desse caso?

  80. Igor 21 de julho de 2009 at 14:48 #

    A questão é: Por que o governo não libera/liberou o outro montante de fotos e vídeos desse caso?

  81. RodrigoBR 21 de julho de 2009 at 14:51 #

    Mais um vídeo:

    Esse é um documentário produzido por:

    Direção: Roger Elarrat e Adriano Barroso
    Co-produção: Roger Elarrat / Floresta Vídeo / TV Cultura do Pará / Fundação Padre Anchieta – TV Cultura.

    Foi produzido para “comemorar” os 30 anos(Jul 1977-Jul 2007) das aparições em Colares-PA e foi ao ar no programa DOCTV da Tv Cultura. Foram feitas entrevistas com habitantes de Colares que vivenciaram os OVNIS, etc.

  82. RodrigoBR 21 de julho de 2009 at 14:51 #

    Mais um vídeo:

    Esse é um documentário produzido por:

    Direção: Roger Elarrat e Adriano Barroso
    Co-produção: Roger Elarrat / Floresta Vídeo / TV Cultura do Pará / Fundação Padre Anchieta – TV Cultura.

    Foi produzido para “comemorar” os 30 anos(Jul 1977-Jul 2007) das aparições em Colares-PA e foi ao ar no programa DOCTV da Tv Cultura. Foram feitas entrevistas com habitantes de Colares que vivenciaram os OVNIS, etc.

  83. RodrigoBR 21 de julho de 2009 at 14:56 #

    Nesse vídeo acima tem uma entrevista com a única vítima do fenômeno “chupa-chupa” que ainda estava viva. Tem até letras de músicas sobre o Chupa-Chupa! hehehe

  84. RodrigoBR 21 de julho de 2009 at 14:56 #

    Nesse vídeo acima tem uma entrevista com a única vítima do fenômeno “chupa-chupa” que ainda estava viva. Tem até letras de músicas sobre o Chupa-Chupa! hehehe

  85. Bosco 21 de julho de 2009 at 15:04 #

    Temos que ter em relação ao tema um pensamento crítico.
    Tendo em vista o temor que cerca nossas mentes frente aos mistérios do Universo e ao desconhecido, somos, desde os primordios da humanidade, assombrados e atormentados com a nossa aparente insignificância. A noite estrelada nos atormenta desde quando não passávamos de hominídios. Tinhamos mais medo dela que do leopardo na espreita. Já sabiamos ser diferentes e tinhamos consciência que um dia teríamos que ficar frente a frente com nossos medos. Tinhamos consciência da morte.
    Para compensar tal sentimento, criamos mecanismos mentais que nos conforta. Tais mecanismos sempre nos fez crer que somos mais do que aparentamos.
    Somos criaturas e não criadores. Mas somos os prediletos e o grande prêmio em disputa pelas colossais forças antagônicas que se degladeiam no Universo. O próprio Criador se imolou para que pudéssemos gozar da vida eterna.
    Somos mortais. Mas temos um espírito imortal que gozará de toda a eternidade em harmonia com o Universo e com seu Criador.
    A Terra era considerada o centro do Universo. Hoje, sabemos que não é. Somos um pequeno planeta orbitando uma estrela de quinta grandeza no canto de uma galáxia de porte médio. Uma dentre bilhões.
    Mas ainda assim procuramos nos céus por visitantes hávidos em nos conhecer, desejosos de terem nosso DNA, nossa água, nossa força vital.
    Como disse Ulisses no filme ‘Tróia’, até os deuses invejam a nossa centelha de vida porque a vivemos intensamente.

  86. Bosco 21 de julho de 2009 at 15:04 #

    Temos que ter em relação ao tema um pensamento crítico.
    Tendo em vista o temor que cerca nossas mentes frente aos mistérios do Universo e ao desconhecido, somos, desde os primordios da humanidade, assombrados e atormentados com a nossa aparente insignificância. A noite estrelada nos atormenta desde quando não passávamos de hominídios. Tinhamos mais medo dela que do leopardo na espreita. Já sabiamos ser diferentes e tinhamos consciência que um dia teríamos que ficar frente a frente com nossos medos. Tinhamos consciência da morte.
    Para compensar tal sentimento, criamos mecanismos mentais que nos conforta. Tais mecanismos sempre nos fez crer que somos mais do que aparentamos.
    Somos criaturas e não criadores. Mas somos os prediletos e o grande prêmio em disputa pelas colossais forças antagônicas que se degladeiam no Universo. O próprio Criador se imolou para que pudéssemos gozar da vida eterna.
    Somos mortais. Mas temos um espírito imortal que gozará de toda a eternidade em harmonia com o Universo e com seu Criador.
    A Terra era considerada o centro do Universo. Hoje, sabemos que não é. Somos um pequeno planeta orbitando uma estrela de quinta grandeza no canto de uma galáxia de porte médio. Uma dentre bilhões.
    Mas ainda assim procuramos nos céus por visitantes hávidos em nos conhecer, desejosos de terem nosso DNA, nossa água, nossa força vital.
    Como disse Ulisses no filme ‘Tróia’, até os deuses invejam a nossa centelha de vida porque a vivemos intensamente.

  87. RodrigoBR 21 de julho de 2009 at 15:28 #

    Há alguns vídeo em comentário anterior a estes últimos que está esperando moderação, nele estão 3 vídeos com Uirangê Hollanda sobre a Operação Prato! Por isso meus últimos comentários parecem estar sem sentido…

  88. RodrigoBR 21 de julho de 2009 at 15:28 #

    Há alguns vídeo em comentário anterior a estes últimos que está esperando moderação, nele estão 3 vídeos com Uirangê Hollanda sobre a Operação Prato! Por isso meus últimos comentários parecem estar sem sentido…

  89. RodrigoBR 21 de julho de 2009 at 15:30 #

    Belo comentário Bosco!

  90. RodrigoBR 21 de julho de 2009 at 15:30 #

    Belo comentário Bosco!

  91. gustavo 21 de julho de 2009 at 17:48 #

    tudo bem, não precisa acreditar no assunto, mas um capitão da força aérea confundir um OVNI com um suposto UAV daquela época já é demais!

    1.300 folhas de relatório pra descrever simples UAVs???

    pelo amor de Deus não me falem isso!

  92. gustavo 21 de julho de 2009 at 17:48 #

    tudo bem, não precisa acreditar no assunto, mas um capitão da força aérea confundir um OVNI com um suposto UAV daquela época já é demais!

    1.300 folhas de relatório pra descrever simples UAVs???

    pelo amor de Deus não me falem isso!

  93. X-nobe 21 de julho de 2009 at 18:11 #

    Tem mais uns videos sobre ets, lenadas do mundo pop, cultura, esteria e abduções.

    Estes falam sobre a nossa visão de vida fora da terra com o pasar dos tempos.

  94. Leonardo 21 de julho de 2009 at 18:35 #

    Boa noite a todos

    Faço parte daqueles como um dos colegas citou que tenho dúvidas sobre a ida do homem a Lua em 1969 até 1972, não falo que é mentira, pois seria leviano da minha parte, mas desacredito mais do que acredito.
    Agora em relação a ET’s e OVNI’s, sinceramente além de ser também seguidor da doutrina espírita Kardcista como o colega Rodrigo BR, gosto muito deste assunto, principalmente os casos da antiguidade, também sem quere misturar religião, mas há na própria Bíblia em Ezequiel Cap 1 , quem ler sem querer usar o lado da religião e sim mais da razão verá que nada mais é do que o relato de um pouso de uma nave; O profeta Elias que vôo em um barco de fogo e nunca mais retornou; há outros casos como os Súmerios com seu conhecimento avançado em astronomia e seus deuses Niburu’s; há também os indianos com o Mahabarata livro sagrado desta povo, talvez mais antigo do que a própria Bíblia, que fala das chamadas Vimanas, naves das quais se permitia viagens até no espaço, o mapa mundi do almirante turco Pires Reis que comparado aos atuais as diferenças são mínimas também usando como centro de mapa o Egito, e outras histórias antigas, já em relação a história contemporânea, os casos Roswell e Varginha, pó um balão meteorológico causaria aquele estardalhaço todo do exército americano, e o no caso Varginha também caiu nas mãos do nosso exército e os bombeiros foram retirados as pressas da situação.

    É obvio que existem muitos casos da qual não precisa ser um ufólogo de carteirinha para ver que é fraude, mas há outros sem explicação.

    A verdade está lá fora!!!!

    Um abraço a todos.

  95. Leonardo 21 de julho de 2009 at 18:35 #

    Boa noite a todos

    Faço parte daqueles como um dos colegas citou que tenho dúvidas sobre a ida do homem a Lua em 1969 até 1972, não falo que é mentira, pois seria leviano da minha parte, mas desacredito mais do que acredito.
    Agora em relação a ET’s e OVNI’s, sinceramente além de ser também seguidor da doutrina espírita Kardcista como o colega Rodrigo BR, gosto muito deste assunto, principalmente os casos da antiguidade, também sem quere misturar religião, mas há na própria Bíblia em Ezequiel Cap 1 , quem ler sem querer usar o lado da religião e sim mais da razão verá que nada mais é do que o relato de um pouso de uma nave; O profeta Elias que vôo em um barco de fogo e nunca mais retornou; há outros casos como os Súmerios com seu conhecimento avançado em astronomia e seus deuses Niburu’s; há também os indianos com o Mahabarata livro sagrado desta povo, talvez mais antigo do que a própria Bíblia, que fala das chamadas Vimanas, naves das quais se permitia viagens até no espaço, o mapa mundi do almirante turco Pires Reis que comparado aos atuais as diferenças são mínimas também usando como centro de mapa o Egito, e outras histórias antigas, já em relação a história contemporânea, os casos Roswell e Varginha, pó um balão meteorológico causaria aquele estardalhaço todo do exército americano, e o no caso Varginha também caiu nas mãos do nosso exército e os bombeiros foram retirados as pressas da situação.

    É obvio que existem muitos casos da qual não precisa ser um ufólogo de carteirinha para ver que é fraude, mas há outros sem explicação.

    A verdade está lá fora!!!!

    Um abraço a todos.

  96. kalchicov 21 de julho de 2009 at 19:11 #

    galera vamos por um fim nessa papo…oras todos nós sabemos q tudo oq o ser humano desconheçe desconheçe ele teme …e oq ele teme oq ele faz???claro q tenta destruir seguindo a linha do proprio instinto…agora veja bem vcs…imaginem q vcs sendo chefe de uma potência sendo visitado por vidas mais inteligentes e mais avançadas q as nossas??com certeza ao mesmo tempo q procurariamos nos aproximar deles com cautela ja estariamos bolando algum meio de uma possivel defesa contra os mesmo,ou até mesmo um ataque….c eles chegaram até nós antes mesmo da gente ter chegado até eles com certeza são bem mais avançados q nos tecnológicamente..e com ceretza ñ viriam apenas pra dar um “olá terraqueos!!!”

  97. kalchicov 21 de julho de 2009 at 19:11 #

    galera vamos por um fim nessa papo…oras todos nós sabemos q tudo oq o ser humano desconheçe desconheçe ele teme …e oq ele teme oq ele faz???claro q tenta destruir seguindo a linha do proprio instinto…agora veja bem vcs…imaginem q vcs sendo chefe de uma potência sendo visitado por vidas mais inteligentes e mais avançadas q as nossas??com certeza ao mesmo tempo q procurariamos nos aproximar deles com cautela ja estariamos bolando algum meio de uma possivel defesa contra os mesmo,ou até mesmo um ataque….c eles chegaram até nós antes mesmo da gente ter chegado até eles com certeza são bem mais avançados q nos tecnológicamente..e com ceretza ñ viriam apenas pra dar um “olá terraqueos!!!”

  98. Felipe Cps 21 de julho de 2009 at 19:16 #

    Jo no creo en las brujas, pero que las hay… :)

    Sério, o universo é muito grande e rico para não haver nada. Mas as distâncias interestelares são intransponíveis (ou quase, caso haja alguma parte da física que desconheçamos e que contrarie a Teoria da Relatividade Especial).

    Sendo assim, discos voadores são criações do homo sapiens, de alguma outra civilização do sistema solar que (ainda) não temos contato, ou de alguma outra civilização terráquea (lembrando que já mapeamos as superfícies de Marte e Vênus inteiras, mas há pontos do abissal oceânico ainda não mapeados).

    Abs.

  99. Felipe Cps 21 de julho de 2009 at 19:16 #

    Jo no creo en las brujas, pero que las hay… :)

    Sério, o universo é muito grande e rico para não haver nada. Mas as distâncias interestelares são intransponíveis (ou quase, caso haja alguma parte da física que desconheçamos e que contrarie a Teoria da Relatividade Especial).

    Sendo assim, discos voadores são criações do homo sapiens, de alguma outra civilização do sistema solar que (ainda) não temos contato, ou de alguma outra civilização terráquea (lembrando que já mapeamos as superfícies de Marte e Vênus inteiras, mas há pontos do abissal oceânico ainda não mapeados).

    Abs.

  100. Cor Tau 21 de julho de 2009 at 21:42 #

    Documentarios:

    Rede Globo – A Noite Oficial dos Ufos – Fantástico;

    No dia 19 de maio de 1986, madrugada de segunda para terça-feira, cerca de 21 UFOs invadiram os céus brasileiros tumultuando o tráfego aéreo do país.Os objetos foram detectados por várias estações de radares, incluindo aeroportos e o Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta), em Brasília (DF).Diante da gravidade da situação, três caças Mirage e dois caças F-5E decolaram para a operação de interceptação dos possíveis UFOs, que chegaram a causar a interrupção do tráfego aéreo em várias áreas, saturaram os radares.De acordo com as pesquisas realizadas na época pelo Instituto Nacional de Investigação de Fenômenos Aeroespaciais (INFA), muitos detalhes não divulgados puderam ser conhecidos:Os UFOs se movimentavam em altas velocidades, passando de 250 a 1.500 km/h em fração de segundos, mudavam constantemente de cor e de trajetória faziam curvas em ângulos retos, de 90°, em altíssimas velocidades , subiam, desciam, sumiam instantaneamente do radar e apareciam em outro lugar.O caça F-5E, que era seguido por 13 UFOs, fez um looping aéreo, objetivando ficar de frente com dos artefatos, mas eles também fizeram o looping aéreo atrás do avião, frustrando a intenção do piloto com a manobra.Houve também comentários entre os oficiais que diziam que um objeto veio em alta velocidade e, repentinamente, parou, de forma que ficou em rota de colisão eminente com um dos aviões e deixando o piloto completamente apavorado.Mas, logo em seguida, o artefato disparou em alta velocidade, saindo da rota de colisão iminente.A gravidade da situação foi tamanha, que obrigou o próprio Ministro da Aeronáutica na época, o então Brigadeiro Otávio Júlio Moreira Lima, a se pronunciar na imprensa, organizando inclusive uma coletiva onde os próprios pilotos ficaram disponíveis para dar entrevistas.Um fato histórico para a Ufologia brasileira: pela primeira vez, oficialmente, era admitido publicamente que vários UFOs invadiram o espaço aéreo do Brasil.

    http://www.youtube.com/watch?v=rtXyDIg-y7E

    ~~

    Eram os Deuses Astronautas? (Esse é o documentario-Leiam os livros tambem se tiverem interesse no assunto)

    Publicado em 1968, o livro Eram os Deuses Astronautas? bateu, em pouco tempo, recordes de vendas em 38 países, com cerca de 7 milhões de cópias vendidas em todo o mundo. Com locações em diversos países, este filme mostra os fundamentos deste marco da ufologia.O escritor Erich Von Däniken procura provar, por meio de descobertas arqueológicas e textos sagrados, que todos os deuses das antigas civilizações eram, na verdade, extraterrestres. Viaje junto com o autor por locais fascinantes, como as pistas de Nazca, as ruínas Maias e Astecas, a Ilha de Páscoa e as pirâmides do Egito.

    http://www.youtube.com/watch?v=llPmqXAj-Rc

    ~~

    Operação Prato – “O Caso Roswell Brasileiro”;

    Exibido pelo History Channel na série Arquivos Extraterrestres, o documentário “O Caso Roswell Brasileiro” mostra um caso clássico da ufologia nacional (nada a ver com o título “O Caso Roswell Brasileiro”). Considerada uma das mais impressionantes ondas ufológicas de nosso país, o fenômeno Chupa-Chupa corresponde a objetos luminosos aéreos que atacavam populares na Amazônia, principalmente no segundo semestre de 1977, atingindo-os com potentes feixes de luz que muitos afirmavam sugar o sangue. Esses UFOs sobrevoavam preferencialmente as pequenas comunidades litorâneas e rurais.

    http://www.youtube.com/watch?v=XDzIHk1sA_8

    ~~

    Segredos de OVNIs das Caixas Pretas;

    Da Série “Arquivos Extraterrestres” do “The History Channel”

    http://www.youtube.com/watch?v=gc0R_rapV68

    http://www.youtube.com/watch?v=Ys0wYPE_Ohk

    http://www.youtube.com/watch?v=k2zaMq5xNMg

    http://www.youtube.com/watch?v=0YN31z_J0r8

    ~~

    Military Helicopters Intercept UFO at crop circle England;

    http://www.youtube.com/watch?v=vpav_VSqhUE

    ~~

    Chupa-Chupa: a história que veio do Céu;

    Exibido pela TV CULTURA na série “DOCTV”, este documentário aborda um clássico da ufologia brasileira a partir da Ilha de Colares. Considerada uma das mais impressionantes ondas ufológicas de nosso país, o fenômeno Chupa-Chupa corresponde a objetos luminosos aéreos que atacavam populares na Amazônia, principalmente no segundo semestre de 1977, atingindo-os com potentes feixes de luz que muitos afirmavam sugar o sangue. Esses UFOs sobrevoavam preferencialmente as pequenas comunidades litorâneas e rurais.Direção: Roger Elarrat e Adriano Barroso
    Co-produção: Roger Elarrat / Floresta Vídeo / TV Cultura do Pará / Fundação Padre Anchieta – TV Cultura

    http://www.youtube.com/watch?v=ex138VftpC4

    ~~

    Operação Prato – Linha Direta Mistério;

    O fenômeno, segundo relato das vítimas, emitia um feixe luminoso, que as deixava em estado de inanição. A população apelidou o misterioso movimento de luzes de “Chupa-chupa”, pois havia a crença de que o feixe luminoso sugava o sangue das pessoas. Assustadas e desprotegidas, muitas famílias optaram pela fuga. Porém, parte da população decidiu enfrentar o desconhecido. Os moradores armaram-se com paus, pedras, velhas espingardas e terçados e passavam as noites em vigília, aguardando a aparição das luzes. Para tentar evitar a aproximação do objeto, acendiam fogueiras, batiam em latas, apitavam e soltavam fogos de artifício. Impotentes diante de tanta desordem, os prefeitos da região pediram ajuda às Forças Armadas. Daí surgiu a misteriosa Operação Prato. A missão era sigilosa e durou oficialmente apenas quatro meses. O cancelamento, sem qualquer tipo de explicação, frustrou o então capitão Uyrangê Bolívar Soares de Hollanda Lima e sua equipe, que estavam, na opinião deles, obtendo avanços notáveis. Segundo Hollanda, os militares não viram apenas luzes, mas naves espaciais gigantescas, que teriam sido filmadas e fotografadas pela equipe. Em outubro de 1997, Hollanda, então coronel reformado, supostamente suicido-se no Rio de Janeiro, enforcando-se com o cordão do seu roupão. Sua estranha morte é mais um ingrediente misterioso dessa fantástica história

  101. Cor Tau 21 de julho de 2009 at 21:42 #

    Documentarios:

    Rede Globo – A Noite Oficial dos Ufos – Fantástico;

    No dia 19 de maio de 1986, madrugada de segunda para terça-feira, cerca de 21 UFOs invadiram os céus brasileiros tumultuando o tráfego aéreo do país.Os objetos foram detectados por várias estações de radares, incluindo aeroportos e o Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta), em Brasília (DF).Diante da gravidade da situação, três caças Mirage e dois caças F-5E decolaram para a operação de interceptação dos possíveis UFOs, que chegaram a causar a interrupção do tráfego aéreo em várias áreas, saturaram os radares.De acordo com as pesquisas realizadas na época pelo Instituto Nacional de Investigação de Fenômenos Aeroespaciais (INFA), muitos detalhes não divulgados puderam ser conhecidos:Os UFOs se movimentavam em altas velocidades, passando de 250 a 1.500 km/h em fração de segundos, mudavam constantemente de cor e de trajetória faziam curvas em ângulos retos, de 90°, em altíssimas velocidades , subiam, desciam, sumiam instantaneamente do radar e apareciam em outro lugar.O caça F-5E, que era seguido por 13 UFOs, fez um looping aéreo, objetivando ficar de frente com dos artefatos, mas eles também fizeram o looping aéreo atrás do avião, frustrando a intenção do piloto com a manobra.Houve também comentários entre os oficiais que diziam que um objeto veio em alta velocidade e, repentinamente, parou, de forma que ficou em rota de colisão eminente com um dos aviões e deixando o piloto completamente apavorado.Mas, logo em seguida, o artefato disparou em alta velocidade, saindo da rota de colisão iminente.A gravidade da situação foi tamanha, que obrigou o próprio Ministro da Aeronáutica na época, o então Brigadeiro Otávio Júlio Moreira Lima, a se pronunciar na imprensa, organizando inclusive uma coletiva onde os próprios pilotos ficaram disponíveis para dar entrevistas.Um fato histórico para a Ufologia brasileira: pela primeira vez, oficialmente, era admitido publicamente que vários UFOs invadiram o espaço aéreo do Brasil.

    ~~

    Eram os Deuses Astronautas? (Esse é o documentario-Leiam os livros tambem se tiverem interesse no assunto)

    Publicado em 1968, o livro Eram os Deuses Astronautas? bateu, em pouco tempo, recordes de vendas em 38 países, com cerca de 7 milhões de cópias vendidas em todo o mundo. Com locações em diversos países, este filme mostra os fundamentos deste marco da ufologia.O escritor Erich Von Däniken procura provar, por meio de descobertas arqueológicas e textos sagrados, que todos os deuses das antigas civilizações eram, na verdade, extraterrestres. Viaje junto com o autor por locais fascinantes, como as pistas de Nazca, as ruínas Maias e Astecas, a Ilha de Páscoa e as pirâmides do Egito.

    ~~

    Operação Prato – “O Caso Roswell Brasileiro”;

    Exibido pelo History Channel na série Arquivos Extraterrestres, o documentário “O Caso Roswell Brasileiro” mostra um caso clássico da ufologia nacional (nada a ver com o título “O Caso Roswell Brasileiro”). Considerada uma das mais impressionantes ondas ufológicas de nosso país, o fenômeno Chupa-Chupa corresponde a objetos luminosos aéreos que atacavam populares na Amazônia, principalmente no segundo semestre de 1977, atingindo-os com potentes feixes de luz que muitos afirmavam sugar o sangue. Esses UFOs sobrevoavam preferencialmente as pequenas comunidades litorâneas e rurais.

    ~~

    Segredos de OVNIs das Caixas Pretas;

    Da Série “Arquivos Extraterrestres” do “The History Channel”

    ~~

    Military Helicopters Intercept UFO at crop circle England;

    ~~

    Chupa-Chupa: a história que veio do Céu;

    Exibido pela TV CULTURA na série “DOCTV”, este documentário aborda um clássico da ufologia brasileira a partir da Ilha de Colares. Considerada uma das mais impressionantes ondas ufológicas de nosso país, o fenômeno Chupa-Chupa corresponde a objetos luminosos aéreos que atacavam populares na Amazônia, principalmente no segundo semestre de 1977, atingindo-os com potentes feixes de luz que muitos afirmavam sugar o sangue. Esses UFOs sobrevoavam preferencialmente as pequenas comunidades litorâneas e rurais.Direção: Roger Elarrat e Adriano Barroso
    Co-produção: Roger Elarrat / Floresta Vídeo / TV Cultura do Pará / Fundação Padre Anchieta – TV Cultura

    ~~

    Operação Prato – Linha Direta Mistério;

    O fenômeno, segundo relato das vítimas, emitia um feixe luminoso, que as deixava em estado de inanição. A população apelidou o misterioso movimento de luzes de “Chupa-chupa”, pois havia a crença de que o feixe luminoso sugava o sangue das pessoas. Assustadas e desprotegidas, muitas famílias optaram pela fuga. Porém, parte da população decidiu enfrentar o desconhecido. Os moradores armaram-se com paus, pedras, velhas espingardas e terçados e passavam as noites em vigília, aguardando a aparição das luzes. Para tentar evitar a aproximação do objeto, acendiam fogueiras, batiam em latas, apitavam e soltavam fogos de artifício. Impotentes diante de tanta desordem, os prefeitos da região pediram ajuda às Forças Armadas. Daí surgiu a misteriosa Operação Prato. A missão era sigilosa e durou oficialmente apenas quatro meses. O cancelamento, sem qualquer tipo de explicação, frustrou o então capitão Uyrangê Bolívar Soares de Hollanda Lima e sua equipe, que estavam, na opinião deles, obtendo avanços notáveis. Segundo Hollanda, os militares não viram apenas luzes, mas naves espaciais gigantescas, que teriam sido filmadas e fotografadas pela equipe. Em outubro de 1997, Hollanda, então coronel reformado, supostamente suicido-se no Rio de Janeiro, enforcando-se com o cordão do seu roupão. Sua estranha morte é mais um ingrediente misterioso dessa fantástica história

  102. paulistinha 22 de julho de 2009 at 0:55 #

    Bem, vou deixar minha humilde opinião sobre o assunto que talvés choque alguns foristas.
    Quanto ao fenomeno OVNI, eles REALMENTE EXISTEM, como comprovado por vários documentos oficiais ultimamente divulgados por vários países.
    Mas o que seriam esses fenomenos…
    Exatamente o que a sigla diz “Objetos Voadores não indentificados”, agora atribuir esses fenomenos a vida extraterrestre já vai uma grande distancia.
    São fenomenos não compreendidos, que podem ser desde ocorrencias meterologicas não conhecidas, como também UAVS experimentais, entre outros.

    Abraços

  103. paulistinha 22 de julho de 2009 at 0:55 #

    Bem, vou deixar minha humilde opinião sobre o assunto que talvés choque alguns foristas.
    Quanto ao fenomeno OVNI, eles REALMENTE EXISTEM, como comprovado por vários documentos oficiais ultimamente divulgados por vários países.
    Mas o que seriam esses fenomenos…
    Exatamente o que a sigla diz “Objetos Voadores não indentificados”, agora atribuir esses fenomenos a vida extraterrestre já vai uma grande distancia.
    São fenomenos não compreendidos, que podem ser desde ocorrencias meterologicas não conhecidas, como também UAVS experimentais, entre outros.

    Abraços

  104. Igor 22 de julho de 2009 at 1:36 #

    ” A Noite OFICIAL dos UFOS ” daria um belo documentário, quem sabe feito pelos ufos hunters, apesar da denúncia de eles ocultarem informações.

  105. Igor 22 de julho de 2009 at 1:36 #

    ” A Noite OFICIAL dos UFOS ” daria um belo documentário, quem sabe feito pelos ufos hunters, apesar da denúncia de eles ocultarem informações.

  106. RodrigoBR 22 de julho de 2009 at 2:11 #

    Mais um depoimento, agora de um Capitão de Mar e Guerra da Marinha do Brasil!

  107. RodrigoBR 22 de julho de 2009 at 2:11 #

    Mais um depoimento, agora de um Capitão de Mar e Guerra da Marinha do Brasil!

  108. Leonardo 22 de julho de 2009 at 9:18 #

    Bom dia a todos

    Perdoe-me os colegas que não acreditam, mas UAV’s experimentais? Se explicarem como ocorrem nos relatos de pessoas sérias como os descritos por pilotos da nossa FAB a respeito de manobras em que um objeto muda de trajetória em ângulos de 90° ou até mesmo mais elevados, e saem de velocidades baixa para alta e vice-versa em frações de segundo? Pois, se há algum ser vivo que seja feito de carne e osso como nós humanos, no mínimo eles tem alto domínio da forças gravitacionais, pois essas tais espaçonaves tem que ter cabines ou cockpit’s ou mesmo toda ela serem anti-gravitacional, pois um ser vivo de consistência física no mínimo parecida com a nossa morreria esmagado.

    Quanto aos supostos UAV’s, sinceramente mesmo que tenha estruturas que suporte tais manobras, o que sinceramente acho muito difícil que exista em nosso atual estágio de desenvolvimento, mesmo levando-se em conta que existam mísseis que suportam pelo menos 60 G’s ou pouco mais, há uma grande diferença entre suportar altos G’s das quais sem mantêm de alguma forma uma aceleração que permanece quase o tempo todo constante, mesmo havendo algumas variações estas não são tão brutais como as relatadas nos tais avistamentos.
    Suportar acelerações e desacelerações em frações de segundos em muitos casos até a completa parada e novamente acelerar a velocidades incríveis? Se existe algum engenho com tal capacidade feito pelo homem, peço a gentileza de me informarem o que é, como é, e onde posso realizar algum tipo de pesquisa na internet , livros e revista, assim como ver alguns vídeos com as tais evoluções por este artefato realizadas!?

    Por mais avançada que seja a tecnologia atual, ainda não acredito nem mesmo que os sensores eletrônicos suportem tais acelerações e desacelerações, mas….? A não ser que o homem de forma secreta já tenha algum domínio sobre a anti-gravidade, há outro fator a ser levado em conta os motores, que na maioria dos relatos não emitem som, pergunto mais uma vez há também explicação?
    Quanto a fenômenos meteorológicos, os que podem ser confundidos de alguma forma são as chamadas “nuvens lenticulares”, que às vezes tomam formas discoidais, para um desavisado a primeira impressão pode parecer um disco voador, há também os chamados raios em forma de “bola” que ocorrem em alguns tipos de tempestades, estes também podem ser confundidos com OVNI’s, porém um fenômeno meteorológico que acompanha um caça em uma manobra faz curvas em ângulos impossíveis, e mais, “por vontade própria” é um pouco difícil de aceitar, também não podemos considerar como “alucinação coletiva”, pois tais objetos apareceram em nossos radares, e fatos parecidos com estes já ocorreram em outras ocasiões em outras partes do mundo, então….

    Bom, quero deixar bem claro que são minhas opiniões pessoais, não sou especialista, mas como disse em meu post anterior, há fatos que são inexplicáveis.

    E mais uma vez: A verdade está lá fora!!!!

    Um abraço a todos.

  109. Leonardo 22 de julho de 2009 at 9:18 #

    Bom dia a todos

    Perdoe-me os colegas que não acreditam, mas UAV’s experimentais? Se explicarem como ocorrem nos relatos de pessoas sérias como os descritos por pilotos da nossa FAB a respeito de manobras em que um objeto muda de trajetória em ângulos de 90° ou até mesmo mais elevados, e saem de velocidades baixa para alta e vice-versa em frações de segundo? Pois, se há algum ser vivo que seja feito de carne e osso como nós humanos, no mínimo eles tem alto domínio da forças gravitacionais, pois essas tais espaçonaves tem que ter cabines ou cockpit’s ou mesmo toda ela serem anti-gravitacional, pois um ser vivo de consistência física no mínimo parecida com a nossa morreria esmagado.

    Quanto aos supostos UAV’s, sinceramente mesmo que tenha estruturas que suporte tais manobras, o que sinceramente acho muito difícil que exista em nosso atual estágio de desenvolvimento, mesmo levando-se em conta que existam mísseis que suportam pelo menos 60 G’s ou pouco mais, há uma grande diferença entre suportar altos G’s das quais sem mantêm de alguma forma uma aceleração que permanece quase o tempo todo constante, mesmo havendo algumas variações estas não são tão brutais como as relatadas nos tais avistamentos.
    Suportar acelerações e desacelerações em frações de segundos em muitos casos até a completa parada e novamente acelerar a velocidades incríveis? Se existe algum engenho com tal capacidade feito pelo homem, peço a gentileza de me informarem o que é, como é, e onde posso realizar algum tipo de pesquisa na internet , livros e revista, assim como ver alguns vídeos com as tais evoluções por este artefato realizadas!?

    Por mais avançada que seja a tecnologia atual, ainda não acredito nem mesmo que os sensores eletrônicos suportem tais acelerações e desacelerações, mas….? A não ser que o homem de forma secreta já tenha algum domínio sobre a anti-gravidade, há outro fator a ser levado em conta os motores, que na maioria dos relatos não emitem som, pergunto mais uma vez há também explicação?
    Quanto a fenômenos meteorológicos, os que podem ser confundidos de alguma forma são as chamadas “nuvens lenticulares”, que às vezes tomam formas discoidais, para um desavisado a primeira impressão pode parecer um disco voador, há também os chamados raios em forma de “bola” que ocorrem em alguns tipos de tempestades, estes também podem ser confundidos com OVNI’s, porém um fenômeno meteorológico que acompanha um caça em uma manobra faz curvas em ângulos impossíveis, e mais, “por vontade própria” é um pouco difícil de aceitar, também não podemos considerar como “alucinação coletiva”, pois tais objetos apareceram em nossos radares, e fatos parecidos com estes já ocorreram em outras ocasiões em outras partes do mundo, então….

    Bom, quero deixar bem claro que são minhas opiniões pessoais, não sou especialista, mas como disse em meu post anterior, há fatos que são inexplicáveis.

    E mais uma vez: A verdade está lá fora!!!!

    Um abraço a todos.

  110. paulistinha 22 de julho de 2009 at 15:34 #

    Leonardo

    Da uma olhada neste vídeo (tah bom, não é um UAV verdadeiro, mas mostra como objetos não tripulados podem fazer manobras extremamente bruscas):

    http://www.youtube.com/watch?v=5bFLSaeoQs4&feature=related

    Veja também este link (Boeing financia projeto antigravidade em segredo):

    http://www.bbc.co.uk/portuguese/ciencia/020729_boiengcs.shtml

    (Este pela Agência Espacial Européia ESA)

    http://www.ceticismoaberto.com/news/?p=716

    PESQUISA DE ANTIGRAVIDADE
    Gaston Burridge

    Thomas Townsend Brown tem feito voar estranhos discos voadores de metal construídos com seu design secreto e faz isso por mais de 30 anos – alguns são bem grandes com até 30 polegadas (75 centímetros de diâmetro!).
    Na maioria das vezes, Brown tem feito esses discos voarem no ar comum. Amarrados a um mastro ou poste esses objetos finos como dois pratos sobrepostos circulam ao redor do mastro em vôo livre.
    Enquanto voam, ouve-se apenas um leve zumbido. No escuro brilham com uma estranha luz cor de lavanda revelando que o que os move é uma espécie de eletricidade.
    Muitos cientistas e engenheiros já viram esses discos voar. Eles ficam até com a respiração alterada mas dizem que a força que faz os discos de Brown voarem é o que qualquer estudante de física de 2º grau sabe – “Vento elétrico” – e que Brown não descobriu nenhum novo princípio!
    Um engenheiro me disse: “Esse negócio é tão louco que eu nem quero falar sobre isso!”. Outro falou: “O aparelho é apenas um décimo de um por cento eficiente”. Ambas as declarações são incorretas! A maioria dos outros engenheiros levanta objeções à falta de substanciação matemática apresentada por Brown. Para engenheiros e cientistas uma equação vale por mil palavras!
    Mas mesmo uma equação é quase inútil, a menos que tenha valores designados para pelo menos algumas de suas partes principais. Não estando isto disponível de um ponto de vista técnico, parece que Brown está andando em cima de pernas de palha, ou seja, não tem nenhuma base.
    Acontece que Brown foi à França participar de um programa de pesquisa patrocinado pelo governo francês, ocasião em que a Air France fez voar com sucesso alguns discos feitos por ele, no ALTO VÁCUO!
    E isto eliminou a possibilidade de “vento elétrico” como era discutido anteriormente! Estes testes foram realizados em segredo e, porque foram feitos numa nação estrangeira, seus resultados continuam confidenciais.
    Uma por uma, começam a aparecer, saindo do porão, as cabeças de engenheiros e cientistas americanos. Admite-se silenciosamente, agora, que talvez Brown tenha mesmo inventado alguma coisa!
    Uma coisa que agora ele tem e que não tinha antes, é um patrocinador! Talvez seja esta a razão das cabeças aparecerem. Não há nada como ter costas quentes financeiras.
    O que significa essa invenção de Brown? Outro tipo, espécie ou plano de vôo em alta velocidade tanto dentro da nossa atmosfera como no espaço exterior!
    Como comparar essa força motriz com motores de foguetes e de aviões a jato atuais? Claro que não podemos afirmar ainda, mas não há nada que impeça os métodos de Brown de competir e levar vantagem sobre eles. Esse método tem “potenciais antigravidade” definidos, coisa que os foguetes e os jatos não têm. Por uma questão de patente industrial muitos detalhes do sistema Brown são pulados aqui, mas parece que ele não vai ser um item pequeno no quadro geral dos vôos espaciais.
    Desde 1923, Brown e sua família gastaram cerca de US$ 250.000 do próprio bolso em experiências e pesquisas dos mistérios desse estranhíssimo fenômeno que é o “Efeito Biefeld-Brown”. A literatura sobre eletricidade contém pouca coisa sobre o assunto, principalmente porque Brown tem mantido essa informação bastante segura e não escreveu nada sobre isso, nem cientificamente. Ninguém parece mais inclinado a pesquisar o assunto. E também as publicações científicas americanas não são abertas às poucas idéias que se originam de pessoas ligadas a grandes universidades ou laboratórios de pesquisas comerciais.
    Quem me falou pela primeira vez de Townsend Brown e seu Efeito Biefeld-Brown foi Arlin C. Hauser, um designer e construtor de instrumentos técnicos de precisão de Pasadena, que não subestima uma idéia porque ela é “nova”. Hauser me deu uma cópia da monografia intitulada “UMA EXPLICAÇÃO SIMPLIFICADA DA APLICAÇÃO DO EFEITO BIEFELD-BROWN PARA A SOLUÇÃO DOS PROBLEMAS DE NAVEGAÇÃO ESPACIAL”. Esta monografia foi publicada pelo Dr. Mason Rose, presidente da Universidade para a Pesquisa Social, Los Angeles, mas na verdade escrita, eu soube depois, por Bradford Shank, um cientista nuclear de Los Alamos, agora engajado num trabalho de engenharia para um fabricante de válvulas de aviões de Los Angeles.
    Algumas das informações contidas nessa monografia fizeram tocar um sininho na minha memória. Entre 1919 e 1925 eu era um rapaz que vagava num laboratório fazendo pesquisas com correntes alternadas de alta voltagem e alta freqüência. Estávamos lidando com milhões de volts a 750.000 ciclos por segundo! Um novo tipo de condensador elétrico havia sido construído e estava para ser testado. Ele já estava ligado ao circuito, mas ainda não aparafusado – era muito pesado.
    O diretor estava ao lado da caixa de força; o resto de nós, a uma respeitosa distância. A chave foi ligada. Houve um zumbido, um flash de luz verde e púrpura, um estouro alto e o novo condensador se sacudiu e retorceu virando uma ruína fumegante! O diretor disse: “Cavalheiros, nosso bebê cresceu”!
    É essa movimentação de um condensador elétrico que é a essência do Efeito Biefeld-Brown. Esse movimento faz o efeito de força antigravidade!
    O Efeito Biefeld-Brown diz que um condensador elétrico, quando carregado, MOVE-SE EM DIREÇÃO ao seu pólo positivo e permanece assim posicionado ATÉ SER DESCARREGADO, se estiver livre para isso, não importando QUAL PÓLO ou QUE LADO do dielétrico é positivo.
    Esse movimento não contraria a clássica “lei” que indica que cada ação traz consigo igual reação. A reação, como na gravitação, está presente, MAS NÃO ÓBVIA. A reação é um pequeno movimento finito mas desvanescente de toda a matéria no Universo. Mas as massas mais próximas são afetadas primeiro mais intensamente.
    O efeito foi inicialmente observado quando as placas do condensador estavam carregadas com uma CORRENTE CONTÍNUA. Mas a experiência descrita acima, que foi observada em seguida durante outras provas, indica que algo do mesmo fenômeno está presente quando condensadores são carregados com correntes ALTERNADAS também – mas provavelmente de modo não tão eficaz ou duradouro.
    Enquanto esse MOVIMENTOS do condensador de corrente alternada foram notados naquela hora, especialmente quando os condensadores foram inicialmente carregados após uma longa e completa descarga, os que conduziam a pesquisa acreditaram, então, que os movimentos eram devidos a ajustes de ressonância dentro do aparelho pelas correntes de alimentação de 60 ciclos. Assim, esse fenômeno, embora notado, nunca foi investigado pelo grupo no qual eu estava.
    Esse movimento do condensador acredita-se ter sido inicialmente percebido e examinado pelo Dr. Paul Alfred Biefeld, professor de física e astronomia da Denison University, em Granville, Ohio, em alguma ocasião antes de 1923.
    Entretanto, uma pesquisa nos registros científicos da Denison University, por ela mesma publicados, não indica que o Dr. Biefeld tenha escrito algo relacionado a essa descoberta enquanto ele estava lá. O Dr. Lawrence Biefeld, filho do Dr. Paul Alfred Biefeld, me escreveu que não se lembra de seu pai ter mencionado a descoberta de tal efeito. Entretanto, Bradford Shank, ligado intimamente as várias fases da Fundação Townsend Brown e seu trabalho por vários anos, conta que o Dr. Biefeld iniciou a pesquisa do Efeito e orientou o então estudante da Denison University, Townsend Brown, em seu prematuro interesse pela matéria.
    Embora o Efeito possa ter sido reconhecido inicialmente pelo Dr. Biefeld, a maior parte da pesquisa e todas as aplicações práticas advindas dela foram conduzidas por Brown – a maioria às suas próprias custas, por um período de mais de 30 anos.
    Aparentemente o Efeito recebeu esse nome de alguém que escreveu um relatório sobre o assunto. Mas não fosse pela grande dedicação e pesquisa de Townsend Brown este Efeito poderia ter permanecido sem registro e também inexplorado.
    Evidências indicam que o Universo inteiro, desde os maiores sistemas estelares e seus planetas até os menores átomos e suas partes – hidrogênio – opera com três forças básicas: eletricidade, magnetismo e gravitação. Estas três forças podem ser inteiramente separadas e diferentes da mesma força, uma força universal que ainda não conseguimos distinguir como tal.
    Desconsiderando isso, conhecemos a relação entre eletricidade e magnetismo e sabemos que essa relação é causada e mantida por uma simples bobina de fio.
    É bem possível, pelo Efeito Biefeld-Brown, que tenhamos chegado à relação entre eletricidade e gravitação, uma relação sendo causada e mantida através de um simples condensador elétrico!
    Se cada uma dessas três forças é considerada separadamente, encontramos pouco valor prático em qualquer delas. É apenas através da combinação de duas, e talvez mais, que começamos a usá-las.
    À parte as pesquisas do Efeito Biefeld-Brown realizadas por Brown, a ciência não tem feito praticamente nada para desenvolver a relação entre eletricidade e gravitação.
    A maioria dos cientistas hoje admitirão que um fraco efeito acoplador existe entre gravidade e eletricidade mas negarão qualquer uso prático disso!
    Permanecendo quase sozinho nesta convicção, Brown manteve sua posição em relação ao assunto de maneira teimosa, fiel e devotada. Se um simples condensador elétrico de duas placas é suspenso por uma corda de tal modo que permita completa liberdade de movimento em qualquer direção exceto para baixo, claro, e esse condensador está carregado com quantidade apropriada e pressão da corrente elétrica, então ele vai oscilar em direção do lado que tem carga positiva.
    Se o mesmo condensador é descarregado, os fios positivo e negativo trocados e conectados de maneira oposta, quando recarregado vai balançar em direção oposta.
    Se o condensador é colocado ao lado de um feixe equilibrado, um peso suficiente oposto a ele para continuar o equilíbrio e se o pólo positivo está apontado para cima, quando o condensador estiver carregado o peso no lado oposto do feixe cairá e o condensador inteiro subirá!
    Isto mostra que algum “peso” do condensador foi aliviado. Se o pólo positivo agora for invertido, quando o condensador for outra vez recarregado o peso no lado oposto do feixe será levantado! Isto ilustra a afetação gravitacional.
    Este é o Efeito Biefeld-Brown. Até onde é conhecido hoje, é o único método de afetar o campo gravitacional eletricamente. Entretanto, há aparentemente em andamento vários outros programas de pesquisa tentando estabelecer uma relação eletro-gravítica.
    Um dos mistérios desse efeito é que ele parece ser afetado pelo tempo! O tempo não passa com o efeito completamente, mas parece minimizá-lo temporariamente. Isto foi notado inicialmente por Brown durante experiências em salas fechadas.
    Ele observava os discos através de um telescópio fora da sala e viu que após certo tempo os discos não balançavam tão longe como inicialmente, em qualquer direção, com a mesma carga elétrica. Eu soube por Shank que isto chegou a ser discutido com Albert Einstein, mas o que Einstein disse continua desconhecido para mim.
    O fenômeno pode ser explicado pelo colapso das estruturas atômicas sutis no material dielétrico, ou no material das placas, ou em ambos. Após um tempo em seguida à descarga completa, estas avarias se auto consertam.
    A intensidade de ação do Efeito Biefeld-Brown é determinada por cinco fatores. A intensidade final possivelmente não pode ser obtida por uso combinado dos cinco fatores – cada um separadamente no seu máximo. Há que ser feito um compromisso. Mas isso não é uma grande desvantagem como pode parecer, a princípio, pois permitirá um quase infinito arranjo de fatores em qualquer disco ou nave. A melhor combinação desses fatores então pode ser escolhida e aplicada a uma grande variedade de condições práticas que certamente surgirão no cotidiano aeronáutico ou de vôo espacial.
    1) PROXIMIDADE DAS PLACAS
    O primeiro fator regulador da intensidade do Efeito é controlado pela proximidade em que as placas do condensador são ajustadas. Se a pressão de carga – ou voltagem – é alta, então as placas deverão estar mais afastadas do que em voltagens baixas – usando o mesmo dielétrico. Se for necessário carregar o condensador rapidamente é preciso uma voltagem mais alta do que se fosse usado mais tempo. Daí, quanto mais perto estiverem as placas, maior será o ganho do Efeito – em outras circunstâncias permanecerá o mesmo.
    2) CONSTANTE DIELÉTRICA
    O segundo fator é a capacidade do material escolhido como dielétrico de armazenar energia elétrica. Há muitos tipos de dielétricos: vidro, mica, borracha, papel, baquelite, ar, cerâmica e muitos plásticos. Um dielétrico é qualquer material que se oponha ao fluxo de uma corrente elétrica como uma “pressão elástica”. É como apertar de uma bola de borracha macia. Os músculos da sua mão representam a voltagem elétrica. Eles apertam os lados da bola juntos. Os lados permanecem apertados até que os músculos relaxem a pressão e aí saltam de volta para sua forma original. Um dielétrico absorverá uma carga elétrica até atingir sua capacidade. Daí, ele ou mantém essa carga enquanto a força da carga estiver presente, ou ele sofre uma ruptura e a pressão escapa, ou ainda se a pressão de carga ele se descarrega no circuito de carga. Nesse último caso pode ser diabólico! Alguns dielétricos são capazes de absorver uma quantidade de energia elétrica se esta energia for aplicada lentamente com uma pressão moderada, mas se romperão se obrigados a agir rapidamente. Outros dielétricos como vidro sem chumbo, podem ser carregados e descarregados milhares de vezes por segundo e altas pressões. A medida de habilidade dielétrica é chamada o “K” do material. Quanto maior o K, maior é o efeito Biefeld-Brown.
    3) INTENSIDADE
    Um terceiro fator para criar a intensidade do Efeito é a área das placas de carga do dielétrico. Os discos funcionam pelas bordas e quanto maior a sua área, maior o Efeito obtido.
    4) VOLTAGEM
    O quarto fator tem a ver com a voltagem, ou pressão usada para carregar as placas do condensador. Maior a voltagem, maior o Efeito. E ainda, quanto maior a voltagem, menos tempo leva para carregar um dado tamanho de condensador. Mas a voltagem não pode ser tão alta a ponto de perfurar o dielétrico, pois o condensador ficaria temporária ou permanentemente arruinado, dependendo da sua capacidade de “curar-se”. Dielétricos sólidos não podem se refazer. Os líquidos conseguem isso quase sempre que imediatamente após serem perfurados.
    5) MASSA (ÁREA DE SUPERFÍCIE)
    O quinto e último fator é a massa do dielétrico. Quanto maior a massa, maior o efeito.
    Esses pontos são todos importantes. Deixam claro que, por um arranjo elétrico não muito complicado, que permita a mudança de muitas posições de pólos positivos à vontade, é possível controlar um veículo astronautico.
    Uma vez que um círculo contém um número maior de unidades quadradas de superfície para uma dada dimensão, parece óbvio que um veículo chato, em forma de disco poderia usar esse tipo de campo de energia com grandes vantagens. Ele seria carregado diferentemente dos pequenos modelos de experiência porque levaria a bordo seus próprios equipamentos para carga.
    A energia de entrada de alguns modelos testados na Califórnia há bastante tempo era cerca de 50 watts, o mesmo que uma pequena lâmpada.
    O peso dessas unidades era de aproximadamente 1200 gramas. A eficiência da propulsão era de 2%. A menos que descobertas científicas o contrariem, devemos assumir que a voltagem de eletricidade atmosférica sobe com o aumento da distância da superfície terrestre.
    A baixas altitudes chegamos às vezes a registrar um aumento de 100 volts para cada três pés (+ ou – 1 metro) de elevação. Mas esse incremento também aumenta com a altitude. Acredita-se que na ionosfera pode ocorrer um potencial de 100 volts dentro de apenas 4 polegadas (+ ou – 10,16 cm)!
    Mesmo que um veículo em forma de disco possa ser relativamente fino comparado ao seu diâmetro, ainda assim ele seria muitas vezes mais grosso que 10 cm. Daí ele estaria sujeito a tremendos diferenciais de pressão elétrica externa sobre as dimensões de suas extremidades.
    Como isso afetaria o Efeito Biefeld-Brown – ou qualquer veículo movido a eletricidade? Alguns dizem que não afetaria nada. Outros vêem como uma barreira considerável.
    Dispositivos antigravidade estão sendo experimentados em várias direções. Quando eles se tornarem viáveis, um horizonte totalmente novo se descortinará para a humanidade.

  111. paulistinha 22 de julho de 2009 at 15:34 #

    Leonardo

    Da uma olhada neste vídeo (tah bom, não é um UAV verdadeiro, mas mostra como objetos não tripulados podem fazer manobras extremamente bruscas):

    Veja também este link (Boeing financia projeto antigravidade em segredo):

    http://www.bbc.co.uk/portuguese/ciencia/020729_boiengcs.shtml

    (Este pela Agência Espacial Européia ESA)

    http://www.ceticismoaberto.com/news/?p=716

    PESQUISA DE ANTIGRAVIDADE
    Gaston Burridge

    Thomas Townsend Brown tem feito voar estranhos discos voadores de metal construídos com seu design secreto e faz isso por mais de 30 anos – alguns são bem grandes com até 30 polegadas (75 centímetros de diâmetro!).
    Na maioria das vezes, Brown tem feito esses discos voarem no ar comum. Amarrados a um mastro ou poste esses objetos finos como dois pratos sobrepostos circulam ao redor do mastro em vôo livre.
    Enquanto voam, ouve-se apenas um leve zumbido. No escuro brilham com uma estranha luz cor de lavanda revelando que o que os move é uma espécie de eletricidade.
    Muitos cientistas e engenheiros já viram esses discos voar. Eles ficam até com a respiração alterada mas dizem que a força que faz os discos de Brown voarem é o que qualquer estudante de física de 2º grau sabe – “Vento elétrico” – e que Brown não descobriu nenhum novo princípio!
    Um engenheiro me disse: “Esse negócio é tão louco que eu nem quero falar sobre isso!”. Outro falou: “O aparelho é apenas um décimo de um por cento eficiente”. Ambas as declarações são incorretas! A maioria dos outros engenheiros levanta objeções à falta de substanciação matemática apresentada por Brown. Para engenheiros e cientistas uma equação vale por mil palavras!
    Mas mesmo uma equação é quase inútil, a menos que tenha valores designados para pelo menos algumas de suas partes principais. Não estando isto disponível de um ponto de vista técnico, parece que Brown está andando em cima de pernas de palha, ou seja, não tem nenhuma base.
    Acontece que Brown foi à França participar de um programa de pesquisa patrocinado pelo governo francês, ocasião em que a Air France fez voar com sucesso alguns discos feitos por ele, no ALTO VÁCUO!
    E isto eliminou a possibilidade de “vento elétrico” como era discutido anteriormente! Estes testes foram realizados em segredo e, porque foram feitos numa nação estrangeira, seus resultados continuam confidenciais.
    Uma por uma, começam a aparecer, saindo do porão, as cabeças de engenheiros e cientistas americanos. Admite-se silenciosamente, agora, que talvez Brown tenha mesmo inventado alguma coisa!
    Uma coisa que agora ele tem e que não tinha antes, é um patrocinador! Talvez seja esta a razão das cabeças aparecerem. Não há nada como ter costas quentes financeiras.
    O que significa essa invenção de Brown? Outro tipo, espécie ou plano de vôo em alta velocidade tanto dentro da nossa atmosfera como no espaço exterior!
    Como comparar essa força motriz com motores de foguetes e de aviões a jato atuais? Claro que não podemos afirmar ainda, mas não há nada que impeça os métodos de Brown de competir e levar vantagem sobre eles. Esse método tem “potenciais antigravidade” definidos, coisa que os foguetes e os jatos não têm. Por uma questão de patente industrial muitos detalhes do sistema Brown são pulados aqui, mas parece que ele não vai ser um item pequeno no quadro geral dos vôos espaciais.
    Desde 1923, Brown e sua família gastaram cerca de US$ 250.000 do próprio bolso em experiências e pesquisas dos mistérios desse estranhíssimo fenômeno que é o “Efeito Biefeld-Brown”. A literatura sobre eletricidade contém pouca coisa sobre o assunto, principalmente porque Brown tem mantido essa informação bastante segura e não escreveu nada sobre isso, nem cientificamente. Ninguém parece mais inclinado a pesquisar o assunto. E também as publicações científicas americanas não são abertas às poucas idéias que se originam de pessoas ligadas a grandes universidades ou laboratórios de pesquisas comerciais.
    Quem me falou pela primeira vez de Townsend Brown e seu Efeito Biefeld-Brown foi Arlin C. Hauser, um designer e construtor de instrumentos técnicos de precisão de Pasadena, que não subestima uma idéia porque ela é “nova”. Hauser me deu uma cópia da monografia intitulada “UMA EXPLICAÇÃO SIMPLIFICADA DA APLICAÇÃO DO EFEITO BIEFELD-BROWN PARA A SOLUÇÃO DOS PROBLEMAS DE NAVEGAÇÃO ESPACIAL”. Esta monografia foi publicada pelo Dr. Mason Rose, presidente da Universidade para a Pesquisa Social, Los Angeles, mas na verdade escrita, eu soube depois, por Bradford Shank, um cientista nuclear de Los Alamos, agora engajado num trabalho de engenharia para um fabricante de válvulas de aviões de Los Angeles.
    Algumas das informações contidas nessa monografia fizeram tocar um sininho na minha memória. Entre 1919 e 1925 eu era um rapaz que vagava num laboratório fazendo pesquisas com correntes alternadas de alta voltagem e alta freqüência. Estávamos lidando com milhões de volts a 750.000 ciclos por segundo! Um novo tipo de condensador elétrico havia sido construído e estava para ser testado. Ele já estava ligado ao circuito, mas ainda não aparafusado – era muito pesado.
    O diretor estava ao lado da caixa de força; o resto de nós, a uma respeitosa distância. A chave foi ligada. Houve um zumbido, um flash de luz verde e púrpura, um estouro alto e o novo condensador se sacudiu e retorceu virando uma ruína fumegante! O diretor disse: “Cavalheiros, nosso bebê cresceu”!
    É essa movimentação de um condensador elétrico que é a essência do Efeito Biefeld-Brown. Esse movimento faz o efeito de força antigravidade!
    O Efeito Biefeld-Brown diz que um condensador elétrico, quando carregado, MOVE-SE EM DIREÇÃO ao seu pólo positivo e permanece assim posicionado ATÉ SER DESCARREGADO, se estiver livre para isso, não importando QUAL PÓLO ou QUE LADO do dielétrico é positivo.
    Esse movimento não contraria a clássica “lei” que indica que cada ação traz consigo igual reação. A reação, como na gravitação, está presente, MAS NÃO ÓBVIA. A reação é um pequeno movimento finito mas desvanescente de toda a matéria no Universo. Mas as massas mais próximas são afetadas primeiro mais intensamente.
    O efeito foi inicialmente observado quando as placas do condensador estavam carregadas com uma CORRENTE CONTÍNUA. Mas a experiência descrita acima, que foi observada em seguida durante outras provas, indica que algo do mesmo fenômeno está presente quando condensadores são carregados com correntes ALTERNADAS também – mas provavelmente de modo não tão eficaz ou duradouro.
    Enquanto esse MOVIMENTOS do condensador de corrente alternada foram notados naquela hora, especialmente quando os condensadores foram inicialmente carregados após uma longa e completa descarga, os que conduziam a pesquisa acreditaram, então, que os movimentos eram devidos a ajustes de ressonância dentro do aparelho pelas correntes de alimentação de 60 ciclos. Assim, esse fenômeno, embora notado, nunca foi investigado pelo grupo no qual eu estava.
    Esse movimento do condensador acredita-se ter sido inicialmente percebido e examinado pelo Dr. Paul Alfred Biefeld, professor de física e astronomia da Denison University, em Granville, Ohio, em alguma ocasião antes de 1923.
    Entretanto, uma pesquisa nos registros científicos da Denison University, por ela mesma publicados, não indica que o Dr. Biefeld tenha escrito algo relacionado a essa descoberta enquanto ele estava lá. O Dr. Lawrence Biefeld, filho do Dr. Paul Alfred Biefeld, me escreveu que não se lembra de seu pai ter mencionado a descoberta de tal efeito. Entretanto, Bradford Shank, ligado intimamente as várias fases da Fundação Townsend Brown e seu trabalho por vários anos, conta que o Dr. Biefeld iniciou a pesquisa do Efeito e orientou o então estudante da Denison University, Townsend Brown, em seu prematuro interesse pela matéria.
    Embora o Efeito possa ter sido reconhecido inicialmente pelo Dr. Biefeld, a maior parte da pesquisa e todas as aplicações práticas advindas dela foram conduzidas por Brown – a maioria às suas próprias custas, por um período de mais de 30 anos.
    Aparentemente o Efeito recebeu esse nome de alguém que escreveu um relatório sobre o assunto. Mas não fosse pela grande dedicação e pesquisa de Townsend Brown este Efeito poderia ter permanecido sem registro e também inexplorado.
    Evidências indicam que o Universo inteiro, desde os maiores sistemas estelares e seus planetas até os menores átomos e suas partes – hidrogênio – opera com três forças básicas: eletricidade, magnetismo e gravitação. Estas três forças podem ser inteiramente separadas e diferentes da mesma força, uma força universal que ainda não conseguimos distinguir como tal.
    Desconsiderando isso, conhecemos a relação entre eletricidade e magnetismo e sabemos que essa relação é causada e mantida por uma simples bobina de fio.
    É bem possível, pelo Efeito Biefeld-Brown, que tenhamos chegado à relação entre eletricidade e gravitação, uma relação sendo causada e mantida através de um simples condensador elétrico!
    Se cada uma dessas três forças é considerada separadamente, encontramos pouco valor prático em qualquer delas. É apenas através da combinação de duas, e talvez mais, que começamos a usá-las.
    À parte as pesquisas do Efeito Biefeld-Brown realizadas por Brown, a ciência não tem feito praticamente nada para desenvolver a relação entre eletricidade e gravitação.
    A maioria dos cientistas hoje admitirão que um fraco efeito acoplador existe entre gravidade e eletricidade mas negarão qualquer uso prático disso!
    Permanecendo quase sozinho nesta convicção, Brown manteve sua posição em relação ao assunto de maneira teimosa, fiel e devotada. Se um simples condensador elétrico de duas placas é suspenso por uma corda de tal modo que permita completa liberdade de movimento em qualquer direção exceto para baixo, claro, e esse condensador está carregado com quantidade apropriada e pressão da corrente elétrica, então ele vai oscilar em direção do lado que tem carga positiva.
    Se o mesmo condensador é descarregado, os fios positivo e negativo trocados e conectados de maneira oposta, quando recarregado vai balançar em direção oposta.
    Se o condensador é colocado ao lado de um feixe equilibrado, um peso suficiente oposto a ele para continuar o equilíbrio e se o pólo positivo está apontado para cima, quando o condensador estiver carregado o peso no lado oposto do feixe cairá e o condensador inteiro subirá!
    Isto mostra que algum “peso” do condensador foi aliviado. Se o pólo positivo agora for invertido, quando o condensador for outra vez recarregado o peso no lado oposto do feixe será levantado! Isto ilustra a afetação gravitacional.
    Este é o Efeito Biefeld-Brown. Até onde é conhecido hoje, é o único método de afetar o campo gravitacional eletricamente. Entretanto, há aparentemente em andamento vários outros programas de pesquisa tentando estabelecer uma relação eletro-gravítica.
    Um dos mistérios desse efeito é que ele parece ser afetado pelo tempo! O tempo não passa com o efeito completamente, mas parece minimizá-lo temporariamente. Isto foi notado inicialmente por Brown durante experiências em salas fechadas.
    Ele observava os discos através de um telescópio fora da sala e viu que após certo tempo os discos não balançavam tão longe como inicialmente, em qualquer direção, com a mesma carga elétrica. Eu soube por Shank que isto chegou a ser discutido com Albert Einstein, mas o que Einstein disse continua desconhecido para mim.
    O fenômeno pode ser explicado pelo colapso das estruturas atômicas sutis no material dielétrico, ou no material das placas, ou em ambos. Após um tempo em seguida à descarga completa, estas avarias se auto consertam.
    A intensidade de ação do Efeito Biefeld-Brown é determinada por cinco fatores. A intensidade final possivelmente não pode ser obtida por uso combinado dos cinco fatores – cada um separadamente no seu máximo. Há que ser feito um compromisso. Mas isso não é uma grande desvantagem como pode parecer, a princípio, pois permitirá um quase infinito arranjo de fatores em qualquer disco ou nave. A melhor combinação desses fatores então pode ser escolhida e aplicada a uma grande variedade de condições práticas que certamente surgirão no cotidiano aeronáutico ou de vôo espacial.
    1) PROXIMIDADE DAS PLACAS
    O primeiro fator regulador da intensidade do Efeito é controlado pela proximidade em que as placas do condensador são ajustadas. Se a pressão de carga – ou voltagem – é alta, então as placas deverão estar mais afastadas do que em voltagens baixas – usando o mesmo dielétrico. Se for necessário carregar o condensador rapidamente é preciso uma voltagem mais alta do que se fosse usado mais tempo. Daí, quanto mais perto estiverem as placas, maior será o ganho do Efeito – em outras circunstâncias permanecerá o mesmo.
    2) CONSTANTE DIELÉTRICA
    O segundo fator é a capacidade do material escolhido como dielétrico de armazenar energia elétrica. Há muitos tipos de dielétricos: vidro, mica, borracha, papel, baquelite, ar, cerâmica e muitos plásticos. Um dielétrico é qualquer material que se oponha ao fluxo de uma corrente elétrica como uma “pressão elástica”. É como apertar de uma bola de borracha macia. Os músculos da sua mão representam a voltagem elétrica. Eles apertam os lados da bola juntos. Os lados permanecem apertados até que os músculos relaxem a pressão e aí saltam de volta para sua forma original. Um dielétrico absorverá uma carga elétrica até atingir sua capacidade. Daí, ele ou mantém essa carga enquanto a força da carga estiver presente, ou ele sofre uma ruptura e a pressão escapa, ou ainda se a pressão de carga ele se descarrega no circuito de carga. Nesse último caso pode ser diabólico! Alguns dielétricos são capazes de absorver uma quantidade de energia elétrica se esta energia for aplicada lentamente com uma pressão moderada, mas se romperão se obrigados a agir rapidamente. Outros dielétricos como vidro sem chumbo, podem ser carregados e descarregados milhares de vezes por segundo e altas pressões. A medida de habilidade dielétrica é chamada o “K” do material. Quanto maior o K, maior é o efeito Biefeld-Brown.
    3) INTENSIDADE
    Um terceiro fator para criar a intensidade do Efeito é a área das placas de carga do dielétrico. Os discos funcionam pelas bordas e quanto maior a sua área, maior o Efeito obtido.
    4) VOLTAGEM
    O quarto fator tem a ver com a voltagem, ou pressão usada para carregar as placas do condensador. Maior a voltagem, maior o Efeito. E ainda, quanto maior a voltagem, menos tempo leva para carregar um dado tamanho de condensador. Mas a voltagem não pode ser tão alta a ponto de perfurar o dielétrico, pois o condensador ficaria temporária ou permanentemente arruinado, dependendo da sua capacidade de “curar-se”. Dielétricos sólidos não podem se refazer. Os líquidos conseguem isso quase sempre que imediatamente após serem perfurados.
    5) MASSA (ÁREA DE SUPERFÍCIE)
    O quinto e último fator é a massa do dielétrico. Quanto maior a massa, maior o efeito.
    Esses pontos são todos importantes. Deixam claro que, por um arranjo elétrico não muito complicado, que permita a mudança de muitas posições de pólos positivos à vontade, é possível controlar um veículo astronautico.
    Uma vez que um círculo contém um número maior de unidades quadradas de superfície para uma dada dimensão, parece óbvio que um veículo chato, em forma de disco poderia usar esse tipo de campo de energia com grandes vantagens. Ele seria carregado diferentemente dos pequenos modelos de experiência porque levaria a bordo seus próprios equipamentos para carga.
    A energia de entrada de alguns modelos testados na Califórnia há bastante tempo era cerca de 50 watts, o mesmo que uma pequena lâmpada.
    O peso dessas unidades era de aproximadamente 1200 gramas. A eficiência da propulsão era de 2%. A menos que descobertas científicas o contrariem, devemos assumir que a voltagem de eletricidade atmosférica sobe com o aumento da distância da superfície terrestre.
    A baixas altitudes chegamos às vezes a registrar um aumento de 100 volts para cada três pés (+ ou – 1 metro) de elevação. Mas esse incremento também aumenta com a altitude. Acredita-se que na ionosfera pode ocorrer um potencial de 100 volts dentro de apenas 4 polegadas (+ ou – 10,16 cm)!
    Mesmo que um veículo em forma de disco possa ser relativamente fino comparado ao seu diâmetro, ainda assim ele seria muitas vezes mais grosso que 10 cm. Daí ele estaria sujeito a tremendos diferenciais de pressão elétrica externa sobre as dimensões de suas extremidades.
    Como isso afetaria o Efeito Biefeld-Brown – ou qualquer veículo movido a eletricidade? Alguns dizem que não afetaria nada. Outros vêem como uma barreira considerável.
    Dispositivos antigravidade estão sendo experimentados em várias direções. Quando eles se tornarem viáveis, um horizonte totalmente novo se descortinará para a humanidade.

  112. paulistinha 22 de julho de 2009 at 15:55 #

    Em tempo…

    Pesquisas não convencionais como ao post a cima são feitos pelos militares americanos desde o fim da IIGM, porém se tornaram altamente classificadas.
    Não me lembro a fonte, mas se souber repasso.

    Abraços

  113. paulistinha 22 de julho de 2009 at 15:55 #

    Em tempo…

    Pesquisas não convencionais como ao post a cima são feitos pelos militares americanos desde o fim da IIGM, porém se tornaram altamente classificadas.
    Não me lembro a fonte, mas se souber repasso.

    Abraços

  114. Leonardo 22 de julho de 2009 at 22:37 #

    Ok! Obrigado Paulistinha

    Caso consiga…

  115. Leonardo 22 de julho de 2009 at 22:37 #

    Ok! Obrigado Paulistinha

    Caso consiga…

  116. RodrigoBR 23 de julho de 2009 at 4:33 #

    Paulistinha,

    Muito interessante seu comentário sobre as pesquisas em anti-gravidade, já faz algum tempo que me interesso pelo assunto. Em relação aos cientistas citados eu vou acrescentar um brasileiro e que acho que suas descobertas talvez sejam muito mais importantes que os citados, trata-se de Fran de Aquino, um professor universitário do Maranhão.Veja um artigo muito interessante falando sobre ele:

    “Carros Voadores? Já não estamos tão longe assim!”

    Enquanto a TV se preocupa em informar dados do Big Brother, a ciência passa despercebida aos olhos do Brasileiro! Um Brasileiro (físico Fran de Aquino, professor do Departamento de Física da Universidade Estadual do Maranhão), conseguiu em um estudo inédito chegar a um resultado que Albert Einstein nunca conquistou…

    O físico Fran de Aquino, professor do Departamento de Física da Universidade Estadual do Maranhão, conseguiu em um estudo inédito chegar a um resultado que Albert Einstein nunca conquistou. O brasileiro desenvolveu uma pesquisa em que provou que há uma relação direta ente a radiação absorvida por um corpo e sua massa gravitacional, independente da massa inercial. Na prática, o pesquisador conseguiu produzir um sistema de controle da gravidade, construindo em laboratório um aparelho anti-gravitacional. “Esta descoberta já confirmada experimentalmente elimina de uma vez por todas a forma primitiva do princípio de equivalência que pressupunha que as massa gravitacional e inercial eram equivalentes”, afirma Aquino. A massa inercial quantifica a inércia do corpo, isto é, a oposição que ele oferece à mudança da velocidade por ação de forças. A massa gravitacional depende proporcionalmente da força exercida por um campo gravitacional no corpo.
    Em 1996, trabalhando nos estudos de supercondutores de alta condutividade em baixíssimas temperaturas, o cientista russo Eugene Podkletnov descobriu por acaso um mecanismo que conseguia praticamente anular a força gravitacional. Sua descoberta passou a ser conhecida como Efeito Podkletnov-Tampere. Sua descoberta recebeu uma reação de descrença quando foi anunciada. Pesquisas mantidas em segredo pela Boeing tem procurar reproduizr os experimentos do cientista russo. O cientista russo é visto com reservas por muitos colegas, mas o trabalho em conjunto com a Boeing deu maior credibilidade aos experimentos de Podkletnov. O projeto vem sendo realizado secretamente na Phantom Works, em Seattle, como parte de um dos projetos mais importante da companhia. O chefe da empresa Phantom Works, George Milner, disse ao jornal Jane’s Defense Weekly, que trata de assuntos de segurança, que a pesquisa parece ser válida e plausível.
    Yevgeny Podkletnov diz ter conseguido conter os efeitos da gravidade em uma pesquisa realizada na Universidade de Tecnologia de Tampere, na Finlândia, em 1992. O cientista elaborou um disco de cerâmica de supercondução que gira em torno de um disco eletromagnético de baixo peso. A redução da gravidade foi pequena, cerca de 2%, mas as implicações, no caso de corte de energia para as aeronaves, pode ser bastante significativa, revolucionando a aviação. Cientistas que investigaram os experimentos de Podkletnov disseram, no entanto, que as pesquisas tinham falhado e que anular o efeito da gravidade era impossível. Mas os documentos obtidos pelo jornal Jane’s Defense Weekly e vistos pela BBC mostram que a Boeing tem levado à sério as descobertas do cientista russo. A pesquisa está sendo realizada com o codinome de ‘Projeto Grasp’.(Gravity Research for Advanced Space Propulsion). A agência americana espacial, a Nasa, também está tentando reproduzir as pesquisas do cientista russo, mas análises preliminares mostram que o efeito de anular a gravidade não foi obtido.
    Durante vários anos, o físico Fran De Aquino foi Pesquisador Titular do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais-INPE. Dirigiu o Observatório Espacial do INPE em São Luís, desde sua criação até 1997. Atualmente é professor e pesquisador do Departamento de Física da Universidade Estadual do Maranhão – UEMA. Ele desenvolveu uma Teoria Quântica da Gravidade unifica a Teoria Geral da Relatividade de Einstein com a Teoria Quântica e, além disso, contém uma importante equação de correlação entre as massas gravitacional e inercial, que abre as portas para o controle da gravidade. A Teoria Quântica da Gravidade, do professor Fran de Aquino não invalida a Teoria de Einstein, apenas a complementa. Do ponto de vista prático a teoria prevê a possibilidade de controle da massa gravitacional por meio de radiação. O que significa que será possível reduzir, anular e até inverter o peso dos corpos.
    Esta equação desenvolvida por Aquino, que mostra a relação entre massa inercial e gravitacional mostra claramente que partículas elementares, átomos ou moléculas, podem ter suas massas gravitacionais reduzidas, anuladas e até tornadas negativas por meio de absorção ou emissão de radiações eletromagnéticas de extrema-baixa freqüência (ELF). Também conclui-se facilmente desta equação que materiais com permeabilidade magnética muito grande e/ou com condutividade muito grande (supercondutores) requerem radiações com menor densidade de potência que os demais materiais. O que significa que, na prática, o controle do peso desses materiais é mais fácil de ser obtido. A ação da radiação afeta apenas a massa gravitacional. Teoricamente, quando a massa gravitacional de um corpo é anulada o peso do corpo é também anulado.
    Aquino explica como este princípio poderia ser utilizado na geração de energia elétrica: “Imagine duas esferas interligadas por uma barra rígida em cujo centro existe um eixo de sustentação que permite a barra girar em torno dele. Se tornarmos negativa a massa gravitacional de uma das esferas, esta “pesará para cima” enquanto a outra “pesará para baixo”, conseqüentemente o sistema girará em torno do eixo de sustentação. Estaremos então convertendo energia gravitacional (do sistema Terra-esferas) em energia mecânica de rotação. Agora, basta acoplar um conversor de energia mecânica em elétrica ( chamados alternadores, largamente disponíveis no mercado) para concluirmos a conversão da energia gravitacional em elétrica. Desse modo será possível suprir localmente ( sem a necessidade de linhas de transmissão e redes de distribuição) o consumo de energia elétrica tanto do consumidor de baixo consumo como também os grandes consumidores ( mais de 1000kVA ).” Assim, os Motores Gravitacionais não precisam de gasolina ou diesel para funcionarem (seu combustível é a energia gravitacional universal) e praticamente não poluem o ambiente.
    Aquino também explica a aplicação nas telecomunicações: “A descoberta pode também ser aplicada às Telecomunicações. Quando o campo gravitacional de um objeto varia, perturbações no espaço são produzidas e alcançam os outros corpos num tempo finito. Estas perturbações (ripples) são chamadas ondas gravitacionais ou radiação gravitacional. A existência das ondas gravitacionais foi prevista na Teoria Geral da Relatividade. As ondas gravitacionais se propagam, segundo Einstein, com a velocidade da luz. Isto também foi recentemente comprovado experimentalmente. As ondas gravitacionais são semelhantes as ondas eletromagnéticas porem, ao contrario das ondas eletromagnéticas, elas interagem muito fracamente com a matéria o que significa que sistemas de telecomunicações operando com ondas gravitacionais seriam muito mais eficientes do que os atuais que operam com ondas eletromagnéticas. Mas, não existia a tecnologia para produzir ondas gravitacionais. Agora, com a tecnologia de controle da massa gravitacional e a descoberta experimental da massa gravitacional negativa, surgiu a possibilidade de se produzir radiação gravitacional de dipolo”.
    O princípio da equivalência está relacionado com a equivalência entre as massas gravitacionais e inerciais de um corpo. A massa inercial determina a resposta do corpo quando este está em um referencial inercial – em velocidade constante – e a massa gravitacional determina a resposta do corpo quando em um campo gravitacional. Como o movimento descrito nos dois casos é igual, os dois tipos de massa são equivalentes, segundo a teoria. As conseqüências da pesquisa de Aquino são importantes não apenas do ponto de vista teórico, mas também tecnológico, pois abre a possibilidade de controle eletromagnético da gravidade. “O trabalho demonstra de forma definitiva a correlação entre gravitação e eletromagnetismo, o que era uma suspeita nunca antes comprovada”, destaca. Segundo Aquino, Faraday, no século passado, já acreditava nessa correlação. Einstein, após ter relacionado a gravitação ao espaço-tempo, convenceu-se de ela existia, e foi desta convicção que nasceu a teoria do campo unificado.
    “Do ponto de vista prático, a descoberta da correlação entre gravitação e eletromagnetismo indicou que as forças gravitacionais podem ser reduzidas, anuladas e até invertidas em condições eletromagnéticas específicas”, explica. Quase todas as áreas poderão se beneficiar da descoberta, de acordo com o físico. “Haverá enormes benefícios para os sistemas de transporte e de geração de energia. A energia que usamos, no futuro, poderá ser extraída diretamente do próprio campo gravitacional da Terra e sua utilização não deverá causar poluição.” Na construção civil, blocos de grandes dimensões poderão ser removidos sem o uso de guindastes. Rios e alimentos poderão mudar de lugar, combatendo a seca e a fome”, prevê. A conquista espacial deverá ser a primeira a se beneficiar e a própria Nasa, agência espacial norte-americana, já estuda métodos de controle da gravidade para facilitar as missões ao espaço.
    O professor brasileiro diz ter recebido uma proposta de US$ 600 mil do Departamento de Energia dos Estados Unidos, que pretende validar suas pesquisas no Brasil e na Rússia. Há 33 anos ele vem pesquisando o assunto, e todo seu trabalho foi desenvolvido no Brasil, em interação com pesquisadores de outros países. O aparelho foi desenvolvido na Universidade Estadual do Maranhão, que tem dado apoio ao professor. Segundo ele, alguns editores de revistas científicas internacionais estão pedindo para publicar o trabalho, que pode ser visto na íntegra no site do Laboratório Nacional de Los Alamos, nos Estados Unidos. O pesquisador afirma que não irá patentear o sistema que desenvolveu. “Ele pertence a todos nós.”
    Uma nota foi divulgada pelo Centro de Estudos de Inteligência Extraterrestre (Cseti), uma organização ligada à Universidade de Berkeley, EUA. Segundo a nota do Cseti, assinada pelo seu próprio diretor, Tony Craddock, o prof. Fran de Aquino, da Universidade Estadual do Maranhão, conseguiu, numa série de estudos teóricos, mostrar como produzir anti-gravidade e teria demonstrado com sucesso os resultados em laboratório com a construção de um aparelho anti-gravitacional. A nota diz que, em dois estudos divulgados em julho, ele mostra como construir um motor de 215 HP movido exclusivamente pela gravidade.
    A descoberta do físico Fran de Aquino de que as massas gravitacional e inercial não são equivalentes é questionada pelo professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Fernando Moraes. “As idéias, teorias e experimentos do professor Aquino devem ser analisadas e testadas pela comunidade científica mundial, o que se constitui num processo usual no meio científico”. Doutor em Física da Matéria Condensada pela Universidade da Califórnia (EUA), Moraes lembra que os resultados de Fran de Aquino não foram publicados em revistas especialisadas. Para ele, um trabalho com o impacto que esse experimento se propõe a ter deveria ser publicado na Physical Review Letters ou Nature. Segundo ele, esta não é a primeira vez que esse tipo de resultado é anunciado, violando as leis da física conhecidas, e depois não é confirmado por outros pesquisadores.

  117. RodrigoBR 23 de julho de 2009 at 4:33 #

    Paulistinha,

    Muito interessante seu comentário sobre as pesquisas em anti-gravidade, já faz algum tempo que me interesso pelo assunto. Em relação aos cientistas citados eu vou acrescentar um brasileiro e que acho que suas descobertas talvez sejam muito mais importantes que os citados, trata-se de Fran de Aquino, um professor universitário do Maranhão.Veja um artigo muito interessante falando sobre ele:

    “Carros Voadores? Já não estamos tão longe assim!”

    Enquanto a TV se preocupa em informar dados do Big Brother, a ciência passa despercebida aos olhos do Brasileiro! Um Brasileiro (físico Fran de Aquino, professor do Departamento de Física da Universidade Estadual do Maranhão), conseguiu em um estudo inédito chegar a um resultado que Albert Einstein nunca conquistou…

    O físico Fran de Aquino, professor do Departamento de Física da Universidade Estadual do Maranhão, conseguiu em um estudo inédito chegar a um resultado que Albert Einstein nunca conquistou. O brasileiro desenvolveu uma pesquisa em que provou que há uma relação direta ente a radiação absorvida por um corpo e sua massa gravitacional, independente da massa inercial. Na prática, o pesquisador conseguiu produzir um sistema de controle da gravidade, construindo em laboratório um aparelho anti-gravitacional. “Esta descoberta já confirmada experimentalmente elimina de uma vez por todas a forma primitiva do princípio de equivalência que pressupunha que as massa gravitacional e inercial eram equivalentes”, afirma Aquino. A massa inercial quantifica a inércia do corpo, isto é, a oposição que ele oferece à mudança da velocidade por ação de forças. A massa gravitacional depende proporcionalmente da força exercida por um campo gravitacional no corpo.
    Em 1996, trabalhando nos estudos de supercondutores de alta condutividade em baixíssimas temperaturas, o cientista russo Eugene Podkletnov descobriu por acaso um mecanismo que conseguia praticamente anular a força gravitacional. Sua descoberta passou a ser conhecida como Efeito Podkletnov-Tampere. Sua descoberta recebeu uma reação de descrença quando foi anunciada. Pesquisas mantidas em segredo pela Boeing tem procurar reproduizr os experimentos do cientista russo. O cientista russo é visto com reservas por muitos colegas, mas o trabalho em conjunto com a Boeing deu maior credibilidade aos experimentos de Podkletnov. O projeto vem sendo realizado secretamente na Phantom Works, em Seattle, como parte de um dos projetos mais importante da companhia. O chefe da empresa Phantom Works, George Milner, disse ao jornal Jane’s Defense Weekly, que trata de assuntos de segurança, que a pesquisa parece ser válida e plausível.
    Yevgeny Podkletnov diz ter conseguido conter os efeitos da gravidade em uma pesquisa realizada na Universidade de Tecnologia de Tampere, na Finlândia, em 1992. O cientista elaborou um disco de cerâmica de supercondução que gira em torno de um disco eletromagnético de baixo peso. A redução da gravidade foi pequena, cerca de 2%, mas as implicações, no caso de corte de energia para as aeronaves, pode ser bastante significativa, revolucionando a aviação. Cientistas que investigaram os experimentos de Podkletnov disseram, no entanto, que as pesquisas tinham falhado e que anular o efeito da gravidade era impossível. Mas os documentos obtidos pelo jornal Jane’s Defense Weekly e vistos pela BBC mostram que a Boeing tem levado à sério as descobertas do cientista russo. A pesquisa está sendo realizada com o codinome de ‘Projeto Grasp’.(Gravity Research for Advanced Space Propulsion). A agência americana espacial, a Nasa, também está tentando reproduzir as pesquisas do cientista russo, mas análises preliminares mostram que o efeito de anular a gravidade não foi obtido.
    Durante vários anos, o físico Fran De Aquino foi Pesquisador Titular do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais-INPE. Dirigiu o Observatório Espacial do INPE em São Luís, desde sua criação até 1997. Atualmente é professor e pesquisador do Departamento de Física da Universidade Estadual do Maranhão – UEMA. Ele desenvolveu uma Teoria Quântica da Gravidade unifica a Teoria Geral da Relatividade de Einstein com a Teoria Quântica e, além disso, contém uma importante equação de correlação entre as massas gravitacional e inercial, que abre as portas para o controle da gravidade. A Teoria Quântica da Gravidade, do professor Fran de Aquino não invalida a Teoria de Einstein, apenas a complementa. Do ponto de vista prático a teoria prevê a possibilidade de controle da massa gravitacional por meio de radiação. O que significa que será possível reduzir, anular e até inverter o peso dos corpos.
    Esta equação desenvolvida por Aquino, que mostra a relação entre massa inercial e gravitacional mostra claramente que partículas elementares, átomos ou moléculas, podem ter suas massas gravitacionais reduzidas, anuladas e até tornadas negativas por meio de absorção ou emissão de radiações eletromagnéticas de extrema-baixa freqüência (ELF). Também conclui-se facilmente desta equação que materiais com permeabilidade magnética muito grande e/ou com condutividade muito grande (supercondutores) requerem radiações com menor densidade de potência que os demais materiais. O que significa que, na prática, o controle do peso desses materiais é mais fácil de ser obtido. A ação da radiação afeta apenas a massa gravitacional. Teoricamente, quando a massa gravitacional de um corpo é anulada o peso do corpo é também anulado.
    Aquino explica como este princípio poderia ser utilizado na geração de energia elétrica: “Imagine duas esferas interligadas por uma barra rígida em cujo centro existe um eixo de sustentação que permite a barra girar em torno dele. Se tornarmos negativa a massa gravitacional de uma das esferas, esta “pesará para cima” enquanto a outra “pesará para baixo”, conseqüentemente o sistema girará em torno do eixo de sustentação. Estaremos então convertendo energia gravitacional (do sistema Terra-esferas) em energia mecânica de rotação. Agora, basta acoplar um conversor de energia mecânica em elétrica ( chamados alternadores, largamente disponíveis no mercado) para concluirmos a conversão da energia gravitacional em elétrica. Desse modo será possível suprir localmente ( sem a necessidade de linhas de transmissão e redes de distribuição) o consumo de energia elétrica tanto do consumidor de baixo consumo como também os grandes consumidores ( mais de 1000kVA ).” Assim, os Motores Gravitacionais não precisam de gasolina ou diesel para funcionarem (seu combustível é a energia gravitacional universal) e praticamente não poluem o ambiente.
    Aquino também explica a aplicação nas telecomunicações: “A descoberta pode também ser aplicada às Telecomunicações. Quando o campo gravitacional de um objeto varia, perturbações no espaço são produzidas e alcançam os outros corpos num tempo finito. Estas perturbações (ripples) são chamadas ondas gravitacionais ou radiação gravitacional. A existência das ondas gravitacionais foi prevista na Teoria Geral da Relatividade. As ondas gravitacionais se propagam, segundo Einstein, com a velocidade da luz. Isto também foi recentemente comprovado experimentalmente. As ondas gravitacionais são semelhantes as ondas eletromagnéticas porem, ao contrario das ondas eletromagnéticas, elas interagem muito fracamente com a matéria o que significa que sistemas de telecomunicações operando com ondas gravitacionais seriam muito mais eficientes do que os atuais que operam com ondas eletromagnéticas. Mas, não existia a tecnologia para produzir ondas gravitacionais. Agora, com a tecnologia de controle da massa gravitacional e a descoberta experimental da massa gravitacional negativa, surgiu a possibilidade de se produzir radiação gravitacional de dipolo”.
    O princípio da equivalência está relacionado com a equivalência entre as massas gravitacionais e inerciais de um corpo. A massa inercial determina a resposta do corpo quando este está em um referencial inercial – em velocidade constante – e a massa gravitacional determina a resposta do corpo quando em um campo gravitacional. Como o movimento descrito nos dois casos é igual, os dois tipos de massa são equivalentes, segundo a teoria. As conseqüências da pesquisa de Aquino são importantes não apenas do ponto de vista teórico, mas também tecnológico, pois abre a possibilidade de controle eletromagnético da gravidade. “O trabalho demonstra de forma definitiva a correlação entre gravitação e eletromagnetismo, o que era uma suspeita nunca antes comprovada”, destaca. Segundo Aquino, Faraday, no século passado, já acreditava nessa correlação. Einstein, após ter relacionado a gravitação ao espaço-tempo, convenceu-se de ela existia, e foi desta convicção que nasceu a teoria do campo unificado.
    “Do ponto de vista prático, a descoberta da correlação entre gravitação e eletromagnetismo indicou que as forças gravitacionais podem ser reduzidas, anuladas e até invertidas em condições eletromagnéticas específicas”, explica. Quase todas as áreas poderão se beneficiar da descoberta, de acordo com o físico. “Haverá enormes benefícios para os sistemas de transporte e de geração de energia. A energia que usamos, no futuro, poderá ser extraída diretamente do próprio campo gravitacional da Terra e sua utilização não deverá causar poluição.” Na construção civil, blocos de grandes dimensões poderão ser removidos sem o uso de guindastes. Rios e alimentos poderão mudar de lugar, combatendo a seca e a fome”, prevê. A conquista espacial deverá ser a primeira a se beneficiar e a própria Nasa, agência espacial norte-americana, já estuda métodos de controle da gravidade para facilitar as missões ao espaço.
    O professor brasileiro diz ter recebido uma proposta de US$ 600 mil do Departamento de Energia dos Estados Unidos, que pretende validar suas pesquisas no Brasil e na Rússia. Há 33 anos ele vem pesquisando o assunto, e todo seu trabalho foi desenvolvido no Brasil, em interação com pesquisadores de outros países. O aparelho foi desenvolvido na Universidade Estadual do Maranhão, que tem dado apoio ao professor. Segundo ele, alguns editores de revistas científicas internacionais estão pedindo para publicar o trabalho, que pode ser visto na íntegra no site do Laboratório Nacional de Los Alamos, nos Estados Unidos. O pesquisador afirma que não irá patentear o sistema que desenvolveu. “Ele pertence a todos nós.”
    Uma nota foi divulgada pelo Centro de Estudos de Inteligência Extraterrestre (Cseti), uma organização ligada à Universidade de Berkeley, EUA. Segundo a nota do Cseti, assinada pelo seu próprio diretor, Tony Craddock, o prof. Fran de Aquino, da Universidade Estadual do Maranhão, conseguiu, numa série de estudos teóricos, mostrar como produzir anti-gravidade e teria demonstrado com sucesso os resultados em laboratório com a construção de um aparelho anti-gravitacional. A nota diz que, em dois estudos divulgados em julho, ele mostra como construir um motor de 215 HP movido exclusivamente pela gravidade.
    A descoberta do físico Fran de Aquino de que as massas gravitacional e inercial não são equivalentes é questionada pelo professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Fernando Moraes. “As idéias, teorias e experimentos do professor Aquino devem ser analisadas e testadas pela comunidade científica mundial, o que se constitui num processo usual no meio científico”. Doutor em Física da Matéria Condensada pela Universidade da Califórnia (EUA), Moraes lembra que os resultados de Fran de Aquino não foram publicados em revistas especialisadas. Para ele, um trabalho com o impacto que esse experimento se propõe a ter deveria ser publicado na Physical Review Letters ou Nature. Segundo ele, esta não é a primeira vez que esse tipo de resultado é anunciado, violando as leis da física conhecidas, e depois não é confirmado por outros pesquisadores.

  118. RodrigoBR 23 de julho de 2009 at 4:48 #

    É uma tristeza ver que o Brasil não se interessa por esse assunto para o qual convergerá quase tudo que conhecemos. Outros países investindo no professor de uma universidade estadual e o nosso governo parece nao estar nem aí! As FAs jah deveriam estar de olho a muito tempo em Fran de Aquino, pois amanhã poderão ser incorporadas aos “novos brinquedos” da indústria bélica das grandes potências enquanto nós ficamos ainda ficamos “presos a gravidade”. Para mim a anti-gravidade é a chave para entender a propulsão dos OVNIs e também a chave para podermos explorar o universo como os nossos “pesquisadores ETs” estão fazendo conosco!

    Parabéns Fran de Aquino por suas pesquisas!

  119. RodrigoBR 23 de julho de 2009 at 4:48 #

    É uma tristeza ver que o Brasil não se interessa por esse assunto para o qual convergerá quase tudo que conhecemos. Outros países investindo no professor de uma universidade estadual e o nosso governo parece nao estar nem aí! As FAs jah deveriam estar de olho a muito tempo em Fran de Aquino, pois amanhã poderão ser incorporadas aos “novos brinquedos” da indústria bélica das grandes potências enquanto nós ficamos ainda ficamos “presos a gravidade”. Para mim a anti-gravidade é a chave para entender a propulsão dos OVNIs e também a chave para podermos explorar o universo como os nossos “pesquisadores ETs” estão fazendo conosco!

    Parabéns Fran de Aquino por suas pesquisas!

  120. RodrigoBR 23 de julho de 2009 at 4:53 #

    Pessoal, olhem o que encontrei!

    Não li ainda, mas aí está o link para o livro “Física dos UFOS” de Fran de Aquino:

    http://users.elo.com.br/~deaquino/Fisica%20dos%20UFOs.pdf

    Brasileiro é phoda mesmo…

  121. RodrigoBR 23 de julho de 2009 at 4:53 #

    Pessoal, olhem o que encontrei!

    Não li ainda, mas aí está o link para o livro “Física dos UFOS” de Fran de Aquino:

    http://users.elo.com.br/~deaquino/Fisica%20dos%20UFOs.pdf

    Brasileiro é phoda mesmo…

  122. RodrigoBR 23 de julho de 2009 at 5:16 #

    Site do prof Fran de Aquino:

    http://users.elo.com.br/~deaquino/

  123. RodrigoBR 23 de julho de 2009 at 5:16 #

    Site do prof Fran de Aquino:

    http://users.elo.com.br/~deaquino/

  124. Bosco 23 de julho de 2009 at 15:50 #

    Rodrigo,
    bela dica. Já arquivei o livro.
    Um abraço.

  125. Bosco 23 de julho de 2009 at 15:50 #

    Rodrigo,
    bela dica. Já arquivei o livro.
    Um abraço.

  126. Marcos 23 de julho de 2009 at 17:13 #

    Ezequiel e a visão dos 4 querobins, na Bíblia. O que se entende?
    Um abraço.

  127. Marcos 23 de julho de 2009 at 17:13 #

    Ezequiel e a visão dos 4 querobins, na Bíblia. O que se entende?
    Um abraço.

  128. alect 26 de julho de 2009 at 6:22 #

    ei porque sera que eles não mostrão os videos?

  129. alect 26 de julho de 2009 at 6:22 #

    ei porque sera que eles não mostrão os videos?

  130. Nautilus 9 de agosto de 2009 at 2:15 #

    Eu não acredito em ETs. Disseram-me que eles são muito mentirosos! :-)

  131. Nautilus 9 de agosto de 2009 at 2:15 #

    Eu não acredito em ETs. Disseram-me que eles são muito mentirosos! :-)

  132. Guilherme 6 de janeiro de 2010 at 15:46 #

    Fala sério, quanta asneira!!!

  133. Dandolo 25 de junho de 2010 at 6:47 #

    ETs se locomovem em 2 tipos de naves: 1/3 C e 1000 C.

    (C = velocidade da luz)

    Eu gostaria de fabricar a Nave 1/3 C nas Forças Armadas.

    Abraços.

  134. Dandolo 25 de junho de 2010 at 6:50 #

    Esqueçam Einstein e Fran de Aquino.

    Eu sei como controlar a gravidade.

    Abraços.

  135. Codinome Night 11 de agosto de 2010 at 11:09 #

    Vi um UFO PERFORMÁTICO no ano 1998.
    Horário: aprox. 22:00
    Local: Próximo a cidade (horizonte), verticalmente seria sobre uma área de mata.
    Obs: Noite de lua cheia, com algumas nuvens.
    Tempo em que o objeto permaneceu estático: Aprox. 1 min.
    Comentário particular: “normalmente não creio, acho pura ficção, mas olhos não mentem, eu vi e sei o que vi. porém não faço questão de comentar com as pessoas. no dia a dia isso é no mínimo rídiculo, irreal!”

  136. José Benedito Cazari 21 de agosto de 2010 at 20:49 #

    Com o devido respeito aos que não acreditam na existência de outros seres inteligentes no universo, acredito sim que eles existem. O universo é tão vasto, que também é chamado de infinito. Ora, segundo nossa ciência, o maior entrave para a terra estar sendo visitada por outras espécimes cósmicas, seriam as distância incomensuráveis que separam uma estrela da outra, ou ainda mais, as distâncias que separam uma galáxia da outra. Mesmo viajando a velocidade da luz (300.000km) por segundo, uma aeronave levaria anos para chegar a outra galáxia, isto sem falar na dilatação do tempo, pois para as pessoas que estivessem na nave o tempo “passaria” mais devagar, mas na terra, o tempo continuaria “correndo” normal. Então…quando os supostos tripulantes desta nave retornassem à terra, eles ainda seriam jovens, mas todas as pessoas que eram seus amigos estariam mortos. Mas aqui cabe uma pergunta: seria somente este o caminho? Hoje, a física quântica está abrindo possibilidades incriveis e muitos paradigmas da ciência vem sendo deerubados um após outro. Um exemplo??? A lua sempre foi considerada estéril e sem água. No entando…a Nasa já encontrou água lá. Como nem todos as estrelas e planetas tem idade iguais, um hipotético planeta muito mais velho que a terra, e que tivesse desenvolvido vida inteligente, possivelmente estes seres estariam muitos milhares de anos a nossa frente na ciência. A nossa era tecnológica não tem mais que 100 anos. Imaginem um planeta que esteja…digamos, apenas 1.000 anos cientificamente à nossa frente, e se forem 10.000 anos? Certamente sua tecnologia pareceria mágica a nós simples terráqueos.

  137. Sonia 6 de outubro de 2010 at 10:44 #

    Olha não entendo nada de OVNIS porem em 93/94, cheguei tarde em casa, sem sono fui para a cama e da cama avistei por debaixo da porta la fora um globo pequeno com diversas cores, era pequeno acho que do tamanho de um bola, menor um pouquinho flutuava, girava e num instante sumia e aparecia, fiquei com medo e não fui olhar de perto, então desapareceu muito rapido.
    Outra experiencia que tive foi em 1983, Novo Gama/GO, Qd.1HI, cheguei mais cedo em casa da escola estudava a tarde, fiz minhas tarefas domesticas e fui dormir mais cedo apaguei, porém acordei, na madrugada (meia noite ou uma hora +-) pensando ser cedo, levantei da cama e fui para a frente da casa, tinha 13 anos, sentei no meio fio enfrente minha casa e fiquei esperando minhas amigas, pensando ser cedo ainda, porem não tinha ninguem na rua e as casas todos fechadas, fiquei mais um pouco olhando para o chão percebi uma sombra e um vento que balançou meus cabelos quando olhei para o céu vi um bicho (pitorossauro) voador e fazia muito barulho igual os desenhos notei também que tudo (ceu) tinha mudado parecendo que estava em outra dimensão com ar de passado ou seja igual aqueles desenhos de dinoussauro, creio que não fui a unica que viu, alguem deveria estar na rua também e deve ter registrado com alguma autoridade, não fiz nada porque era criança, até hoje eu lembro deste fato real, alguém aí ja ouviu falar nesta criatura do passado? acho impossivel so eu ter visto. Muitos riem de mim mas confirmo com todas as letras, não foi sonho foi real.
    se tiver alguem que viu tambem me mande email, soniagorettecarvalho@gmail.com.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

O avião de transporte A400M Atlas pela primeira vez no Brasil

No sábado, 11 de outubro de 2014, uma das cinco aeronaves A400M Atlas já entregues à Força Aérea Francesa encontrava-se […]

Vídeo da Embraer com cenas da apresentação do KC-390

A Embraer disponibilizou em seu canal do youtube um vídeo mostrando a apresentação, em 21 de outubro, do primeiro protótipo […]

Vídeo promocional do Gripen NG, agora com legendas em português

Os leitores do Poder Aéreo já conhecem a versão com legendas em inglês deste vídeo promocional do Gripen NG, divulgado […]

Protótipos se somarão aos KC-390 encomendados pela FAB, para uma frota total de 30 aviões

O protótipo apresentado ontem em Gavião Peixoto e outro atualmente em montagem deverão ser convertidos para compor a frota da FAB, após […]

Após acidente, estão suspensos os voos da frota de Su-30 da Índia

A Força Aérea Indiana “groundeou” (suspendeu as operações de voo) toda a sua frota de caças Su-30MKI após acidente recente, para […]

Novos ângulos da apresentação do protótipo do cargueiro Embraer KC-390

Nas fotos divulgadas pelo Ministério da Defesa, as fotos do lançamento do cargueiro militar Embraer KC-390 em ângulos diferentes da […]