Embraer mira mercado argentino

    85
    0

    Renovação da frota da Aerolineas Argentinas e aviação militar estão na mira

    A Embraer analisa participar da renovação da frota da Aerolineas Argentinas como medida para driblar a crise financeira que também afeta o setor de fabricação de aviões.

    Em entrevista ao jornal argentino “Clarín”, o novo vice-presidente da empresa para a América Latina, Luis Hamilton Lima, considerou que a região, e particularmente a Argentina, pode ser um dos maiores mercados para os aviões comerciais e até militares da empresa.

    “O mundo está em um momento de inflexão e as empresas aéreas não estão fora disso. É óbvio que os diretores revisam a demanda em função das previsões de transporte de passageiros. Os anos de 2009 e 2010 serão de transição na economia mundial”, disse.

    Porém, Lima vê na crise uma “grande oportunidade” para a Embraer.

    Segundo ele, a firma conta com o produto ideal para um mercado em retração, já que pode “substituir aeronaves de maior porte e adequar a oferta de assentos à demanda.

    “Em países como Argentina, Brasil e México, com grandes distâncias, as companhias aéreas não perderão tráfego doméstico”, comentou o diretor da firma, que tem os Estados Unidos como seus maiores clientes – com 60% da produção.

    “Neste contexto, a Argentina é muito importante porque a Aerolineas Argentinas deve renovar sua frota de aeronaves na transição ao Governo argentino. Há um potencial de substituição que podemos realizar”, explicou.

    O Governo argentino reconheceu que manteve contatos com a Embraer desde o ano passado. Ainda há a possibilidade de a firma brasileira abrir uma instalação para fabricar peças na província de Córdoba, no centro da Argentina, com ajuda do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

    “A Embraer entra perfeitamente porque nossas aeronaves atendem uma faixa de mercado diferente à da Airbus. É uma faixa de 76 a 120 assentos. Em rotas de alta densidade é melhor um avião com maior capacidade, mas nossos aviões são complementares: permitem aumentar as freqüências onde a demanda é menor”, apontou.

    FONTE: Agência EFE

    NO COMMENTS

    1. Interessante. Tem que fazer isso mesmo, diversificar os mercados (até então, o maior mercado da empresa são os EUA, que está em crise ferrenha). No entanto, o saída para a Embraer, neste momento, será (ou deveria ser) um incremento de vendas no mercado interno.

      Segundo o presidente da Azul, que utiliza exclusivamente aviões da Embraer, o mercado interno, neste ano, tem previsão de crescimento…a própria empresa Azul tem um contrato para 14 novos aviões da Embraer, ainda para este ano.

      abraços a todos

    2. Interessante. Tem que fazer isso mesmo, diversificar os mercados (até então, o maior mercado da empresa são os EUA, que está em crise ferrenha). No entanto, o saída para a Embraer, neste momento, será (ou deveria ser) um incremento de vendas no mercado interno.

      Segundo o presidente da Azul, que utiliza exclusivamente aviões da Embraer, o mercado interno, neste ano, tem previsão de crescimento…a própria empresa Azul tem um contrato para 14 novos aviões da Embraer, ainda para este ano.

      abraços a todos

    3. O cancelamento e o adiamento de entregas para outros clientes é que tem possibilitado a Azul de crescer. Portanto, isto não significa que o mercado da Embraer cresceu, muito pelo contrário. Mesmo com as entregas para Azul o número total vai cair muito.

      Em relação a Argentina, como dizem por aí, papel aceita tudo. Querer comprar é coisa. Comprar e PAGAR é outra coisa bem diferente.

      A Argentina não tem mais crédito no mercado internacional, por isso não tem como adquirir aviões de outros fabricantes. Novamente o Brasil deve usar o BNDES para financiar – com dinheiro do nosso FGTS – clientes caloteiros.

      É uma pouca vergonha. A dispensa de funcionários da Embraer ainda vai ser usada para justificar mais recursos para manter a atividade na empresa, caso contrário, mais demissões vão ocorrer.

      Leo

    4. O cancelamento e o adiamento de entregas para outros clientes é que tem possibilitado a Azul de crescer. Portanto, isto não significa que o mercado da Embraer cresceu, muito pelo contrário. Mesmo com as entregas para Azul o número total vai cair muito.

      Em relação a Argentina, como dizem por aí, papel aceita tudo. Querer comprar é coisa. Comprar e PAGAR é outra coisa bem diferente.

      A Argentina não tem mais crédito no mercado internacional, por isso não tem como adquirir aviões de outros fabricantes. Novamente o Brasil deve usar o BNDES para financiar – com dinheiro do nosso FGTS – clientes caloteiros.

      É uma pouca vergonha. A dispensa de funcionários da Embraer ainda vai ser usada para justificar mais recursos para manter a atividade na empresa, caso contrário, mais demissões vão ocorrer.

      Leo

    5. Afora toda linha de aeronaves civis, temos ainda Tucanos, Super Tucanos, R99A / R99B / R99C, C-390* e ainda modernização de toda frota de A-4 Skyhawk.

      No caso do C-390, eles ainda podem se tornar parceiros de risco, e ainda arrisco dizer que essa parceria poderia se extender ao campo de aeronaves ou motores a jato.

    6. Afora toda linha de aeronaves civis, temos ainda Tucanos, Super Tucanos, R99A / R99B / R99C, C-390* e ainda modernização de toda frota de A-4 Skyhawk.

      No caso do C-390, eles ainda podem se tornar parceiros de risco, e ainda arrisco dizer que essa parceria poderia se extender ao campo de aeronaves ou motores a jato.

    7. Só a título de curiosidade, deixo aqui a matéria que citei acima, sem dar referência.

      Dono da Azul diz a Mantega que mercado de aviação deve crescer no Brasil
      Data: 19 de Fevereiro de 2009

      O dono da empresa de aviação Azul Linhas Aéreas, David Neeleman, teve hoje (18) uma audiência de mais de hora com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e disse que o mercado de aviação no Brasil “ainda é muito baixo, considerando-se o tamanho do país e a importância do transporte aéreo para o desenvolvimento”.

      Ele deixou o encontro afirmando que, durante a reunião, ele e o ministro fizeram apenas comentários sobre os mercados de aviação no Brasil e sobre as dificuldades geradas pela crise financeira internacional. Neeleman ressaltou que hoje menos de 50 milhões de brasileiros usam o transporte aéreo para seus deslocamentos, e acredita que “tem que ser muito mais”.

      Com esse objetivo, a nova empresa, inaugurada no final do ano passado, oferece passagens abaixo do custo, com serviços diferenciados, para estimular que mais pessoas usem os aviões da Azul Linhas Aéreas, que opera, no momento, com sete aeronaves fabricadas pela Embraer, modelos 190, de 106 passageiros, e 195, para 118 passageiros.

      A empresa tem opção de mais 14 aeronaves da Embraer, de acordo com Neeleman, que os considera “melhores que os aviões [fabricados] dos Estados Unidos ou de qualquer lugar”, e diz que o Embraer 195 é o avião mais confortável e avançado de sua categoria.

      “A Embraer é muito importante para este país”, segundo ele, pois “está fabricando os aviões que os brasileiros estão voando pela primeira vez”, afirmou.

      A Azul opera, no momento, nos aeroportos de Porto Alegre, Curitiba, Campinas, Vitória, Salvador e Recife, e deve estender suas atividades, ainda neste semestre, para os aeroportos de Brasília, Goiânia, do Rio de Janeiro, de Belo Horizonte, João Pessoa, Uberlândia e Florianópolis.

      Fonte: http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2009/02/18/materia.2009-02-18.7089264570/view

      abraços a todos

    8. Só a título de curiosidade, deixo aqui a matéria que citei acima, sem dar referência.

      Dono da Azul diz a Mantega que mercado de aviação deve crescer no Brasil
      Data: 19 de Fevereiro de 2009

      O dono da empresa de aviação Azul Linhas Aéreas, David Neeleman, teve hoje (18) uma audiência de mais de hora com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e disse que o mercado de aviação no Brasil “ainda é muito baixo, considerando-se o tamanho do país e a importância do transporte aéreo para o desenvolvimento”.

      Ele deixou o encontro afirmando que, durante a reunião, ele e o ministro fizeram apenas comentários sobre os mercados de aviação no Brasil e sobre as dificuldades geradas pela crise financeira internacional. Neeleman ressaltou que hoje menos de 50 milhões de brasileiros usam o transporte aéreo para seus deslocamentos, e acredita que “tem que ser muito mais”.

      Com esse objetivo, a nova empresa, inaugurada no final do ano passado, oferece passagens abaixo do custo, com serviços diferenciados, para estimular que mais pessoas usem os aviões da Azul Linhas Aéreas, que opera, no momento, com sete aeronaves fabricadas pela Embraer, modelos 190, de 106 passageiros, e 195, para 118 passageiros.

      A empresa tem opção de mais 14 aeronaves da Embraer, de acordo com Neeleman, que os considera “melhores que os aviões [fabricados] dos Estados Unidos ou de qualquer lugar”, e diz que o Embraer 195 é o avião mais confortável e avançado de sua categoria.

      “A Embraer é muito importante para este país”, segundo ele, pois “está fabricando os aviões que os brasileiros estão voando pela primeira vez”, afirmou.

      A Azul opera, no momento, nos aeroportos de Porto Alegre, Curitiba, Campinas, Vitória, Salvador e Recife, e deve estender suas atividades, ainda neste semestre, para os aeroportos de Brasília, Goiânia, do Rio de Janeiro, de Belo Horizonte, João Pessoa, Uberlândia e Florianópolis.

      Fonte: http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2009/02/18/materia.2009-02-18.7089264570/view

      abraços a todos

    9. RL

      A associação da Embraer com a Argentina, quase levou a empresa brasileira à falência. Não faliu porque era estatal. O CBA-123 foi uma caso típico de políticos querendo meter o bedelho onde não entendem.

      Não adianta forçar associações entre empresas ou países sem viabilidade econômica ou onde o risco pode exceder as oportunidades.
      Fazer qualquer projeto a longo prazo com a Argentina na atual conjuntura econômica mundial e na situação econômico/política do nosso país vizinho é um completo suicídio.

      A Argentina está a beira da bancarrota. Só sobrevive financeiramente devido aos “empréstimos” da Venezuela. Lembre-se que a bem pouco tempo ela deu um calote de 75% da dívida. Ou seja, quem emprestou 100 para argentina, hoje só teria 25.

      Imagine um calote destes para uma Embraer ou o BNDES. Para Embraer seria um caos.

      Leo

    10. RL

      A associação da Embraer com a Argentina, quase levou a empresa brasileira à falência. Não faliu porque era estatal. O CBA-123 foi uma caso típico de políticos querendo meter o bedelho onde não entendem.

      Não adianta forçar associações entre empresas ou países sem viabilidade econômica ou onde o risco pode exceder as oportunidades.
      Fazer qualquer projeto a longo prazo com a Argentina na atual conjuntura econômica mundial e na situação econômico/política do nosso país vizinho é um completo suicídio.

      A Argentina está a beira da bancarrota. Só sobrevive financeiramente devido aos “empréstimos” da Venezuela. Lembre-se que a bem pouco tempo ela deu um calote de 75% da dívida. Ou seja, quem emprestou 100 para argentina, hoje só teria 25.

      Imagine um calote destes para uma Embraer ou o BNDES. Para Embraer seria um caos.

      Leo

    11. Leo,

      e acho que para o BNDES também.

      Concordo contigo, num momento delicado como o que estamos vivendo, não se pode errar mais… A margem para erro está curta. Precisamos de muita prudência, especialmente agora.

      Não sei se a Argentina é ou não uma boa, neste momento. O que eu acho é que devemos (a Embraer, no caso) ter muita prudência em seus próximos negócios, para não complicar ainda mais a situação.

      abraços

    12. Leo,

      e acho que para o BNDES também.

      Concordo contigo, num momento delicado como o que estamos vivendo, não se pode errar mais… A margem para erro está curta. Precisamos de muita prudência, especialmente agora.

      Não sei se a Argentina é ou não uma boa, neste momento. O que eu acho é que devemos (a Embraer, no caso) ter muita prudência em seus próximos negócios, para não complicar ainda mais a situação.

      abraços

    13. só pra concluir…entretanto, acho que a Embraer tem que diversificar mais seu mercado (que é ainda muito dependente dos EUA, cerca de 45%…e se somar com a Europa, quase dobra essa percentagem) e se possível ampliar sua cota de vendas no mercado interno.

      Essa ampliação até pode incluir a AL e Argentina, mas tem que ter prudência na coisa…Não achar que se encontrou um “pote de ouro” que estava atrás do arco-iris, porque senão este pote pode trazer muita dor de cabeça no futuro…sei lá, penso assim…

      abraços

    14. só pra concluir…entretanto, acho que a Embraer tem que diversificar mais seu mercado (que é ainda muito dependente dos EUA, cerca de 45%…e se somar com a Europa, quase dobra essa percentagem) e se possível ampliar sua cota de vendas no mercado interno.

      Essa ampliação até pode incluir a AL e Argentina, mas tem que ter prudência na coisa…Não achar que se encontrou um “pote de ouro” que estava atrás do arco-iris, porque senão este pote pode trazer muita dor de cabeça no futuro…sei lá, penso assim…

      abraços

    15. Com a fraqueza demonstrada pelo governo nos episódios Bolívia e Paraguay os hermmanos vão “deitar e rolar”.
      Uma parceria destas é viável desde que se tenha uma política externa clara e forte que não queira bancar o “bonzinho” e nem ser irmão mais velho de ninguém !!!

    16. Com a fraqueza demonstrada pelo governo nos episódios Bolívia e Paraguay os hermmanos vão “deitar e rolar”.
      Uma parceria destas é viável desde que se tenha uma política externa clara e forte que não queira bancar o “bonzinho” e nem ser irmão mais velho de ninguém !!!

    17. Concordo com o Hornet,

      A Embraer tem que ampliar seu mercado de aeronaves. Neste momento de vacas magras, diversificar é o nome da possível salvação.

      Preciso caçar umas bombas. To meio extressado ultimamente. Aquele guarda-árabe-turbante-Kalashnikov-Bin-Ládem não perde por esperar. Nem mesmo os ursos polares do Hornet irão me deter nesta empreitada. A sogra merece um presente.

      Já que o Blog Naval está falando de carNaval com TU-22 martelando Carrier dos esteites, resolvi caçar essa bomba novamente.

      E aí, Hornet, vai amarelar???????????????????

    18. Concordo com o Hornet,

      A Embraer tem que ampliar seu mercado de aeronaves. Neste momento de vacas magras, diversificar é o nome da possível salvação.

      Preciso caçar umas bombas. To meio extressado ultimamente. Aquele guarda-árabe-turbante-Kalashnikov-Bin-Ládem não perde por esperar. Nem mesmo os ursos polares do Hornet irão me deter nesta empreitada. A sogra merece um presente.

      Já que o Blog Naval está falando de carNaval com TU-22 martelando Carrier dos esteites, resolvi caçar essa bomba novamente.

      E aí, Hornet, vai amarelar???????????????????

    19. Oi pessoal, deixa eu meter minha colher na Embraer… Quando se faz negócio com caloteiro “duro”, é só trocar por mercadorias, à vista. Que tal trigo, ou petróleo Argentinos (da melhor qualidade)? Vocês acham que os executivos da Embraer são incompetentes? A fábrica a ser feita lá, é claro que poderia ser feita aqui. Mas, como eles poderiam dar calote neste caso, se as peças seriam da Embraer? Fazer negócios é perigoso e dá trabalho. Nosso governo foi bonzinho demais com Bolivia e Equador, mas o Paraguai se ferrou (10.000 homens de elite na fronteira é mole?). Aliás, a tucana Veja mostra em reportagem recente que, devido à crise e à entrada em produção de novos campos no mar, logo logo não precisaremos mais importar gás do Evo (e ele “sifu”, segundo nosso presidente). Bom carnaval a todos!

    20. Oi pessoal, deixa eu meter minha colher na Embraer… Quando se faz negócio com caloteiro “duro”, é só trocar por mercadorias, à vista. Que tal trigo, ou petróleo Argentinos (da melhor qualidade)? Vocês acham que os executivos da Embraer são incompetentes? A fábrica a ser feita lá, é claro que poderia ser feita aqui. Mas, como eles poderiam dar calote neste caso, se as peças seriam da Embraer? Fazer negócios é perigoso e dá trabalho. Nosso governo foi bonzinho demais com Bolivia e Equador, mas o Paraguai se ferrou (10.000 homens de elite na fronteira é mole?). Aliás, a tucana Veja mostra em reportagem recente que, devido à crise e à entrada em produção de novos campos no mar, logo logo não precisaremos mais importar gás do Evo (e ele “sifu”, segundo nosso presidente). Bom carnaval a todos!

    21. Se correr o bicho pega , se ficar o bicho come!
      Concordo, a Embraer tem mesmo que diversificar mercados.

      Creio que daqui para a frente o dolar será cada vez menos utilizado no comércio internacional, já existem inclusive acordos entre Brasil e Argentina para que o comercio seja feito diretamente em Reais e Pesos, tomadas as devidas garantias, isto pode abrir possibilidades de comercio entre ambos, inclusive para a Embraer, más com argentinos… si , aí que precaver-se !

      Parece que estão sendo feitos estudos para acordos com outros paises da AL para estabelecer este comercio direto, sem intermediação do dólar.

      Os Estados Unidos podem dar um hiper-super-megacalote no mundo inteiro,pois são o país mais endividado do planeta,e os dolares emitidos a rodo pelas prensas do FED,
      a muito tempo não tem lastro. Se isto acontecer gradativamente, menos mal, más se for de repente, aí vai ser o caos!

    22. Se correr o bicho pega , se ficar o bicho come!
      Concordo, a Embraer tem mesmo que diversificar mercados.

      Creio que daqui para a frente o dolar será cada vez menos utilizado no comércio internacional, já existem inclusive acordos entre Brasil e Argentina para que o comercio seja feito diretamente em Reais e Pesos, tomadas as devidas garantias, isto pode abrir possibilidades de comercio entre ambos, inclusive para a Embraer, más com argentinos… si , aí que precaver-se !

      Parece que estão sendo feitos estudos para acordos com outros paises da AL para estabelecer este comercio direto, sem intermediação do dólar.

      Os Estados Unidos podem dar um hiper-super-megacalote no mundo inteiro,pois são o país mais endividado do planeta,e os dolares emitidos a rodo pelas prensas do FED,
      a muito tempo não tem lastro. Se isto acontecer gradativamente, menos mal, más se for de repente, aí vai ser o caos!

    23. Paranóia, pode ser, más,

      as vezes fico com uma pulga atrás da orelha, se
      a Boing e a Embraer, não tem um acordo por baixo dos panos.

      1º a Boing propõem a montagem conjunta com a Embraer do Super Hornet,o que vai gerar tantos empregos…em seguida, quase simultaneo, a Embraer demite os 4.000 funcionários.Fica bem conveniente, se a Boing ganhar o FX2, voltam os funcionários.

      Más deve ser paranóia minha…

    24. Paranóia, pode ser, más,

      as vezes fico com uma pulga atrás da orelha, se
      a Boing e a Embraer, não tem um acordo por baixo dos panos.

      1º a Boing propõem a montagem conjunta com a Embraer do Super Hornet,o que vai gerar tantos empregos…em seguida, quase simultaneo, a Embraer demite os 4.000 funcionários.Fica bem conveniente, se a Boing ganhar o FX2, voltam os funcionários.

      Más deve ser paranóia minha…

    25. Vassili,

      vamos nessa! Aliás, aproveitando a época de Carnaval, a gente se infiltra fácil em ambiente hostil…é só enrolar uma toalha na cabeça, colocar umas barbas postiças, uns bigodes e tal que os ursos polares nem vão notar nada de anormal…a gente passa pela segurança sem problema nenhum…hehehe

      abração

    26. Vassili,

      vamos nessa! Aliás, aproveitando a época de Carnaval, a gente se infiltra fácil em ambiente hostil…é só enrolar uma toalha na cabeça, colocar umas barbas postiças, uns bigodes e tal que os ursos polares nem vão notar nada de anormal…a gente passa pela segurança sem problema nenhum…hehehe

      abração

    27. Caro War

      Talvez você não esteja acompanhado a gravidade da situação argentina. Não existe respeito às instituições na Argentina. O caso da Aerolineas Argentinas é uma exemplo. Foi privatizada e depois tomada de volta.

      Recentemente o governo tinha proposto um “imposto” que retinha simplesmente 45% do valor bruto das exportações de produtos agrícolas. Os produtores não tinham condições nem de cobrir o custo de produção.

      Na semana passada estive em Mendoza e meu amigos me diziam que a inflação real no País já ultrapassa os 40% ao ano (estão a beira da volta da hiperhinflação) enquanto o governo só admite 12%.

      Em países com instituições democráticas frágeis, que não respeitam a propriedade privada, contratos, etc. é loucura ou irresponsabilidade se fazer planos de investimentos a longo prazo.

      A Embraer já está envolvida com fábricas na China, EUA e agora Portugal. Não está numa situação nenhum um pouco confortável para
      falar em criar novas fábricas.

    28. Caro War

      Talvez você não esteja acompanhado a gravidade da situação argentina. Não existe respeito às instituições na Argentina. O caso da Aerolineas Argentinas é uma exemplo. Foi privatizada e depois tomada de volta.

      Recentemente o governo tinha proposto um “imposto” que retinha simplesmente 45% do valor bruto das exportações de produtos agrícolas. Os produtores não tinham condições nem de cobrir o custo de produção.

      Na semana passada estive em Mendoza e meu amigos me diziam que a inflação real no País já ultrapassa os 40% ao ano (estão a beira da volta da hiperhinflação) enquanto o governo só admite 12%.

      Em países com instituições democráticas frágeis, que não respeitam a propriedade privada, contratos, etc. é loucura ou irresponsabilidade se fazer planos de investimentos a longo prazo.

      A Embraer já está envolvida com fábricas na China, EUA e agora Portugal. Não está numa situação nenhum um pouco confortável para
      falar em criar novas fábricas.

    29. Washington, 23 fev (EFE).- O líder dos Estados Unidos, Barack Obama, receberá o presidente Luiz Inácio Lula da Silva no dia 17 de março em Washington, informou hoje a embaixada brasileira na capital americana.

    30. Washington, 23 fev (EFE).- O líder dos Estados Unidos, Barack Obama, receberá o presidente Luiz Inácio Lula da Silva no dia 17 de março em Washington, informou hoje a embaixada brasileira na capital americana.

    31. Qual é assumto? O Brasil é o unico país da América Latina confiável para os americanos. O assunto principal deve ser o de interesse da defesa. O mangabeira era professor lá e depois de tanto tempo dá para perceber que o Brasil finge que coisa e tal, mas um acordo deve estar sendo costurado a muito tempo.

    32. Qual é assumto? O Brasil é o unico país da América Latina confiável para os americanos. O assunto principal deve ser o de interesse da defesa. O mangabeira era professor lá e depois de tanto tempo dá para perceber que o Brasil finge que coisa e tal, mas um acordo deve estar sendo costurado a muito tempo.

    33. Hornet,

      Não sei se vc percebeu, mas essa bomba perdida que eu tenho como hobbie procurar é a mesma do filme do CarNAVAL do Poggio.

      Ainda tem a CIA e a FSB 9 (ex- KGB ) no pedaço. E se a área ficar quente? Tu ja sabe, é perna pra que te quero, rs,rs,rs.

      É um por Deus e Deus contra todos, um verdadeiro pega pra capar.

      abraços.

    34. Hornet,

      Não sei se vc percebeu, mas essa bomba perdida que eu tenho como hobbie procurar é a mesma do filme do CarNAVAL do Poggio.

      Ainda tem a CIA e a FSB 9 (ex- KGB ) no pedaço. E se a área ficar quente? Tu ja sabe, é perna pra que te quero, rs,rs,rs.

      É um por Deus e Deus contra todos, um verdadeiro pega pra capar.

      abraços.

    35. Vassili,

      aquela bomba do filme do carNAVAL, que o Poggio colocou, já é mais fácil de caçar. É só afundar um Nimitz e correr pro abraço…nem tem urso polar de sentinela e nem nada…maior moleza!….hehehehe

      abraços

    36. Vassili,

      aquela bomba do filme do carNAVAL, que o Poggio colocou, já é mais fácil de caçar. É só afundar um Nimitz e correr pro abraço…nem tem urso polar de sentinela e nem nada…maior moleza!….hehehehe

      abraços

    37. Não vejo nada demais o BNDS financiar exportãções para quem quer que seja, até para a Argentina, com a chancela do governo brasileiro. Pagar eles pagam, até com carne, trigo e outros produtos deles. Ainda que tímidos, vemos passos do país rumo a reintegração no mercado mundial. Mas do gpoverno brasileiro espero mais. Desde a definição da participação da Embraer no fX-2, a decolagem dos programas de modernização do AMX, dos Bandeirantes e dos Supertucanos, com a reversão de parte das demissões de pessoal já efetuadas pela empresa.

    38. Não vejo nada demais o BNDS financiar exportãções para quem quer que seja, até para a Argentina, com a chancela do governo brasileiro. Pagar eles pagam, até com carne, trigo e outros produtos deles. Ainda que tímidos, vemos passos do país rumo a reintegração no mercado mundial. Mas do gpoverno brasileiro espero mais. Desde a definição da participação da Embraer no fX-2, a decolagem dos programas de modernização do AMX, dos Bandeirantes e dos Supertucanos, com a reversão de parte das demissões de pessoal já efetuadas pela empresa.

    39. Não acho que é uma boa fazer negócio com argentinos. Nunca deu certo na história. Eles dizem que o Tucano é uma porcaria de avião e que foram eles que fizeram sugestões à embraer para melhorar o avião. Rola uma inveja não só em relação á indústria aeronáutica brasileira, mas em tudo.
      Eles sempre souberam que a Embraer produz aviões “world-class” mas sempre preferiram comprar de outros fabricantes. E ainda, na imprensa especializada deles, sempre dão um jeito de meter o pau nos aviões brasileiros. Não é paranóia minha, mas a pura verdade, é a personalidade do povo.
      Ainda querem agora que a Embraer abra uma fábrica lá como contrapartida da compra de algumas unidades para o governo e para a Aerolíneas. Agora isso virou moda. Se todo mundo que quiser comprar avião exigir que se abra uma fábrica no país, a empresa quebra.
      Com certeza, a Embraer é contra. Na China, também estavam pressionando. Queriam que levasse a linha do 170/190 para lá como condição para fechamento de algumas vendas.
      Um passarinho, nesta manhã, veio aqui na minha casa e me disse que a Indonésia está bem próxima de fechar a comprar de um lote de Super Tucano. Aguardem.

    40. Não acho que é uma boa fazer negócio com argentinos. Nunca deu certo na história. Eles dizem que o Tucano é uma porcaria de avião e que foram eles que fizeram sugestões à embraer para melhorar o avião. Rola uma inveja não só em relação á indústria aeronáutica brasileira, mas em tudo.
      Eles sempre souberam que a Embraer produz aviões “world-class” mas sempre preferiram comprar de outros fabricantes. E ainda, na imprensa especializada deles, sempre dão um jeito de meter o pau nos aviões brasileiros. Não é paranóia minha, mas a pura verdade, é a personalidade do povo.
      Ainda querem agora que a Embraer abra uma fábrica lá como contrapartida da compra de algumas unidades para o governo e para a Aerolíneas. Agora isso virou moda. Se todo mundo que quiser comprar avião exigir que se abra uma fábrica no país, a empresa quebra.
      Com certeza, a Embraer é contra. Na China, também estavam pressionando. Queriam que levasse a linha do 170/190 para lá como condição para fechamento de algumas vendas.
      Um passarinho, nesta manhã, veio aqui na minha casa e me disse que a Indonésia está bem próxima de fechar a comprar de um lote de Super Tucano. Aguardem.

    41. Penso que “los hermanos” sempre poderão nos pagar com trigo, carne, petróleo, vinho, azeite de oliva, maçãs, lã e manufaturados. Devemos deixar de lado nos divergências no campo esportivo e eventualmente geopolítico e pensar com o pragmatismo americano, “because business is business and the rest is the rest”.

    42. Penso que “los hermanos” sempre poderão nos pagar com trigo, carne, petróleo, vinho, azeite de oliva, maçãs, lã e manufaturados. Devemos deixar de lado nos divergências no campo esportivo e eventualmente geopolítico e pensar com o pragmatismo americano, “because business is business and the rest is the rest”.

    43. Hornet,

      Isso mesmo, afinal, quem não consegue afundar um Nimitz???????

      Só no Poder Naval, eu conheço uns 15 destruidores de US Carrier. Até a marinha peruana conseguiu essa proeza. Imagine nós, exímios SABOTADORES de plantão da RESISTANCE do Ulisses. É só olhar feio que todas a US Navy se auto afunda, a bomba emerge e nós vamos pra galera.

      Hoje eu surtei geral.

      O assunto é Embraer e olha para onde descambou………… os editores do Blog devem ficar desiludidos com esses comentários.

      abraços.

    44. Hornet,

      Isso mesmo, afinal, quem não consegue afundar um Nimitz???????

      Só no Poder Naval, eu conheço uns 15 destruidores de US Carrier. Até a marinha peruana conseguiu essa proeza. Imagine nós, exímios SABOTADORES de plantão da RESISTANCE do Ulisses. É só olhar feio que todas a US Navy se auto afunda, a bomba emerge e nós vamos pra galera.

      Hoje eu surtei geral.

      O assunto é Embraer e olha para onde descambou………… os editores do Blog devem ficar desiludidos com esses comentários.

      abraços.

    LEAVE A REPLY