O F-35 mostra suas armas

f35-1

f35-2

f35-3

Tags: , ,

Jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

45 Responses to “O F-35 mostra suas armas” Subscribe

  1. Márcio 26 de março de 2009 at 0:43 #

    Dois misseis duas bombas e só…tem que ser extremamente eficiente e combate… eu ficaria com medo de investir meu dinheiro nele

  2. Márcio 26 de março de 2009 at 0:43 #

    Dois misseis duas bombas e só…tem que ser extremamente eficiente e combate… eu ficaria com medo de investir meu dinheiro nele

  3. Flamenguista 26 de março de 2009 at 2:25 #

    A quem possa interessar, vasculhando pela net, eu encontrei um site australiano onde o autor discorre sobre o JSF, suas limitações no cenário australiano e comparações com o F-18 e Flanker.
    http://www.ausairpower.net

  4. Flamenguista 26 de março de 2009 at 2:25 #

    A quem possa interessar, vasculhando pela net, eu encontrei um site australiano onde o autor discorre sobre o JSF, suas limitações no cenário australiano e comparações com o F-18 e Flanker.
    http://www.ausairpower.net

  5. welington 26 de março de 2009 at 6:42 #

    Exatamente destas fotos que eu estava falando, destas e das do 902, todas perfects.
    Estas fotos demonstram claramente o interior do porão de armas e suas reais dimensões.
    Um abraço a todos.

  6. welington 26 de março de 2009 at 6:42 #

    Exatamente destas fotos que eu estava falando, destas e das do 902, todas perfects.
    Estas fotos demonstram claramente o interior do porão de armas e suas reais dimensões.
    Um abraço a todos.

  7. Sir 26 de março de 2009 at 9:23 #

    Show de bola as fotos. Vão virar wallpaper fácil.

    Obs.: Tá certo que facilita a manutenção, mas me deixa angustiado essa quantidade de fios expostos no compartimento de armas.

  8. Sir 26 de março de 2009 at 9:23 #

    Show de bola as fotos. Vão virar wallpaper fácil.

    Obs.: Tá certo que facilita a manutenção, mas me deixa angustiado essa quantidade de fios expostos no compartimento de armas.

  9. Jacubão 26 de março de 2009 at 12:04 #

    Pode ser muuuuuuuuuuito moderno, mas, acho que a FAB teria um poderio muito maior se tivesse 120 SU-35 com uma capacidade bélica muito maior, mesmo que sacrificase a sua RCS.

  10. Jacubão 26 de março de 2009 at 12:04 #

    Pode ser muuuuuuuuuuito moderno, mas, acho que a FAB teria um poderio muito maior se tivesse 120 SU-35 com uma capacidade bélica muito maior, mesmo que sacrificase a sua RCS.

  11. gil 26 de março de 2009 at 12:54 #

    Inacreditável, que coisa ridícula, parece um “Belantônio” se ficar nisso este projeto será facilmente superado por configurações estratégicas com outros vetores menos sofisticados e porá os que apostaram nele numa encrenca, não pela sua modernidade mas pela sua efetividade em combate…,isso aí, mais a vulnerabilidade aos radares já detectada (vide o site australiano já mencionado), mais o preço de U$135,000,000….éh….a coisa tá feia…!!!

    Espero estar equivocado, algúem me corrija!!!

  12. gil 26 de março de 2009 at 12:54 #

    Inacreditável, que coisa ridícula, parece um “Belantônio” se ficar nisso este projeto será facilmente superado por configurações estratégicas com outros vetores menos sofisticados e porá os que apostaram nele numa encrenca, não pela sua modernidade mas pela sua efetividade em combate…,isso aí, mais a vulnerabilidade aos radares já detectada (vide o site australiano já mencionado), mais o preço de U$135,000,000….éh….a coisa tá feia…!!!

    Espero estar equivocado, algúem me corrija!!!

  13. Virtualxi 26 de março de 2009 at 13:03 #

    O SU-35 também já mostrou as suas armas.
    E as colocou bem no “RABO” do F-35.

  14. Virtualxi 26 de março de 2009 at 13:03 #

    O SU-35 também já mostrou as suas armas.
    E as colocou bem no “RABO” do F-35.

  15. Mabill 26 de março de 2009 at 13:35 #

    A abertura para o lançamento da carga deve aumentar significamente a assinatura da aeronave, dependendo da posição do radar de tiro no solo a resposta pode ser imediata. Sds.

  16. Mabill 26 de março de 2009 at 13:35 #

    A abertura para o lançamento da carga deve aumentar significamente a assinatura da aeronave, dependendo da posição do radar de tiro no solo a resposta pode ser imediata. Sds.

  17. Tiao 26 de março de 2009 at 14:13 #

    Eua até que era simpatico a chegados dos F-18SH para a FAB, mas os caras parece quer perderam a mão, quando não tem navio trombando ou encalhando é avião que esta despencando… Depois ficam falando dos Russos!!! Agora sou mais Rafale ou Gripen, nem pensar um F-18 da FAB cair na cabeça do negão aki!!!!

  18. Tiao 26 de março de 2009 at 14:13 #

    Eua até que era simpatico a chegados dos F-18SH para a FAB, mas os caras parece quer perderam a mão, quando não tem navio trombando ou encalhando é avião que esta despencando… Depois ficam falando dos Russos!!! Agora sou mais Rafale ou Gripen, nem pensar um F-18 da FAB cair na cabeça do negão aki!!!!

  19. Storm 26 de março de 2009 at 15:35 #

    bonitas fotos, mas o F-35 pode levar mais armas em cabides embaixo das asas correto?

    Estes porões ao meu ver são úteis em uma missão específica de ataque a determinado alvo, onde é preciso ficar mais tempo possível invisivel aos radares inimigos, mas como disse o amigo Mabil no processo de abertura p/ lançamento do armamentos o RCC do F-35 não aumentaria consideravelmente?

    Uma outra função seria encher os dois porões de Gelo e SKOL gelada !!! igual ao compartimento de capacete da Honda BIZ.

    Como vemos o F-35 é mesmo de 5º geração se não garante ser realmente invísivel aos radares, pelo menos serve p/ fazer uma festinha ou entregar pizzas quentinhas. É o sonho de qualquer motoboy, rs….

  20. Storm 26 de março de 2009 at 15:35 #

    bonitas fotos, mas o F-35 pode levar mais armas em cabides embaixo das asas correto?

    Estes porões ao meu ver são úteis em uma missão específica de ataque a determinado alvo, onde é preciso ficar mais tempo possível invisivel aos radares inimigos, mas como disse o amigo Mabil no processo de abertura p/ lançamento do armamentos o RCC do F-35 não aumentaria consideravelmente?

    Uma outra função seria encher os dois porões de Gelo e SKOL gelada !!! igual ao compartimento de capacete da Honda BIZ.

    Como vemos o F-35 é mesmo de 5º geração se não garante ser realmente invísivel aos radares, pelo menos serve p/ fazer uma festinha ou entregar pizzas quentinhas. É o sonho de qualquer motoboy, rs….

  21. Bosco 26 de março de 2009 at 16:53 #

    Storm,
    o F-35 possui 6 pontos duros sob as asas (3 em cada). E é capaz de transportar uma grande quantidade de armas e combustível externamente (6 toneladas) se a furtividade não for necessária, como em ações assimétricas em após o sistema de defesa aérea do inimigo ter se deteriorado.
    Não podemos nos esquecer que muitas armas hoje em dia são furtivas (JASSM, JSOW, etc) ou receberam uma camada de material RAM, o que diminui muito o seu RCS.
    Também o F-35 é capaz de lançar uma séria de armas “stand-off” ficando fora do “envelope” do sistema defensivo.
    Quanto à vulnerabilidade na “abertura das portas” ela dura apenas 4 segundos e não aumenta significativamente o RCS no setor frotal.

  22. Bosco 26 de março de 2009 at 16:53 #

    Storm,
    o F-35 possui 6 pontos duros sob as asas (3 em cada). E é capaz de transportar uma grande quantidade de armas e combustível externamente (6 toneladas) se a furtividade não for necessária, como em ações assimétricas em após o sistema de defesa aérea do inimigo ter se deteriorado.
    Não podemos nos esquecer que muitas armas hoje em dia são furtivas (JASSM, JSOW, etc) ou receberam uma camada de material RAM, o que diminui muito o seu RCS.
    Também o F-35 é capaz de lançar uma séria de armas “stand-off” ficando fora do “envelope” do sistema defensivo.
    Quanto à vulnerabilidade na “abertura das portas” ela dura apenas 4 segundos e não aumenta significativamente o RCS no setor frotal.

  23. Rodrigo Marques 26 de março de 2009 at 17:41 #

    Bom,

    Pelo ponto de vista de quem deve ser o maior comprador e maior investidor do F-35, no caso os EUA, qualquer desvantagem me parece ser aplacada com o ataque prévio de misseis de cruzeiro e do B2.

    Então em um 2º momento entra em cena o F-35, enfrentando um inimigo com suas defesas AA bastante deterioradas em todos os aspectos ( comando e controle, infraestrutura, etc).

    Para outros compradores, ele evidentemente deve ser analisado sob outros aspectos como custo x benefício, transferencia de tecnologia, prazos de entrega, etc…

    No meu entendimento a versão STOVL seria perfeita para a MB.

    Abraços

  24. Rodrigo Marques 26 de março de 2009 at 17:41 #

    Bom,

    Pelo ponto de vista de quem deve ser o maior comprador e maior investidor do F-35, no caso os EUA, qualquer desvantagem me parece ser aplacada com o ataque prévio de misseis de cruzeiro e do B2.

    Então em um 2º momento entra em cena o F-35, enfrentando um inimigo com suas defesas AA bastante deterioradas em todos os aspectos ( comando e controle, infraestrutura, etc).

    Para outros compradores, ele evidentemente deve ser analisado sob outros aspectos como custo x benefício, transferencia de tecnologia, prazos de entrega, etc…

    No meu entendimento a versão STOVL seria perfeita para a MB.

    Abraços

  25. storm 26 de março de 2009 at 17:53 #

    Obrigado pelas informações Bosco e corrigindo onde digitei “RCC” é RCS como vc colocou

  26. storm 26 de março de 2009 at 17:53 #

    Obrigado pelas informações Bosco e corrigindo onde digitei “RCC” é RCS como vc colocou

  27. Nelson Lima 26 de março de 2009 at 18:28 #

    Já pensou se emperrar?

  28. Nelson Lima 26 de março de 2009 at 18:28 #

    Já pensou se emperrar?

  29. Manfred Von Richthofen 26 de março de 2009 at 20:42 #

    Nelson Lima, bem lembrado, não é impossível de acontecer.

  30. Manfred Von Richthofen 26 de março de 2009 at 20:42 #

    Nelson Lima, bem lembrado, não é impossível de acontecer.

  31. Bosco 26 de março de 2009 at 20:56 #

    Qualquer coisa pode emperrar em qualquer avião. O único componente de um caça que não deve emperrar nunca é o “assento ejetor”.

  32. Bosco 26 de março de 2009 at 20:56 #

    Qualquer coisa pode emperrar em qualquer avião. O único componente de um caça que não deve emperrar nunca é o “assento ejetor”.

  33. Bosco 26 de março de 2009 at 22:20 #

    Os EUA tem grande experiência em portas de compartimento de bombas. Desde a SGM com seus bombardeiros passando por uma série de bombardeiros e caças até os dias de hoje e o fato das mesmas emperrarem parece nunca ter sido um problema.
    Os mais recentes a usarem o dispositivo são os B-52, B-1, B-2,S-3, P-3, F-111, F-22, F-117, etc.
    Na realidade compartimentos de bombas são iguais aos compartimentos dos trens de pouso e nunca foi um grande problema tecnológico o emperramento das comportas do mesmo nem na aviação civil e nem na militar.

  34. Bosco 26 de março de 2009 at 22:20 #

    Os EUA tem grande experiência em portas de compartimento de bombas. Desde a SGM com seus bombardeiros passando por uma série de bombardeiros e caças até os dias de hoje e o fato das mesmas emperrarem parece nunca ter sido um problema.
    Os mais recentes a usarem o dispositivo são os B-52, B-1, B-2,S-3, P-3, F-111, F-22, F-117, etc.
    Na realidade compartimentos de bombas são iguais aos compartimentos dos trens de pouso e nunca foi um grande problema tecnológico o emperramento das comportas do mesmo nem na aviação civil e nem na militar.

  35. Flamenguista 27 de março de 2009 at 5:27 #

    Como diz o autor do site por mim postado acima, o JSF é comparável ao F-105 Thunderchief II, aeronave que não foi feita para ser o máximo em superioridade aérea mas sim uma plataforma robusta de autodefesa e ataque.
    Ele cita também que, a forma compacta do JSF degrada em muito a sua qualidade furtiva, além da forma do nariz da aeronave degradar o alcançe do radar. Ainda tem um interessante gráfico que mostra que, se a Austrália adotasse o F-22 (se estivesse disponível, claro) o custo de aquisição seria muito mais alto que o do JSF mas esse custo seria compensado pelo custo de operação ao longo dos anos. Além disso, ele cita que, com a aquisição de SU-30 por vários vizinhos da Austrália, o JSF seria pouco efetivo diante dos radares e armas BVR de fabricação russa, além de citar o avanço russo no que diz respeito a tecnologia FLIR. Diz o autor que, a doutrina russa é de disparar de uma só vez, dois mísseis com um tipo de seeker cada, tentando confundir as contramedidas do opositor.

  36. Flamenguista 27 de março de 2009 at 5:27 #

    Como diz o autor do site por mim postado acima, o JSF é comparável ao F-105 Thunderchief II, aeronave que não foi feita para ser o máximo em superioridade aérea mas sim uma plataforma robusta de autodefesa e ataque.
    Ele cita também que, a forma compacta do JSF degrada em muito a sua qualidade furtiva, além da forma do nariz da aeronave degradar o alcançe do radar. Ainda tem um interessante gráfico que mostra que, se a Austrália adotasse o F-22 (se estivesse disponível, claro) o custo de aquisição seria muito mais alto que o do JSF mas esse custo seria compensado pelo custo de operação ao longo dos anos. Além disso, ele cita que, com a aquisição de SU-30 por vários vizinhos da Austrália, o JSF seria pouco efetivo diante dos radares e armas BVR de fabricação russa, além de citar o avanço russo no que diz respeito a tecnologia FLIR. Diz o autor que, a doutrina russa é de disparar de uma só vez, dois mísseis com um tipo de seeker cada, tentando confundir as contramedidas do opositor.

  37. gil 27 de março de 2009 at 10:38 #

    Caros colegas, obrigado pelas considerações e ensinamentos, mas depois detudo o que li, pagar U$135,000,000,00 para usar um sofisticadíssimo vetor “furtivo” só depois do trabalho pesado dos B2,… pendurar grande quantidade de armamento nos pods externos….,humm!!!! …aí as vantagens do projeto já foram pro saco!!! bonito vê-lo num VSTOL sobre um NAe, bonito, bonito num papel de parede…mas e os inimigos no TO???!!! …vão ficar de boca aberta também???…claro que não…os pontos fracos estão sendo mapeados…os australianos que o digam!!!…já viram que o buraco é mais embaixo do que eles pensavam….pelo que foi investido no projeto…pelo custo unitário, pela movimentação dos vetores mais simples concorrentes que estarão disponíveis e seus aperfeiçoamentos tecnológicos, …muitos “silent planes” virão, acho que vão precisar de mais pressão política no “turbo” pra empurrar estas máquinas para os governos já afundados na coisa!!!

  38. gil 27 de março de 2009 at 10:38 #

    Caros colegas, obrigado pelas considerações e ensinamentos, mas depois detudo o que li, pagar U$135,000,000,00 para usar um sofisticadíssimo vetor “furtivo” só depois do trabalho pesado dos B2,… pendurar grande quantidade de armamento nos pods externos….,humm!!!! …aí as vantagens do projeto já foram pro saco!!! bonito vê-lo num VSTOL sobre um NAe, bonito, bonito num papel de parede…mas e os inimigos no TO???!!! …vão ficar de boca aberta também???…claro que não…os pontos fracos estão sendo mapeados…os australianos que o digam!!!…já viram que o buraco é mais embaixo do que eles pensavam….pelo que foi investido no projeto…pelo custo unitário, pela movimentação dos vetores mais simples concorrentes que estarão disponíveis e seus aperfeiçoamentos tecnológicos, …muitos “silent planes” virão, acho que vão precisar de mais pressão política no “turbo” pra empurrar estas máquinas para os governos já afundados na coisa!!!

  39. Marlos Barcelos 28 de março de 2009 at 12:10 #

    A austrália está pensando em não mais adotar o f-35, que é considerado muito caro,( podendo chegar até mesmo a 200 milhões de dólares cada), já que apenas 2% dos testes de vôo foram realizados, além disso seu desempenho está sendo muito contestado, há uma forte corrente na força aérea da austrália para que se usem o f-18.

  40. Marlos Barcelos 28 de março de 2009 at 12:10 #

    A austrália está pensando em não mais adotar o f-35, que é considerado muito caro,( podendo chegar até mesmo a 200 milhões de dólares cada), já que apenas 2% dos testes de vôo foram realizados, além disso seu desempenho está sendo muito contestado, há uma forte corrente na força aérea da austrália para que se usem o f-18.

  41. Marlos Barcelos 28 de março de 2009 at 12:12 #

    foram gastos 41 bilhões de dólares no projeto do f-35, lembro que os f-22 são projetados para voarem 4.000 hora cada, após isso deverão ser retirados de serviço, um caça americano voa 180 horas ano, façam os cáculos, o f-22 iniciou sua carreira em 2002.

  42. Marlos Barcelos 28 de março de 2009 at 12:12 #

    foram gastos 41 bilhões de dólares no projeto do f-35, lembro que os f-22 são projetados para voarem 4.000 hora cada, após isso deverão ser retirados de serviço, um caça americano voa 180 horas ano, façam os cáculos, o f-22 iniciou sua carreira em 2002.

  43. Anderson 15 de agosto de 2011 at 0:32 #

    Eu prefiro os SU-35

Trackbacks/Pingbacks

  1. F-35: entregue a primeira seção central de fuselagem de produção - 6 de maio de 2009

    […] 30, a Northrop Grumman Corporation anunciou a entrega da seção central de fuselagem do primeiro F-35 Lightning II de produção. A entrega foi feita para a Lockheed Martin, empresa líder do programa Joint Strike […]

  2. F-35: entregue a primeira seção central de fuselagem de produção - 6 de maio de 2009

    […] 30, a Northrop Grumman Corporation anunciou a entrega da seção central de fuselagem do primeiro F-35 Lightning II de produção. A entrega foi feita para a Lockheed Martin, empresa líder do programa Joint Strike […]

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Contrato de 12 aviões A330 MRTT para a Força Aérea Francesa

Aeronaves receberam o nome ‘Phénix’ e custarão 3 bilhões de euros, incluindo sistemas de apoio e treinamento. Terão três pontos […]

Centro de Suporte ao Cliente da Helibras recebe certificações ISO 9001 e NBR 15100

Estruturas da empresa localizadas em Itajubá (MG) e São Paulo (SP) também passaram por revalidação das normas  – O Centro […]

Veja no ForTe: Exército Brasileiro vai escolher seu blindado 4×4

O Projeto Estratégico Guarani, do Exército Brasileiro, deve selecionar em breve o vencedor do Programa VBMT-LR (Viatura Blindada Multitarefa, Leve de […]

Helibras: eixo de transmissão já foi substituído num dos EC725 entregues e em cinco da linha de produção

  Já do modelo civil EC225 em operação no Brasil, três já receberam o novo eixo, segundo a empresa. Cadência […]

FAB dá início a processo de modernização de radares tridimensionais

Com a atualização, os radares terão uma das mais altas tecnologias empregadas no mundo – O Parque de Material Eletrônic […]

Embraer expande Centro de Engenharia em Minas Gerais

A Embraer inaugura oficialmente nesta sexta-feira (21/11), em solenidade com a presença de autoridades locais, a expansão do seu Centro […]