Max Immelmann (1890-1916) e Oswald Boelcke (1891-1916) foram os primeiros heróis aéreos alemães da Primeira Guerra Mundial, uma vez que varreram dos céus aviadores aliados, com suas aeronaves Fokker E.III.
No processo, descobriram algumas verdades básicas que governavam o combate aéreo e que iriam guiar gerações de pilotos de aviões de combate ainda por nascer.
Conhecido como “a Águia de Lille”, por causa de seu sucesso naquele setor, Immelmann (15 vitórias) dominava a tática aérea, e seu nome iria sobreviver numa manobra de acrobacia aérea usada até hoje.
Sua morte numa batalha aérea de curta distância, em junho de 1916, assinalou o fim não-oficial do flagelo Fokker.
Oswald Boelcke reivindicou a primeira vitória num monoplano Fokker. Analista sagaz do combate aéreo, ele desenvolveu uma série de regras que tornariam possível a seus jovens seguidores sobreviverem:

  • Sempre que possível, ataque por cima e por trás;
  • Tente atacar vindo do sol;
  • Não atire até que esteja perto do inimigo e o tenha enquadrado na sua mira;
  • Ataque quando o inimigo menos espera, ou quando ele estiver preocupado com outras tarefas;
  • Nunca fuja de um ataque: dê a volta e o enfrente de frente;
  • Mantenha o olho no inimigo e não se deixe ludibriar. Se uma aeronave parece estar fatalmente danificada, siga-a até o solo para ter certeza disso;
  • Atos tolos de bravura levam à morte. Obedeça sempre aos sinais do líder.

Com 40 vitórias a seu crédito, Boelcke resumiu sua filosofia numa discussão com seu aluno mais talentoso, Manfred von Richthofen (que ficou conhecido mais tarde como Barão Vermelho e cujo triplano aparece na ilustração acima). Boelcke explicou: “Eu vôo perto do meu alvo, miro cuidadosamente, atiro e, então, é claro, ele cai.”
O padrão estava configurado. Os aviadores se destacariam como os mais celebrados heróis da guerra.  E não seriam esquecidos…

FONTE: Livro “ASAS, uma história da aviação: das pipas à era espacial” – Tom D. Crouch – Ed. Record

Tags: , , ,

Jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

33 Responses to “Os primeiros ases e as regras básicas do combate aéreo” Subscribe

  1. joao 8 de novembro de 2008 at 13:04 #

    Bacana materia. Esses alemaes realmente sempre foram grandes pilotos e pioneiros em tudo,apesar das manchas da Historia. Bravo.

  2. joao 8 de novembro de 2008 at 13:04 #

    Bacana materia. Esses alemaes realmente sempre foram grandes pilotos e pioneiros em tudo,apesar das manchas da Historia. Bravo.

  3. Manfred Von Richthofen 8 de novembro de 2008 at 13:12 #

    Gostei de ter sido citado no post, mas gostaria de um post exclusivo dedicado às minhas proezas. É possível?

  4. Manfred Von Richthofen 8 de novembro de 2008 at 13:12 #

    Gostei de ter sido citado no post, mas gostaria de um post exclusivo dedicado às minhas proezas. É possível?

  5. paulo costa 8 de novembro de 2008 at 13:12 #

    Estes aeroplanos eram usados no inicio,como observadores de
    artilharia,ligação,e observação no front.
    Com certeza foi o inicio da aviação de combate moderna…

  6. paulo costa 8 de novembro de 2008 at 13:12 #

    Estes aeroplanos eram usados no inicio,como observadores de
    artilharia,ligação,e observação no front.
    Com certeza foi o inicio da aviação de combate moderna…

  7. Manfred Von Richthofen 8 de novembro de 2008 at 13:16 #

    Engano seu, Paulo. Os combates aéreos na WWI foram muito intensos. Eram carnificina pura em aviões rudimentares, é só ver o número de aviões abatidos e a quantidade de pilotos mortos. Pena que pouca gente lê sobre o assunto.

  8. Manfred Von Richthofen 8 de novembro de 2008 at 13:16 #

    Engano seu, Paulo. Os combates aéreos na WWI foram muito intensos. Eram carnificina pura em aviões rudimentares, é só ver o número de aviões abatidos e a quantidade de pilotos mortos. Pena que pouca gente lê sobre o assunto.

  9. LeoPaiva 8 de novembro de 2008 at 13:54 #

    Você está correto caro Manfred, mas o que o Paulo quis dizer é que no princípio de tudo a idéia era fazer reconhecimento, posteriormente os pilotos e observadores, começaram a levar armas de punho, depois armas maiores, até que um dia um iluminado ( Roland Garros ) fixou uma metralhadora, foi capturado pelos alemães que copiaram sua idéia, e então surgiu a necessidade de superioridade aérea, onde os aviões evoluíram para superar uns aos outros e não mais apenas para fazerem reconhecimento e jogar granadas de mão nos soldados.

  10. LeoPaiva 8 de novembro de 2008 at 13:54 #

    Você está correto caro Manfred, mas o que o Paulo quis dizer é que no princípio de tudo a idéia era fazer reconhecimento, posteriormente os pilotos e observadores, começaram a levar armas de punho, depois armas maiores, até que um dia um iluminado ( Roland Garros ) fixou uma metralhadora, foi capturado pelos alemães que copiaram sua idéia, e então surgiu a necessidade de superioridade aérea, onde os aviões evoluíram para superar uns aos outros e não mais apenas para fazerem reconhecimento e jogar granadas de mão nos soldados.

  11. Fábio Max 8 de novembro de 2008 at 14:15 #

    E o interessante é notar que muitas destas regras até hoje são válidas no combate aéreo, décadas e muitos saltos tecnológicos depois.

  12. Fábio Max 8 de novembro de 2008 at 14:15 #

    E o interessante é notar que muitas destas regras até hoje são válidas no combate aéreo, décadas e muitos saltos tecnológicos depois.

  13. Hornet 8 de novembro de 2008 at 15:14 #

    Caro Manfred,

    me diga uma coisa, se a gente desse uma lubrificada e uma turbinada nesse seu triplano invocadão, será que ele ainda não dava um “caldo”? rs.rs.rs.

    Sempre gostei deste avião.

    um forte abraço

  14. Hornet 8 de novembro de 2008 at 15:14 #

    Caro Manfred,

    me diga uma coisa, se a gente desse uma lubrificada e uma turbinada nesse seu triplano invocadão, será que ele ainda não dava um “caldo”? rs.rs.rs.

    Sempre gostei deste avião.

    um forte abraço

  15. Fernando-Canoas 8 de novembro de 2008 at 15:44 #

    Amigos…
    Nestes primórdios anos da aviação de combate, os caras eram muito corajosos……

    Um brinde aos bravos pilotos e suas belas máquinas de voar!!!!

  16. Fernando-Canoas 8 de novembro de 2008 at 15:44 #

    Amigos…
    Nestes primórdios anos da aviação de combate, os caras eram muito corajosos……

    Um brinde aos bravos pilotos e suas belas máquinas de voar!!!!

  17. Manfred Von Richthofen 8 de novembro de 2008 at 15:50 #

    Caro, Hornet.
    Com certeza, meu Fokker Dr.1 daria algum trabalho hoje, pois seria praticamente stealth aos radares, já que era feito quase todo de madeira e entelado… heheh

  18. Manfred Von Richthofen 8 de novembro de 2008 at 15:50 #

    Caro, Hornet.
    Com certeza, meu Fokker Dr.1 daria algum trabalho hoje, pois seria praticamente stealth aos radares, já que era feito quase todo de madeira e entelado… heheh

  19. LeoPaiva 8 de novembro de 2008 at 16:01 #

    Bem lembrado Fernando, sem pára-quedas, assento ejetor, instrumentos, rádio, e com uma confiabilidade mecânica muito suspeita, era só na “munheca” e no golpe de vista.

    Pura coragem e gosto pela aviação.

  20. LeoPaiva 8 de novembro de 2008 at 16:01 #

    Bem lembrado Fernando, sem pára-quedas, assento ejetor, instrumentos, rádio, e com uma confiabilidade mecânica muito suspeita, era só na “munheca” e no golpe de vista.

    Pura coragem e gosto pela aviação.

  21. Hornet 8 de novembro de 2008 at 18:25 #

    É verdade, Manfred, ele seria Stealth, ao menos mais Stealth que vários caças de hoje em dia…abre o olho FAB!!! Deixa de lado esses F-5 e vamos modernizar alguma coisa mais letal: “Super Fokker Dr. 1″, já!!!….hehehehe

    abraços

  22. Hornet 8 de novembro de 2008 at 18:25 #

    É verdade, Manfred, ele seria Stealth, ao menos mais Stealth que vários caças de hoje em dia…abre o olho FAB!!! Deixa de lado esses F-5 e vamos modernizar alguma coisa mais letal: “Super Fokker Dr. 1″, já!!!….hehehehe

    abraços

  23. paulo costa 8 de novembro de 2008 at 18:37 #

    Destas maquinas da epoca os Zepellins voam ate hoje,
    conhecidos por balões dirigiveis ,prestando bons serviços.

  24. paulo costa 8 de novembro de 2008 at 18:37 #

    Destas maquinas da epoca os Zepellins voam ate hoje,
    conhecidos por balões dirigiveis ,prestando bons serviços.

  25. joaquim 8 de novembro de 2008 at 21:24 #

    Lembram-se dos tratados de limitações de armas nucleares? Pois é….acho que o mesmo deveria ser feito com aviões de combate….ai não precisariamos gastar entre US$ 55 milhões e US$ 80 milhões por cada avião a ser selecionado para a FAB no FX-2. Já imaginaram lá em Anapolis uns 16 Fokker Dr.1 de mais ou menos US$ 250 mil cada um?

  26. joaquim 8 de novembro de 2008 at 21:24 #

    Lembram-se dos tratados de limitações de armas nucleares? Pois é….acho que o mesmo deveria ser feito com aviões de combate….ai não precisariamos gastar entre US$ 55 milhões e US$ 80 milhões por cada avião a ser selecionado para a FAB no FX-2. Já imaginaram lá em Anapolis uns 16 Fokker Dr.1 de mais ou menos US$ 250 mil cada um?

  27. Vassily Zaitsev 8 de novembro de 2008 at 22:03 #

    Joaquim,

    Quem sabe 24 Spad???????????????? ou Albatros!!!!!!!!!!!!!!!

    Com 100 milhões já teríamos uma gigantesca “Força Aérea”, kkkkkkkk!!!

  28. Vassily Zaitsev 8 de novembro de 2008 at 22:03 #

    Joaquim,

    Quem sabe 24 Spad???????????????? ou Albatros!!!!!!!!!!!!!!!

    Com 100 milhões já teríamos uma gigantesca “Força Aérea”, kkkkkkkk!!!

  29. Vassily Zaitsev 8 de novembro de 2008 at 22:06 #

    Ou melhor, Fieseler Storck!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! são mais recentes.

    e, olha que com vento de proa podem até “plainar”!!!!!!

    olha só que maravilha!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! teríamos nosso tão desejado caça V/STOL!!!!!!!!!!!!!!!!!

  30. Vassily Zaitsev 8 de novembro de 2008 at 22:06 #

    Ou melhor, Fieseler Storck!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! são mais recentes.

    e, olha que com vento de proa podem até “plainar”!!!!!!

    olha só que maravilha!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! teríamos nosso tão desejado caça V/STOL!!!!!!!!!!!!!!!!!

  31. Corsario-DF 10 de novembro de 2008 at 14:55 #

    Eu sou a favor da volta da produção do Fokker Dr.I, com esses triplanos não vai ter pra ninguém na América Latina. Que venham os Su-30 para serem abatidos que nem pombos…
    rsrsrsrsrsrsrsrs.

    Brilhante matéria. Está de parabéns.

    Sds.

  32. Corsario-DF 10 de novembro de 2008 at 14:55 #

    Eu sou a favor da volta da produção do Fokker Dr.I, com esses triplanos não vai ter pra ninguém na América Latina. Que venham os Su-30 para serem abatidos que nem pombos…
    rsrsrsrsrsrsrsrs.

    Brilhante matéria. Está de parabéns.

    Sds.

  33. FTZ 2 de setembro de 2010 at 16:51 #

    Muito legal a matéria, gostaria de conhecer sobre as manobras dos combates aéreos (voces deram o exemplo do IMMELMANN), inclusive visualizando a manobra em desenho.

    Abraços

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Restaurando um B-29 em Wichita

Nas imagens disponibilizadas pela USAF (Força Aérea dos EUA) em 22 de julho, um bombardeiro Boeing B-29 Superfortress (superfortaleza) com […]

Amorim reafirma expectativa de assinar contrato de compra de caças até fim do ano

O governo federal espera assinar até o fim deste ano o contrato para a compra de caças Gripen NG, da […]

Mais um operador do Gripen a caminho: a Eslováquia

Ministro da Defesa Martin Glvác confirmou que há um acordo para alugar os jatos suecos, segundo a Rádio Slovakia International […]

Divisão de sistemas eletrônicos da ST Engineering abre subsidiária no Brasil

São Paulo, julho de 2014 – A Singapore Technologies Engineering Ltd (ST Engineering) anuncia que sua divisão de sistemas eletrônicos, […]

Pacote tunisiano de 12 helicópteros UH-60M Black Hawk com mísseis Hellfire e foguetes Hydra

Requisição tem valor total estimado de 700 milhões de dólares, incluindo metralhadoras, motores extras, designadores de alvo, sistemas de alerta, […]

Índia venderá 10% da HAL para viabilizar produção do Rafale

Objetivo é utilizar os recursos para modernizar instalações da empresa estatal, que além do caça Rafale francês precisará produzir a […]